Queijo do Marajó pode ser beneficiado. Produtores poderão criar variedades do produto, com a adição de condimentos, especiarias ou outras substâncias
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Já está em vigor em todo o Brasil, após a publicação na última sexta-feira (19), a lei que regulamenta a elaboração de queijos artesanais (Lei 13.860/2019), uma antiga reivindicação dos produtores brasileiros. Os produtores de queijo da Ilha do Marajó, no Pará, deverão ser beneficiados com a regulamentação do setor, e seus produtos poderão ser comercializados em todo o País e até exportados, desde que cumpram os critérios estabelecidos pela legislação. A nova norma teve como origem um projeto apresentado pelos deputados Zé Silva (Solidariedade-MG) e Alceu Moreira (MDB-RS).

A lei determina que a elaboração de queijos artesanais a partir de leite cru será restrita a queijarias situadas em estabelecimentos rurais certificados como livres de tuberculose e brucelose. A propriedade deverá controlar a qualidade da água, implantar programa de boas práticas agropecuárias na produção leiteira e a rastreabilidade de produtos.

A nova norma define queijo artesanal como aquele elaborado por métodos tradicionais, com vinculação e valorização territorial, regional ou cultural, conforme protocolo de elaboração específico estabelecido para cada tipo e variedade, e com emprego de boas práticas agropecuárias e de fabricação, como o queijo de búfala produzido no Arquipélago do Marajó, no Pará.

O presidente Jair Bolsonaro vetou os dispositivos que detalhavam esse conceito e as condições para ser considerado produtor. Segundo o Ministério da Agricultura, que recomendou o veto, as regras poderiam gerar insegurança jurídica “em razão de potencial conflito com legislações estaduais e regulamentos já existentes”.

Comercialização

Ao todo, a lei recebeu oito vetos. Bolsonaro também excluiu da lei o artigo que permitia a comercialização do queijo artesanal em todo o território nacional e no exterior, desde que cumpridas as exigências da lei e do país importador. O argumento foi de que, ao tratar de comércio interestadual e internacional, o dispositivo “gera insegurança jurídica em razão de potencial conflito com legislações já existentes na esfera federal”.

Também foram vetados os dispositivos que obrigavam o governo a estabelecer protocolo de elaboração para cada tipo de queijo artesanal, os protocolos sanitários de produção e um cadastro eletrônico dos produtores verificados e licenciados. O presidente alegou que os artigos vetados invadem a competência privativa do governo.

A lei busca oficializar a produção artesanal de queijo como uma agroindústria de pequeno porte e possibilita a criação de variedades diferentes de queijos artesanais. Atualmente, no Pará, apenas o queijo do Marajó tem um selo de origem.

A nova lei também permite que o Poder Executivo defina tipos diferentes do produto alimentício, como o parmesão e o mussarela, e, a partir desses tipos, os produtores poderão criar variações com a adição de ingredientes, desde que isso não resulte na perda de qualidade do item.

O preço do leite longa vida caiu pelo terceiro mês consecutivo nos supermercados do país.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER