Essa análise é do coordenador da Câmera do Leite, Vicente Nogueira Netto, que trouxe ao 1º Dia do Leite O Presente Rural/Frimesa algumas reflexões do setor no país, entre elas o paradoxo que existe entre a atividade leiteira no Brasil e os preços praticados no mercado.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Fotos: Jaqueline Galvão/OP Rural

“O único momento em que conseguimos conversar com as grandes redes é quando há escassez. Quando falta leite tudo vai bem”, a análise crítica é de Vicente Nogueira Netto, coordenador da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (CSLEI/Mapa) pela Organização das Cooperativas do Brasil (OCB).

Coordenador da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Mapa, Vicente Nogueira Netto: “Quando conseguimos chegar ao consumidor com um preço mais alto, conseguimos distribuir resultados ao longo de toda a cadeia”

Ele foi um dos palestrantes do 1º Dia do Leite, evento híbrido alusivo ao Dia Internacional do Leite, promovido pelo Jornal O Presente Rural, em parceria com a Frimesa. O encontro foi no início de junho em Marechal Cândido Rondon, região Oeste do Paraná, e contou com a presença de produtores e autoridades do setor, além de expectadores pelas redes sociais.

Com a proposta de realizar reflexões do mercado de lácteos, Netto disse haver um paradoxo entre a atividade leiteira no Brasil e os preços praticados no mercado. Ele destaca os atuais preços do leite e derivados nos supermercados e afins. “Por outro lado, quando a gente consegue chegar ao consumidor com um preço mais alto, conseguimos distribuir resultados ao longo de toda a cadeia”, afirma Netto.

Entretanto, ele se diz assustado com o fato do setor ser obtuso quanto a leitura do mercado e quanto as atitudes da cadeia leiteira do Brasil. Tal afirmação segundo ele, serve de reflexão para as cooperativas, mas principalmente para as indústrias. “Desde maio do ano passado a produção e as importações são menores que o consumo”, destaca.

A disponibilidade per capita de litros de leite por habitantes, recuou 13,6% no primeiro quadrimestre e manutenção do patamar de preços na cadeia produtiva.

Conforme Vicente, na primeira semana de maio, período de menor oferta de do produto, houve a tentativa de provocar uma redução do preço pago ao produtor, no momento em que para ele, a produção deveria ter sido estimulada. “Isso não tem cabimento, afinal, se todo mundo estava vendo que faltaria produtos, por que a indústria deu sinal contrário para a oferta”, indaga.

Segundo ele, talvez isso se deva ao imediatismo da indústria láctea brasileira e à falta de coordenação da cadeia produtiva. Em contra ponto, ele cita as cooperativas de leite, e afirma que quando bem geridas atingem resultados positivos e desempenham melhor a relação com o produtor. “O cooperativismo de leite no Brasil passou ou passa por diversas fases, e talvez precise se reinventar”, ressalta.

De acordo com Netto a cadeia produtiva de leite no Brasil conhece pouco o mercado ao qual está inserida. “Precisamos nos conhecer melhor para dar sinais corretos para o mercado”.

Excedente

Outro apontamento feito por Netto se refere ao excedente de produção. Segundo ele, a cadeia de leite não está preparada para trabalhar com esse fator, considerado por ele o principal problema da economia leiteira do país. “Quando sobra 1% por exemplo, as quedas são desproporcionais”, ressalta.

Ele destaca o papel das informações em tempo real que maximizam a rapidez com que o mercado atualiza as informações. “Quando cai o valor do Spot o mercado vem pra cima e na queda de braço a gente perde”, salienta.

Para Netto, para que haja avanços na cadeia produtiva de leite no Brasil é preciso que existam políticas de melhor convivência com o excedente. Quando tem excedente o varejo ganha força contra a indústria, e consequentemente, reflete negativamente no produtor, elo mais frágil da cadeia.  “Talvez por conta disso a produção não saia do lugar nos últimos cinco anos”, conclui.

Oferta global

É natural em momentos de queda na produção interna que o mercado de varejo ou até mesmo a indústria importe leite de outros países, porém, Netto alerta para a desaceleração da produção nas principais regiões exportadoras. Entretanto, conforme dados elaborados pelo Sistema OCB, a produção está negativa desde 2021. “Os principais ofertantes também estão em decrescimento na produção de leite”, afirma.

De acordo com Netto, a escassez de leite no Brasil deve durar um pouco mais de tempo do que nas principais regiões produtoras do mundo. Entre os países da América do Sul junto ao Brasil, Netto cita o Uruguai a Argentina, ambos comprometidos com a exportação. O primeiro também diminuiu a produção, enquanto que a Argentina teve um ligeiro crescimento no último ano. “E mesmo assim a gente deu um sinal contrário. No mês passado a gente fez quem ofertava leite acreditar que tinha que baixar preços”, salienta.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor de bovinocultura, commodities e maquinários agrícolas acesse gratuitamente a edição digital Bovinos, Grãos e Máquinas.

O preço do leite longa vida caiu pelo terceiro mês consecutivo nos supermercados do país.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER