Fonterra disse ter trabalhado com a DSM, uma empresa global de nutrição e biociência, desde 2019 para acelerar a produção de proteínas com propriedades semelhantes a dairina, utilizando fermentação de precisão. A parceria já havia criado propriedade intelectual e depositado patentes, diz a declaração.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
dairy

Jonathan Boswell, líder do programa de Nutrição Complementar da Fonterra disse que as patentes eram confidenciais porque ainda não eram de domínio público. A nutrição láctea continuaria a ser a força central da Fonterra, disse a empresa.

Mas as preferências alimentares de alguns consumidores estavam mudando para produtos que não eram de origem animal. As novas tecnologias tinham um lugar ao lado dos laticínios, disse a empresa. Haveria um papel tanto para os laticínios quanto para outras fontes de nutrição para alimentar a crescente população mundial, disse a empresa.

A cientista de alimentos Anna Benny, que pesquisou como a fermentação de precisão perturbaria o mercado de laticínios, disse que a maioria do leite produzido na Nova Zelândia era seco para fazer leite em pó integral. Isto era vendido como uma mercadoria e atuava como ingrediente em tudo, desde bebidas à base de iogurte até ingredientes na medicina.

Benny disse que a pergunta de um milhão de dólares era o que aconteceria com o preço do leite e com os agricultores quando o leite integral em pó pudesse ser substituído por produtos feitos por meio de fermentação de precisão.

“As pessoas ainda estão investindo em fazendas e [negócios relacionados à fazenda] que não vão pagar nos próximos sete a 10 anos”. Todos os sinais que estamos recebendo dos atores da indústria e do governo é que o leite está vendendo bem e que os produtores de leite estão sustentando a economia. Será catastrófico para a economia se o leite em pó falhar”, disse Benny.

A dependência atual da Nova Zelândia do leite em pó integral significava que ela estava superexposta a tais riscos. Não havia sinais suficientes do governo e da indústria que a indústria de laticínios estava em risco, disse Benny.

Uma vez que as empresas conseguissem copiar o leite em pó integral através de fermentação de precisão, conseguissem fazê-lo em grande escala, e seu preço fosse semelhante ou inferior ao do leite em pó integral de laticínios, então haveria um ponto de viragem, disse Benny.

Ela disse que a parceria de Fonterra era semelhante às empresas no exterior.

Nos Estados Unidos, Perfect Day, que fabricava alternativas lácteas sem animais, estava trabalhando com a ADM, disse ela.

O produtor de laticínios Waikato Pete Morgan disse que em seu núcleo principal, Fonterra, era uma empresa de alimentos. Se olhasse décadas para o futuro, veria que a fermentação de precisão era parte da resposta para alimentar uma população mundial crescente.

“A resposta não é um nós laticínio e essas outras tecnologias, a resposta virá de todos”. Uma empresa com um foco de longo prazo teria que olhar para tais tecnologias”, disse Morgan.

Morgan disse que era amplamente conhecido que se o mundo tivesse alimentos suficientes para satisfazer suas necessidades nutricionais até 2050, a quantidade de alimentos produzidos teria que dobrar.

O leite era importante como produto cru, mas Fonterra não se tratava apenas de leite, mas tinha experiência na fabricação de alimentos, propriedade intelectual, cadeias de abastecimento e clientes, disse Morgan.

Haveria agricultores que lutariam para entender por que Fonterra fez esta mudança, disse ele, mas ele acreditava que Fonterra tinha uma visão de longo prazo.

Havia uma ruptura chegando ao mercado de laticínios, e era melhor se dirigir a essa ruptura com conhecimento, do que acordar um dia e ter ficado para trás, disse Morgan.

É praticamente impossível tirar certos aperitivos do gosto do brasileiro. Sabendo disso, uma pesquisa decidiu apurar um dos nossos xodós do cardápio nacional e elegeu o melhor requeijão que hoje é vendido no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER