O ano passado foi bastante complicado e, de modo geral, não deixará boas lembranças para as pessoas ao redor do globo.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O ano passado foi bastante complicado e, de modo geral, não deixará boas lembranças para as pessoas ao redor do globo. Entretanto, os produtores de Jersey tem algo a comemorar em relação à 2020, pois as marcas de produção de leite e sólidos da raça atingiram recordes históricos e comprovaram – de forma cabal – as grandes vantagens deste gado fantástico.

Nos Estados Unidos, a associação dos criadores de gado Jersey (AJCA) relatou, em seu anuário de 2020, que a lactação oficial da raça1 é agora de 9.165 kg de leite, com 445 kg de gordura (4,8%) e 340 kg de proteína (3,7%), ajustada para a idade adulta2. Isto é um volume muito significativo de produção, que se traduz em uma produtividade média de 30 kg de leite por vaca/dia. Mais ainda, pela excelente qualidade do seu leite, o rendimento médio de queijo do Jersey americano foi de 1.155 kg.

Estas médias refletem os números do controle leiteiro oficial dos EUA em 2020, com 93.082 lactações controladas. Embora o número de lactações controladas tenha sido 7,7% menor que em 2019, o Jersey continua a crescer em relação às outras raças no país. As estatísticas mais recentes (janeiro/ 2020) indicam que as vacas Jersey representam 8,72% do rebanho leiteiro americano, ante 7,73% no ano anterior. As vendas de sêmen de Jersey também continuaram crescendo, respondendo – agora – por 15,35% das vendas de sêmen no mercado doméstico.

Com base nos dados dos últimos 10 anos, projeta-se que a média de lactação da raça vai atingir 9.536 kg leite (31,3 kg/dia) em 2025, nos Estados Unidos, com 467 kg de gordura (4,90%) e 358 kg de proteína (3,76%) . Estes números são ótimos, porque o gado Jersey mostra sua tremenda capacidade produtiva, ao mesmo tempo que mantem suas vantagens competitivas, em termos de eficiência, qualidade do leite e preservação ambiental.

No cômputo final, a raça aumentou sua produção de leite e sólidos totais (gordura e proteína), o que é um equilíbrio difícil de se alcançar. Na prática, o aumento dos sólidos significa que os laticínios podem ser mais eficientes, produzindo mais produtos por litro de leite Jersey, e remunerar melhor os jersistas.

Melhores rebanhos dos EUA

No seu relatório anual, a AJCA também identificou os rebanhos líderes do Estados Unidos, tanto para produção ajustada como para produção real (ver tabela abaixo). Pelo segundo ano consecutivo, o rebanho de 197 vacas da Fazenda Cinnamon Ridge Dairy (em Donahue – Iowa) foi o líder em produção de leite, proteína e queijo em ambas as bases. Em 2020, a sua lactação média ajustada foi de 12.022 kg de leite (39,4 kg/dia), 567 kg de gordura (4,72%) e 461 kg de proteína (3,75 %). A média real, por sua vez, foi de 25.077 kg de leite, 532 kg de gordura e 422 kg de proteína.

O maior produtor de gordura do país – tanto para a produção padronizada quanto para a real – foi o rebanho de 19 vacas de Pam e Danny Moser, da cidade de Middletown (Maryland). Em 2020, a Walnut Ridge Farm teve uma lactação média ajustada de 10.311 kg de leite (33,8 kg/dia), 624 kg de gordura (6,05%) e 373 kg de proteína (3,62%). Já, a sua média real foi de 9.318 kg de leite, 571 kg de gordura e 338 kg de proteína.

Joseph e Debra Brant, da cidade de Cuba City (Wisconsin), ficaram com o segundo lugar para produção de leite em uma base ajustada. Em 2020, o rebanho de 21 vacas teve uma lactação média de 11.629 kg de leite (38,1 kg/dia), 557 kg de gordura (4,79%) e 422 kg de proteína (3,63%). Lawton Jerseys (em Newark Valley – New York), de propriedade de Merle Lawton e sua família, ocupou o segundo lugar em termos reais, com uma média de rebanho de 10.375 kg de leite (34 kg/dia), 512 kg de gordura (4,94%) e 384 kg de proteína (3,70%), com 67 vacas.

Den-Kel Jerseys LLC, da cidade de Byron (New York), ficou em segundo lugar para gordura e proteína em bases ajustada e real. Em 2020, o rebanho de 43 vacas Jersey teve uma lactação média de 11.270 kg de leite (37 kg/dia), 613 kg de gordura (5,44%) e 432 kg de proteína (3,84%). Já, a média real das lactações do rebanho foi de 10.340 kg de leite (33,9 kg/dia), 563 kg de gordura (5,44%) e 396 kg de proteína (3,83%).

Fonte: Jersey Journal – Edição de março/2021

 

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER