A Federação Pan-Americana (FEPALE) lançou um alerta contra os problemas que pandemia causa, mas o problema estrutural é antigo.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
A Federação Pan-Americana (FEPALE) lançou um alerta contra os problemas que pandemia causa, mas o problema estrutural é antigo. “O surgimento e a rápida disseminação da Covid-19 representam uma ameaça para as sociedades e economias”, disse um comunicado da Federação Pan-Americana de Laticínios.

setor de laticínios é um exemplo dos desafios enfrentados pelas cadeias de abastecimento de alimentos devido à pandemia. Por este motivo e com o objetivo de avaliar o impacto imediato que teve no setor lácteo, foi formada uma equipe de pesquisadores liderada pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), recolhendo informação em cinco regiões geográficas distintas – África, Ásia, Europa, América Latina e América do Norte – , em dois momentos diferentes da pandemia. A FEPALE contribuiu para o estudo com dados da América Latina.

O estudo indica que o impacto da pandemia tem sido percebido como uma série de episódios que afetaram o setor tanto do ponto de vista da oferta quanto da demanda de forma diferenciada em função dos perfis de negócios das regiões e países, escassez de recursos relativos, renda per capita e estrutura de mercado.

Durante o período investigado, observou-se que uma série de mecanismos de resposta foram colocados em prática para mitigar os efeitos do choque, embora a análise também sugira que a pandemia acelerou as mudanças estruturais em curso que estavam ocorrendo no setor de laticínios.

Na região noroeste de Buenos Aires, esse diagnóstico não é novo, conhecido há décadas, principalmente desde a chegada da produção de soja e que fez com que muitos produtores de leite encolhessem as fazendas leiteiras até o desaparecimento, pois os números eram muito mais interessantes com a agricultura.

Percorrendo as estradas rurais, você encontrará inúmeros estabelecimentos abandonados que antes eram fazendas leiteiras ou até pequenos e médios laticínios.
Abandono na pandemia

As discussões do grupo de foco da FEPALE destacaram que, em todas as regiões, os efeitos da pandemia nos preços do produtor e dos insumos levaram ao aumento da volatilidade, colocando pressão adicional sobre os lucros e comprometendo a já ameaçada viabilidade econômica de seus sistemas de produção primária.

Portanto, a pandemia levou muitos produtores a abandonar a produção leiteira, principalmente os pequenos, resultando em poucos estabelecimentos, porém maiores.

Não é um fenômeno novo, como mencionamos acima em relação à nossa área, mas sim a aceleração de uma tendência que vem ocorrendo há muitos anos. As discussões também destacaram que, na última década, o setor globalmente passou por fusões e aquisições que levaram ao aumento do tamanho das operações.

Como resultado da pandemia, as indústrias enfrentarão um nível mais alto de demandas para garantir que os produtos e serviços atendam aos requisitos de qualidade e segurança. A implementação de padrões mais elevados afetará os custos de fazer negócios, o que provavelmente reduzirá as margens de lucro, embora sejam as fábricas que geralmente ficam com a maior parte do negócio, embora sejam obsoletas em muitos casos.

Agora, de acordo com a federação pan-americana, “como as maiores fazendas leiteiras tendem a ter menores custos de produção por unidade de produção, o efeito da pandemia vai estimular ainda mais o processo de consolidação do setor em detrimento dos menores”.

Os resultados também destacaram que a pandemia aumentou a consciência dos consumidores em todo o mundo sobre dietas saudáveis e seguras. As restrições de movimento levaram os consumidores a explorar a compra de alimentos online pela primeira vez.

Esses fatos sugerem que, no médio prazo, o aumento da conscientização sobre as dietas reforçará os padrões de consumo de alimentos mais saudáveis, como leite e derivados e, com a digitalização das plataformas, os canais de e-commerce crescerão em ritmo acelerado.

Apesar das desvantagens econômicas, a pandemia levará a um reforço político da abordagem de autossuficiência alimentar em muitos países. As restrições comerciais impostas por diversos países durante a pandemia para proibir a exportação de produtos como o leite, e o temor de que outra crise possa deixar os países em situação de vulnerabilidade, levarão os países a promover ações destinadas a reduzir a dependência dessas importações.

No entanto, dada a importância do comércio na economia mundial, o conceito precisará ser refinado e definido de forma mais ampla.

As medidas necessárias para abordar adequadamente os efeitos desta pandemia vão além da capacidade dos governos e exigiram a mobilização de esforços colaborativos. Apesar do efeito imediato da pandemia no setor, o impacto macroeconômico deverá persistir por algum tempo e, em alguns casos, exigirá mais ajustes no setor, mas será necessário continuar procurando áreas onde a competição agrícola não seja mais atraente.

O estudo FEPALE amplia o conhecimento existente sobre os efeitos da pandemia no setor de laticínios e adiciona à literatura em evolução recente sobre os efeitos de médio e longo prazo da Covid-19 nos sistemas alimentares em todo o mundo.

Apesar do caráter preliminar dos resultados, fornece informações importantes para enriquecer as discussões sobre políticas setoriais para a realização de um debate imprescindível por um pampa úmido que perdeu com a ideia de fazenda leiteira, empregos de qualidade, mão de obra qualificada, solos e biodiversidade, cuidado, algo que a agricultura continua levando em detrimento das comunidades rurais.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER