Sindilat e Apil se manifestaram dizendo que foco é manter a captação, o abastecimento e os pagamentos em dia
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Sindilat e Apil se manifestaram dizendo que foco é manter a captação, o abastecimento e os pagamentos em dia

Caroline Garske 
– Lidiane Mallmann/arquivo

VALE DO TAQUARI | O momento é de preocupação para o setor lácteo. Em nota encaminhada à imprensa, o Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat RS) e a Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do RS (Apil RS) falam sobre impactos da pandemia. De acordo com o posicionamento, o foco da indústria leiteira é manter a captação, o abastecimento e os pagamentos em dia.

O futuro do setor, conforme as entidades, é incerto e preocupante, assim como outros diversos outros ramos da economia. O secretário executivo do Sindilat, Darlan Palharini, diz que a greve dos caminhoneiros de 2018 também foi um momento atípico, mas não se compara ao que está sendo vivido com a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). “A maior preocupação do setor é com relação às queijarias, com a não abertura de hotéis, restaurantes, essa venda caiu em torno de 40%”, destaca.

Além disso, as entidades afirmam que os dados divulgados pelo Conseleite em 28 de abril, que indicaram elevação de preço do leite, não mostra a realidade, pois limita-se à pesquisa que se encerrou no dia 10 do mesmo mês. “Quando chegou o dia 10 já estava mais estável o preço do leite UHC e no dia 28, quando fizemos a reunião, alertamos a situação que o mercado já tinha revertido totalmente o preço do leite de caixinha do atacado e o leite em pó também tinha estabilizado o preço”, completa Palharini.

Na região

Em Estrela, município que possui aproximadamente 500 produtores de leite, a preocupação com a pandemia também aflige produtores e autoridades municipais. Para o secretário José Adão Braun, da Secretaria Municipal da Agricultura, a instabilidade se estende, também, ao setor de suínos e aves de corte, embora o leite tenha uma sensibilidade maior.

Braun entende que não pode haver incertezas, pois há completa interdependência e ajuste dos segmentos, desde a produção, até a comercialização. “Qualquer interrupção que haja em alguma fase do processo causa uma desestabilização desta sintonia que existe, com fortes prejuízos a todos envolvidos, podendo assumir uma característica de tragédia”, frisa.

O secretário, que também é produtor de leite, afirma que produz cerca de dois mil litros por dia. “Produzimos uma quantia muito expressiva, são em torno de 40 milhões de litros por ano e isso nos dá uma produção diária de 110 a 115 mil litros de leite por dia e onde vamos colocar toda essa produção?”, questiona Braun. As consequências, para ele, poderiam ser diversas, como a falência dos produtores, desemprego e ainda, ocasionar um problema ambiental. Ademais, Estrela ficaria sem a arrecadação proveniente do setor, que gira em 10%. “É incalculável, não dá para imaginar que haja qualquer interrupção.”

Já em Anta Gorda, município sede da FestLeite, o secretário da Agricultura, Joelmo Balestrin, comenta que são aproximadamente 300 produtores que dependem da indústria para o sustento de suas famílias. “Anta Gorda tem uma produção significativa, a gente tem entre 27 e 28 milhões de litros por ano. Ela representa bastante no índice de retorno também.”

O problema ainda se agrega à estiagem, vivida desde o final de 2019 e que se estendeu até este mês. “É um momento bem delicado, mexe com o psicológico do produtor. Tem uma realidade, que além dessa pandemia que tu fica na incerteza de chegar na propriedade para fazer a visita ou não, porque alguns estão assustados, tu chega e ainda tem o problema da pastagem, é desolador, é bem atípico”, salienta Balestrin. Devido à pandemia do novo coronavírus, a 8ª FestLeite, que seria realizada neste ano, foi transferida para abril de 2021.

Dificuldades

O produtor rural Marcos Lodi, de Anta Gorda, diz que, atualmente, a maior preocupação é manter-se na atividade em um momento no qual os custos são elevados. A pandemia e a forte estiagem uniram-se e causaram um problema que, segundo Lodi, representa uma alta no custo de cerca de 30%. “Fez com que tivéssemos que comprar mais de 50% de alimentos para os animais”.

Além disso, a alta do dólar também impactou e refletiu no orçamento. “Todas vitaminas, micro e macro minerais, são todos produtos importados e que são essenciais para a nutrição e isso tem dobrado o valor certos produtos”, destaca o produtor.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER