Glauco Oliveira explica que geralmente a cotação nesse momento, porém, o país nunca viveu esse período junto de uma pandemia
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Glauco Oliveira explica que geralmente a cotação nesse momento, porém, o país nunca viveu esse período junto de uma pandemia

14 de abril de 2020 às 20h21
Por Canal Rural

As exportações de leite em pó e derivados lácteos cresceram 62% em março em relação a fevereiro deste ano. Apesar da alta, o desempenho continua abaixo das importações, que ficaram praticamente estáveis frente ao mês anterior.

Segundo o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Glauco Carvalho, isso não deve se alterar no curto prazo. “A tendência é que continuemos exportando de US$ 5 milhões a US$ 6 milhões e importando mais forte, em torno de US$ 30 milhões”, diz.

O especialista afirma que a diferença no saldo comercial se dá pelo perfil da produção de lácteos do Brasil, que é direcionada ao mercado interno. “Temos uma demanda mais robusta, com uma grande população”, diz.

Assim, de acordo com Carvalho, o Brasil deve continuar exportando queijo, creme de leite e leite condensado para países como Argélia e Venezuela e recebendo queijo e leite em pó do Mercosul.

Quanto aos preços dos produtos em meio à pandemia de coronavírus, o pesquisador afirma que os preços praticados ao produtor giram em torno de R$ 1,44/R$ 1,45 na média Brasil, mas há dúvidas por conta da doença. Alguns derivados subiram, mas outros, como o queijo mussarela, caíram. “Nesta época, os preços geralmente sobem, mas nunca tivemos uma entressafra junto com pandemia”, diz.

No total, 57 prêmios vieram para o Brasil; produção do queijo mineiro já é reconhecido como patrimônio cultural imaterial.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER