Os alimentos funcionais são aqueles que, para além das suas condições nutricionais habituais, proporcionam benefícios extra relevantes em termos de bem-estar ou prevenção de doenças. Parecem, cheiram e sabem tal como os seus congéneres tradicionais. O desenvolvimento de produtos lácteos funcionais é uma tendência global porque estamos cada vez mais interessados na forma como comemos e na qualidade de vida.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
ESTÁ DISPONÍVEL NO MERCADO UMA GRANDE VARIEDADE DE PRODUTOS LÁCTEOS FUNCIONAIS.
ESTÁ DISPONÍVEL NO MERCADO UMA GRANDE VARIEDADE DE PRODUTOS LÁCTEOS FUNCIONAIS.

Os alimentos funcionais são aqueles que, para além das suas condições nutricionais habituais, proporcionam benefícios extra relevantes em termos de bem-estar ou prevenção de doenças. Parecem, cheiram e sabem tal como os seus congéneres tradicionais.

O desenvolvimento de produtos lácteos funcionais é uma tendência global porque estamos cada vez mais interessados na forma como comemos e na qualidade de vida. O leite tem todas as qualidades para ser um alimento funcional, pois é muito fácil de adicionar ingredientes como probióticos e prebióticos, vitaminas e minerais, proteínas bioactivas e péptidos, fibras, antioxidantes e ácidos gordos insaturados aos elementos que já o compõem.

O consumo de leite e seus derivados em si mesmo contribui para a melhoria de diferentes condições, tais como doenças cardiovasculares, diabetes e perturbações intestinais, e para a modulação da microbiota intestinal por estirpes probióticas e pelas propriedades insulino-trópicas e imunomoduladoras das proteínas bioactivas e dos peptídeos que contêm.

A concepção e o desenvolvimento de produtos lácteos funcionais tem-se concentrado na adição de novos compostos bioactivos que não os tradicionais (probióticos e prebióticos), incorporando antioxidantes, ácidos gordos insaturados, fibras e micronutrientes, e os seus benefícios para a saúde giram em torno da regulação dos processos metabólicos, os seus benefícios para a saúde giram em torno da regulação dos processos metabólicos, apetite e saciedade, equilíbrio da microbiota intestinal, modulação do stress oxidativo, resposta inflamatória e imunitária, redução do risco de desenvolvimento de doenças e melhoria do desempenho mental, cognitivo, físico e atlético, entre outros.

O leite e os seus derivados com as suas proteínas e minerais de alto valor biológico como o cálcio, a sua ampla aceitação sensorial e a sua versatilidade para se tornarem veículos de moléculas bioactivas, permitem à indústria alimentar desenvolver produtos de alta qualidade através da adição, redução, eliminação e substituição de diferentes compostos e nutrientes.

Está disponível no mercado uma grande variedade de produtos lácteos funcionais, tais como leite fortificado com vitaminas, ácido linoleico conjugado e ómega 3; iogurtes e bebidas lácteas enriquecidas com probióticos, prebióticos e fibra adicionada. Visitei até uma fábrica de queijo há alguns dias, que fabrica queijo exclusivamente sob este conceito de saúde de valor acrescentado, sobre o qual tenho a certeza que vos falarei mais tarde.

O leite é uma substância complexa, contendo lactose, proteínas, lípidos, sais minerais e vitaminas. É considerada uma das mais importantes fontes de proteína na dieta humana, uma vez que um copo de 200 ml fornece aproximadamente 6,4 g de proteína. Os aminoácidos essenciais são responsáveis por 26% das suas proteínas, com uma biodisponibilidade superior a 90%.

A fracção solúvel das suas proteínas representa 20% do conteúdo total e está presente no soro de leite, composto por aminoácidos que contribuem para o aumento da saciedade. A fracção insolúvel representa 80% e é o que conhecemos como caseína.

Os lípidos no leite variam de acordo com as características das vacas que o produzem, mas contém aproximadamente 98% de triglicéridos, 2% de diglicéridos e uma fracção inferior a 0,5% composta de colesterol, ácidos gordos livres, vitaminas lipossolúveis e beta-caroteno.

Em média, 70% dos ácidos gordos do leite estão saturados e os restantes 30% são ácidos gordos insaturados. Cerca de 25% dos ácidos gordos do leite são monoinsaturados, e 2,3% são polinsaturados.

O principal hidrato de carbono presente no leite é a lactose, um dissacarídeo que pode ser utilizado como substrato no processo de obtenção de produtos fermentados.

Outro composto presente no leite que tem uma grande influência na saúde são os oligossacarídeos, que actuam como prebióticos na microbiota intestinal, permitindo o seu crescimento e protegendo a luz intestinal da aderência de agentes infecciosos que podem causar doenças.

Entre os minerais do leite, o cálcio é encontrado numa média de 240 mg por porção de 200 ml, com uma biodisponibilidade de até 75%. Para além do cálcio, o leite tem também um elevado teor de fósforo, fornecendo aproximadamente 190 mg por 200 ml de leite, e encontra-se na forma orgânica ligado a proteínas, fosfolípidos, ácidos orgânicos e nucleótidos, principalmente em micelas, e na forma inorgânica. Também contém outros minerais tais como magnésio, zinco e selénio.

O teor de vitaminas lipossolúveis (A, D, E) varia em função de diferentes factores, tais como factores ambientais, a raça das vacas, a sua alimentação e a desnatação do leite, determinados pela concentração final de gordura. O leite gordo é considerado como sendo uma fonte de vitamina A, pelo que os produtos com gordura reduzida devem ser fortificados. A sua acção é anticarcinogénica, cardioprotectora e ajuda na absorção do cálcio.

Por outro lado, as vitaminas B e a vitamina C disponíveis no leite são importantes cofactores enzimáticos envolvidos na produção de energia, neurotransmissores e síntese hormonal, fornecendo riboflavina a 35,9% do valor diário recomendado e cobalamina até 61%.

O consumo de leite está relacionado com a prevenção de várias doenças, redução do peso, redução da quantidade de tecido gordo visceral e redução da incidência de diabetes mellitus tipo 2.

O Ca, Mg e potássio (K) contidos no leite são anti-hipertensivos, desempenhando um papel importante na prevenção da hipertensão arterial, juntamente com os peptídeos bioactivos produzidos após a sua digestão.

O consumo de leite aumenta a densidade óssea, devido ao seu teor de cálcio e fósforo, o que permite a mineralização óssea, ajudando a prevenir o desenvolvimento da osteoporose, bem como permitindo a formação óssea adequada durante o período de crescimento na infância, e além do facto de ajudar a prevenir o desenvolvimento da osteoporose.

Além disso, diferentes autores descobriram que o consumo diário de um iogurte com probióticos promove a função imunológica.

Como consequência deste interesse dos consumidores por alimentos com benefícios extra, a procura e produção de iogurte tem aumentado nos últimos anos. O aumento da oferta de produtos lácteos funcionais no mercado tem um duplo impacto, por um lado, na saúde pública através do aumento do consumo de produtos promotores de saúde e, por outro lado, no reforço da indústria leiteira.

Qual é a seu lacticínio funcional favorito? Vou escolher um leite com proteínas extra para o café da manhã, porque as minhas sextas-feiras são muito activas e preciso de força extra saudável para poder lidar com tudo e fazer exercício.

Já bebeu o seu copo de leite hoje?

 

Valeria Guzmán Hamann

EDAIRYNEWS

 

 

Valorização está relacionada ao forte aumento do custo de produção por conta da forte estiagem sofrida no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER