Em comunicado, entidade informa que o coronavírus impôs à indústria uma situação sem precedentes
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Em comunicado, entidade informa que o coronavírus impôs à indústria uma situação sem precedentes

O Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat) e a Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS) divulgou nesta segunda-feira, 11 de maio, um comunicado em que alerta que em frente à pandemia de Covid-19, o foco da indústria láctea é manter a captação, o abastecimento e os pagamentos em dia

Segundo a entidade, o coronavírus impôs à indústria uma situação sem precedentes. “As indústrias estão concentrando seus esforços, neste momento, em manter as fábricas abertas e a captação normalizada, evitando perda de leite no campo. O foco é produzir para abastecer a população que está em casa e manter pagamentos em dia ao produtor para que os tambos e as famílias que deles dependem tenham estabilidade financeira para atravessar a quarentena”, afirma por meio de nota.

De acordo com a instituição, sobre os dados divulgados pelo Conseleite no dia 28 de abril que indicaram elevação de preço do leite no mês, as indústrias informam que eles limitam-se à realidade de um momento atípico e pontual vivido até o dia 10 do mês em questão.

“Qualquer pretensão de usar esse indexador para um prognóstico do mês inteiro, como de costume, resultará em uma margem de erro elevada. Sindilat e Apil reconhecem a seriedade e eficiência do estudo realizado pelo colegiado ao longo dos últimos 14 anos, tanto que o utilizam como referência para negociação do preço do leite no campo. Pontualmente neste último levantamento, a projeção do Conseleite foi desviada de seu curso estatístico pelo imprevisto da pandemia. Além disso, o estudo não considera cenários de não-venda de derivados e, desta forma, não avalia a existência de estoques elevados que geram desequilíbrio severo entre oferta e demanda”, informa.

A instituição ainda informa ter consciência que o futuro do setor lácteo é incerto e preocupante. “Enfrentamos falta de colaboradores nas linhas de produção, dificuldades logísticas e, mesmo assim, mantemos a fabricação conscientes da responsabilidade do setor industrial com a sociedade e o produtor. Entendemos que, juntos, dialogando e explicando o momento, poderemos enfrentar essa crise e sair dela mais fortes e unidos”, finaliza.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER