Muitas vezes quando falamos de tecnologia de produção leiteira pensamos directamente em robots, no entanto, há muitas tecnologias que podem funcionar fornecendo soluções para problemas específicos que cada agricultor possa ter, que não envolvem necessariamente a automatização da ordenha.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Lacticínios Inteligentes (Ph. Emma Zappa)
Lacticínios Inteligentes (Ph. Emma Zappa)

Em resposta à demanda de muitos produtores por mais informação e conhecimento sobre novas tecnologias, a sua utilidade e como podem ter impacto nos sistemas de produção leiteira, Ricardo Garro da Fazenda Experimental Anguil do INTA em La Pampa, Argentina, fala connosco juntamente com Miguel Taverna, presidente da FunPel, uma referência leiteira do INTA e do Club Tambero, sobre o que é o Lacticínios Inteligentes.

A Precision Livestock é uma procura crescente de diferentes sectores que tornou visível a necessidade de começar a trabalhar de uma forma muito mais sólida num projecto concreto que se concentra no desenvolvimento e validação de tecnologia e na procura de parcerias público-privadas para promover novos desenvolvimentos.

As empresas privadas estão interessadas no desenvolvimento de tecnologias para a pecuária, que é muito mais negligenciada do que a agricultura de precisão, porque é sempre mais complexo desenvolver tecnologia sobre um animal vivo do que sobre equipamento ou maquinaria.

Mas o que é a Pecuária de Precisão? Está a obter o máximo de informação possível sobre o ambiente em que as vacas se encontram, e sobre as próprias vacas. Assim, podemos ter uma coleira electrónica para geo-localizar o animal que se move dentro do lote, no animal, ou na infra-estrutura, que pode ser câmaras, antenas, etc.

A exploração leiteira é um local muito interessante para incorporar tecnologia porque existem condições muito mais estáveis e a metodologia de trabalho está centrada em cada animal individualmente. Não é uma nova forma de abordar a vida quotidiana do produtor de lacticínios.

E a Pecuária Inteligente? É mais uma reviravolta nos dados recolhidos pela Precision Livestock Farming, onde tecnologias de nível superior, como a Inteligência Artificial, estão a ser utilizadas para encontrar padrões de comportamento, padrões de circunstâncias específicas do estabelecimento, informações que uma pessoa que olha para um excelente não poderia detectar a olho nu. A Pecuária Inteligente vai um passo mais além, onde os sistemas geram propostas de trabalho para tomar melhores decisões com base num grande volume de dados.

Ricardo conta-nos como uma exploração leiteira convencional está a passar da Agricultura de Precisão para a Pecuária Inteligente: ao entrar na exploração leiteira, os animais são identificados com uma caravana electrónica, e cada um recebe uma ração controlada, de acordo com as prescrições do nutricionista para cada indivíduo em particular. Ao aumentar esta incorporação de dados, estamos a começar a trabalhar com lactómetros e outros grandes volumes de dados, e os algoritmos de Inteligência Artificial tornam este conceito ainda mais eficiente, e não só a prescrição do nutricionista desempenha um papel, mas o sistema, baseado no comportamento dos animais, faz recomendações para melhorar a situação de cada indivíduo, o que levou a melhorias substanciais na economia de suplementos, na condição corporal dos animais e também na produção de leite.

As explorações leiteiras que estão a adoptar estas tecnologias têm um desempenho superior ao das que não as adoptaram. O impacto é forte e claro.

Baseia-se na premissa de incorporar tecnologia, mas sem ter de modificar toda a exploração para a poder implementar, mas com uma modificação mínima, a um custo acessível para que os produtores que têm entre 200 e 300 animais possam incorporar um desenvolvimento e utilizá-lo para gerar informação a partir da qual possam tomar melhores decisões que modificarão significativamente a produção e a rentabilidade.

Na Austrália, onde Ricardo está a fazer um estágio, estão a analisar posicionadores de parto, que são dispositivos intravaginais que caem quando o parto começa, gerando um alerta que indica onde está o bezerro, e pedómetros para analisar os padrões de movimento. Hoje em dia a gama de possibilidades de monitorização é bastante grande, mas ainda se encontra numa fase inicial, especialmente os colares que, embora tenham evoluído muito, ainda são um pouco grandes. O maior desafio para estas tecnologias é a dimensão e a autonomia das baterias.

Actualmente, as zonas rurais têm um grande problema de conectividade, limitando a possibilidade de tempo real, mas aparecem também outras tecnologias que permitem a ligação de muitos dispositivos por uma quantidade acessível, aparecendo pouco a pouco mais soluções para colocar nos animais e nas infra-estruturas, que são muito encorajadoras para o futuro, o que ajudará a tomar decisões mais eficientes e a pensar a nível individual e a deixar de falar da média do rebanho, pois há animais que estão acima da média, outros que estão abaixo dela. Será então possível explicar o número final a partir do nível individual, e tomar decisões a partir do nível individual para o nível do grupo, facilitando a antecipação de algumas situações, para uma utilização mais eficiente dos recursos.

As vacas leiteiras são os animais mais ligados no mundo, e estas tecnologias, que vieram para ficar, estão a ser aplicadas mais na pecuária leiteira do que em qualquer outro tipo de pecuária, sendo incorporadas progressivamente e mostrando mudanças muito decisivas na produção.

Muitas vezes quando falamos da tecnicização das explorações leiteiras, pensamos directamente em robots, mas existem muitas tecnologias que podem fornecer soluções para problemas específicos que cada agricultor pode ter, que não envolvem necessariamente a automatização da ordenha.

Se o problema for sanitário, a tecnologia a ser utilizada deve ser a que visa resolver esse problema, em vez de outras que não oferecem uma utilidade relevante nesse momento. Se o problema for reprodutivo, com um sensor e identificação de cada animal, a tecnologia pode ser acrescentada para ajudar a detectar o cio e definir o momento óptimo para a inseminação.

A relevância da tecnologia em relação ao problema que precisa de ser resolvido é fundamental, e outras tecnologias que dão outros contributos podem ser incorporadas progressivamente mais tarde. Esta tecnologia deve também ser facilmente adoptável e compreensível por aqueles que a vão aplicar, para que faça realmente a diferença na rentabilidade e na produção.

Estão disponíveis programas de ensaio para avaliar se as tecnologias são adequadas ao agricultor sem que o agricultor tenha de as comprar primeiro. É também útil visitar colegas que estejam a aplicar a tecnologia de interesse e possam partilhar a sua experiência.

O registo de rotina do que acontece na exploração leiteira é frequentemente uma dificuldade para os agricultores e os seus parceiros, e é muito difícil de gerir quando há falta de dados e registos. A relação custo-benefício na adopção destes sistemas é determinada pela gestão da informação por eles gerada. Menos de 50% das explorações leiteiras geram informação para a gestão. As tecnologias simplificam a captura de informação e ajudam a decidir o que fazer com ela.

A mais importante das vantagens da utilização de tecnologias é a antecipação na detecção de situações que requerem diferentes acções. Por exemplo, a mastite, onde a detecção implica necessariamente testar os primeiros esporões, um operador atento à detecção de grumos, e também observar a inflamação do úbere… Os sensores permitem antecipar esta situação com três ou quatro dias de antecedência, pelo que o tratamento será mais eficaz e podemos utilizar menos antibióticos e as perdas são menores.

Também para a detecção do cio é necessário um operador com tempo e clareza para identificar cada animal do rebanho, observando-o e depois estabelecer a acção a tomar; quando com a tecnologia certa podemos saber a hora exacta do cio sem tirar todo esse tempo aos operadores e com o risco de perder oportunidades valiosas.

As desvantagens são, por um lado, e como sempre, o custo, que felizmente e como acontece com toda a tecnologia, à medida que se generaliza, o seu custo relativo é reduzido; e, por outro lado, o desafio para o utilizador de os utilizar correctamente para que a sua implementação se traduza numa maior eficiência e assim justifique o investimento.

A experiência pode ser vivida de formas diferentes por cada produtor, mas excepto em alguns casos em que a dificuldade em formar pessoal pode ser mais pesada, em geral é sempre positiva e resulta numa produção menos laboriosa, mais eficiente e mais agradável para todos, homens e animais.

Em qualquer caso, não é de somenos importância que o estrangulamento seja o pessoal e a sua formação, especialmente tendo em conta a elevada rotatividade nas explorações leiteiras. É necessário propor uma estratégia de formação na utilização da tecnologia e de alguma forma incluir a lealdade na relação de trabalho.

Hoje temos uma oferta tecnológica muito interessante, toda ela internacional mais desenvolvimentos locais. Temos identificação automática de vacas, medição da produção de leite, gestão de alimentação individual, gestão de saúde através de diferentes sensores, detecção de cio e gestão reprodutiva e de partos, também com a ajuda de diferentes sensores que estão ligados a diferentes softwares que cruzam a informação e nos ajudam a tomar melhores decisões.

Temos sensores de stress térmico, ofegantes e de respiração forçada, que permitem a activação automática dos aspersores e o consequente arrefecimento dos animais quando mais precisam, garantindo não só mais conforto para o rebanho, mas também uma poupança substancial em água e energia.

A tecnologia é um aliado incontestável e acessível para pequenos e grandes produtores, que acompanhados por uma filosofia visionária e apoiando as suas decisões na força de uma informação fiável, conseguirão soluções que contribuirão para a sua qualidade de vida, a do seu pessoal e dos seus animais, o que aumentará a sua produtividade nesta sinergia de bem-estar.

O futuro está aqui, e pergunto a mim mesmo, Sr. Produtor de Lacticínios, já bebeu o seu copo de leite hoje?

Consumir produtos lácteos é bom para si, e produzi-los é uma tarefa fascinante, cheia de desafios, amor e infinitas possibilidades de inovação nas formas de gerir a sua produção.

 

Valeria Guzmán Hamann
EDAIRYNEWS

 

 

 

 

Valorização está relacionada ao forte aumento do custo de produção por conta da forte estiagem sofrida no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER