Brasil teve nova deflação no IPCA, com queda de 0,29% em setembro e inflação de 7,17% no acumulado em 12 meses; veja o que variou de preço.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
leite
Leite: produto caiu 13,7% em setembro, mas alta acumulada em 12 meses segue de quase 37% (Leandro Fonseca/Exame)

O Brasil teve nova deflação no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), principal índice inflacionário brasileiro, com queda de 0,29% da inflação em setembro e alta acumulada de 7,17% em 12 meses. O resultado foi divulgado nesta terça-feira, 11, pelo IBGE.

O resultado de setembro representa pelo terceiro mês seguido uma deflação, quando há variação negativa no índice. Em agosto, a inflação já havia variado negativamente em 0,36%.

A queda no índice foi novamente puxada pela redução no preço dos combustíveis, em meio ao corte de impostos e cenário mais favorável no mercado internacional. Juntos, os combustíveis caíram 8,5% no mês. Alimentos também caíram pela primeira vez desde novembro de 2021, com queda de 0,51% no grupo “Alimentos e Bebidas” e 0,86% no subgrupo alimentação no domicílio.

Um destaque foi a queda no preço do leite longa vida, que caiu 13,71%, favorecido pelo fim do inverno, após ter altas fortes nos últimos meses. Apesar da baixa em setembro, o leite segue com alta acima da inflação no acumulado, tendo subido mais de 30% em 12 meses. Veja abaixo os produtos que mais caíram e subiram de preço em setembro e ao longo dos últimos 12 meses.

Maiores baixas de preço em setembro

(variação mensal; IPCA do mês foi de -0,29%)

  • Morango -21.77%
  • Pepino -14.83%
  • Melancia -14.44%
  • Leite longa vida -13.71%
  • Etanol -12.43%
  • Manga -11.05%
  • Acesso à internet -10.55%
  • Gasolina -8.33%
  • Repolho -6.78%
  • Óleo de soja -6.27%
  • Alface -5.85%
  • Coentro -5.27%
  • Feijão – carioca (rajado) -4.78%
  • Óleo diesel -4.57%
  • Tomate -3.82%
  • Feijão – preto -3.41%
  • Couve -3.21%
  • Peixe – dourada -3.12%
  • Videogame (console) -3.06%

Maiores altas de preço setembro

(variação mensal; IPCA do mês foi de -0,29%)

  • Limão 34.57%
  • Cebola 11.22%
  • Tangerina 11.15%
  • Banana – d’água 10%
  • Laranja – baía 8.69%
  • Passagem aérea 8.22%
  • Maracujá 7.71%
  • Banana – maçã 7.62%
  • Banana – prata 7.51%
  • Abobrinha 7.48%
  • Laranja – lima 6.93%
  • Transporte por aplicativo 6.14%
  • Couve-flor 5.83%
  • Leite condensado 5.54%
  • Doce de frutas em pasta 5.49%
  • Maçã 5.13%
  • Inhame 4.92%
  • Pimentão 4.38%
  • Autoescola 4.35%
  • Uva 4.28%

Maiores baixas de preço em 12 meses

(variação em 12 meses; IPCA no período foi de 7,17%)

  • Etanol -24.39
  • Pimentão -19.79
  • Abobrinha -18.88
  • Gasolina -18.65
  • Energia elétrica residencial -17.51
  • Carne de carneiro -17.07
  • Tomate -16.44
  • Pepino -16.35
  • Feijão – preto -14.88
  • Acesso à internet -10.55
  • Coentro -9.98
  • Laranja – lima -7.26
  • Videogame (console) -6.6
  • Aluguel de veículo -6.23
  • Abacate -6.11
  • Arroz -6.05
  • Peixe – dourada -5.97
  • Peixe – pintado -5.29
  • Carne de porco -4.56
  • Carne de porco salgada e defumada -4.3

Maiores altas de preço em 12 meses

(variação em 12 meses; IPCA no período foi de 7,17%)

  • Cebola 127.3%
  • Melão 73.31%
  • Mamão 53.89%
  • Passagem aérea 47.69%
  • Óleo diesel 45.19%
  • Banana – d’água 44.82%
  • Maracujá 44.04%
  • Seguro voluntário de veículo 41.35%
  • Transporte por aplicativo 39.79%
  • Tangerina 39.67%
  • Café moído 37.66%
  • Maçã 36.96%
  • Limão 36.95%
  • Leite longa vida 36.93%
  • Farinha de trigo 35.39%
  • Melancia 35.1%
  • Leite condensado 33.13%
  • Mudança 32.82%
  • Manga 31.93%
  • Alimento infantil 31.46%

É praticamente impossível tirar certos aperitivos do gosto do brasileiro. Sabendo disso, uma pesquisa decidiu apurar um dos nossos xodós do cardápio nacional e elegeu o melhor requeijão que hoje é vendido no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER