Em volume, as importações somaram 111,1 milhões de litros em equivalente leite no primeiro mês de 2019
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Em volume, as importações somaram 111,1 milhões de litros em equivalente leite no primeiro mês de 2019

Por Juliana Santos

O mercado de lácteos iniciou 2019 com forte aumento de 41% no déficit da balança comercial brasileira entre dezembro/18 e janeiro/19, com saldo negativo passando para US$ 38,4 milhões.

Esse cenário está atrelado à alta de 31% no valor total das importações e ao recuo de 18% na receita com as exportações, que passaram em janeiro para, respectivamente, US$ 43,1 milhões e US$ 4,6 milhões.

Em volume, as importações somaram 111,1 milhões de litros em equivalente leite em janeiro, 27% maior que o de dezembro/18 e 72% superior ao de janeiro/18. Isso se deve ao maior volume de compras de leite em pó, que representou 75% do total importado, o equivalente a 83,3 milhões de litros de leite, alta de 34% em relação a dezembro.

Os principais fornecedores do Brasil foram a Argentina e Uruguai, que representaram 95% do total de leite em pó importado. As aquisições do Brasil nesses países cresceram, respectivamente, 21% e 87%, de dezembro para janeiro.

As compras de queijo, segundo lácteo mais importado pelo Brasil, também cresceram, 12%, totalizando 25,8 milhões de litros em equivalente leite em janeiro. Esse aumento é decorrente da oferta reduzida de leite no mercado doméstico.

Exportações

Quanto às exportações, o recuo também influenciou o déficit da balança comercial. Em volume, houve redução de 7% de dezembro para janeiro, ou de 5,5 milhões de litros de leite.

As vendas de queijos, que representaram 55% do volume total exportado, aumentaram 65% de dezembro para janeiro, ou 3 milhões de litros de leite. Os principais destinos dos queijos nacionais foram a Argentina (somando 875 mil litros em janeiro), a Rússia (666 mil litros) e o Paraguai (420 mil litros).

Já as vendas externas de leite condensado – segundo produto lácteo mais exportado pelo Brasil – diminuíram 49% na mesma comparação, ou o equivalente a 1,4 milhão de litros de leite. O principal destino do derivado lácteo nacional, Trinidade e Tobago, reduziu em 47% as compras de dezembro para janeiro.

As perspectivas dos fundamentos do mercado apertaram-se ainda mais do lado da oferta no último mês, com o pico de produção na NZ a permanecer mais fraco do que o esperado e a contínua pressão descendente sobre a produção de leite da UE.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER