Desestimulados com o mercado leiteiro em Goiás, produtores abandonam a produção e preço do leite dispara.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Preço do leite em um hipermercado de Goiânia (Foto: Altair Tavares)

O alto custo para produção de leite tem afastado produtores do mercado e feito consumidores passarem por apertos nos grandes centros. Em Goiânia, é possível encontrar o litro de leite vendido a R$ 7,49 em um hipermercado no centro da cidade. Em outro, R$ 7,99. O preço é o estopim de uma crise vivida pelo setor desde o começo da pandemia da Covid-19, que em alguns lugares beira os R$ 8 reais.

“Com o preço [praticado] muito baixo, vários produtores desanimaram e abandonaram a atividade. Deixaram de produzir leite para produzir grãos e arrendar terras, por exemplo. Isso gerou uma falta de produto”, explica Vinicius Corrêa, presidente da Comissão de Pecuária de Bovinocultura de Leite da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás em entrevista ao Diário de Goiás.

O empresário explica que o setor tem passado por dificuldades para manter seus custos. Desestimulados, os produtores migram para outros investimentos. Sem produção, a escassez acaba fazendo o preço do leite disparar. “Vários fatores influenciaram neste momento, mas o maior realmente é a falta de ânimo dos produtos que viram um negócio mais rentável e mais seguro porque o produtor de leite tem uma insegurança muito grande porque a gente entrega um produto a um preço e não sabe o preço que vamos receber. Muita gente abandonou a atividade”, explica.

“Antigamente muita gente abandonava o mercado, mas a vaca mudava de lugar. O produtor comprava a vaca de outro. Dessa vez, como o preço da arroba estava em alta, muito produtor matou muita vaca e isso gerou um déficit na produção. Tivemos também a seca no sul que prejudicou bastante a produção de comida”, comenta. O produtor diz que os custos que não “dobraram” o valor, “triplicaram”.

“Para você ter uma noção, a soja, em 2020, antes da pandemia, nós estavamos trabalhando com soja a 1200 reais, 1100 reais a tonelada. Hoje trabalhamos a 2800, você entendeu? Tudo que não dobrou, triplicou. Combustível, o óleo diesel era R$ 3,50, hoje é quase oito reais. Milho que é um alimento-base importante na alimentação do gado, era 28, 30 reais, hoje é 80, 90 reais. Todos os insumos alimentares e de limpeza para o gado, tudo dobrou ou triplicou. O aumento de custo é muito grande”, destacou.

Para ele, a crise ultrapassa fronteiras. Trata-se de um problema global e o consumidor terá de se reajustar e acostumar com a cesta básica sem o leite. “A gente vai passar por uns dois anos em uma crise muito grande por falta de produtos e preços altos. Tem muita demanda e o que eu tenho falado para o consumidor é que o consumo vai diminuir. O litro de leite a oito reais é muito caro mas o consumidor vai ter que se adequar a isso. Tudo subiu. Arroz, feijão, subiu. Tudo dobrou. O leite até tava num patamar mais baixo, mas era questão de tempo para subir por conta do déficit. Como o leite é uma cultura que demora para você formar plantel, nascer a bezerrinha, crescer. O preço não vai ficar tão alto, vai estabelecer a seis reais. Menos de cinco reais, não vai ter”, pontua.

O rigoroso controle de custos e as melhorias de produtividade permitem que a Danone compense até certo ponto o aumento dos custos.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER