Carta será apresentada ao governo e levada à COP26; documente é assinado por 107 empresas.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Sam Jotham Sutharson/Unsplash Brasil é 7º maior emissor de gases do efeito estufa.

Um grupo de 107 empresas nacionais e estrangeiras, além de 10 associações setoriais, juntaram-se para pedir que o Brasil tenha protagonismo nas  negociações climáticas. Os empresários também pedem que o país assuma objetivos de proteção ambiental mais ambiciosos.

O documento será levado à COP26 (Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021), que será realizada em Glasgow, na Escócia, em  negociações climáticas. Os empresários também pedem que o país assuma  objetivos de proteção ambiental mais ambiciosos.

O documento será levado à COP26 (Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021), que será realizada em Glasgow, na Escócia, em  novembro. Antes disso, a carta será apresentada ao governo brasileiro.

Na carta, empresas como o Bradesco, Natura, BRF, Nestlé, Amazon, Ipiranga e Bayer, afirmam que o protagonismo brasileiro na questão climática é uma  tradição e que uma mudança nesse ponto traria prejuízos ao país. “O Brasil deve  manter a sua centralidade nesse diálogo, sob pena do enorme prejuízo ao setor  produtivo e à sociedade brasileira.”

Por iniciativa da “Clima Empreendedores” e organizado pelo CEBDS (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável). O grupo tem encontro com os ministros Carlos França (Relações Exteriores), Paulo Guedes (Economia), Joaquim Leite (Meio Ambiente) e Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Guedes já responde ao grupo e um dado vai sendo combinado.

Os empresários afirmam que “metas climáticas ambiciosas” devem ser aproveitadas no Brasil na COP26. Para os presidentes de empresas nacionais e internacionais ou o futuro de uma economia de baixo carbono, isso faz sentido, ou “vantagens comparativas extraordinárias do Brasil. Ficar de fora do Fórum das Grandes Economias sobre Energia e Clima, organizado pelos Estados Unidos, em 17 de setembro . Participarão os seguintes países: Argentina, México, Bangladesh, Indonésia, Coreia do Sul, Reino Unido ou o Conselho Europeu da Comissão Europeia e da ONU (Organização das Nações Unidas).

A pesar de ser um país-chave para as questões climáticas, sendo a floresta amazônica o 7º território com mais emissões de gases do fogão, ou seja, o Brasil não foi convidado. Nenhum evento anterior liderado pelos Estados Unidos, uma Divisão de Liderança de Liderança pelo Clima ou o Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foram dois palestrantes.

Deputado federal goiano conseguiu aprovar proposta que tramitava desde o início de 2019 em defesa de um mercado equilibrado na indústria láctea.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER