Todo o processo é comandado por um programa de computador e, a partir de uma banco de dados de cada animal é possível aumentar a produção e reduzir custos
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Todo o processo é comandado por um programa de computador e, a partir de uma banco de dados de cada animal é possível aumentar a produção e reduzir custos

20 de junho de 2020 às 15h08
Por Antônio Pétrin, de São Paulo (SP)

Durante as últimas semanas, o Rural Notícias mostrou  produtores de leite de todo o Brasil insatisfeitos com o baixo preço pago pelo litro do produto. Mas, na contra-mão desse cenário, um pecuarista do Rio Grande do Sul fez um investimento milionário e montou uma fazenda robotizada para conseguir um leite com mais qualidade e valor de mercado.

A propriedade fica no município de Paraí, no norte do Rio Grande do Sul, cerca de 270 quilômetros de Porto Alegre. Há cinco anos, o pecuarista Ezequiel Nólio decidiu investir na compra de um robô holandês para resolver um gargalo comum na pecuária leiteira: a falta de mão de obra.

A automação trouxe vantagens imediatas, relata o produtor. “Nós tivemos um incremento de 8 litros por vaca ao dia. As vacas são ordenhadas mais vezes ao dia, há uma redução no consumo de ração comparada com a ordenha feita pelo ser humano, pois cada vaca recebe a ração conforme a produção”, disse.

Todo o processo é comandado por um programa de computador e, a partir de uma banco de dados de cada animal é possível aumentar a produção e reduzir custos.

Robotização em fazenda leiteira leite vaca robô

Foto: Divulgação

O computador mostra quando ocorreu a última ordenha, temperatura do leite, produtividade de cada quarto, se a vaca teve inseminações, a estimativa do parto, secagem esperada e até os minutos de ruminação por dia.

Além disso, a central controla desde o funcionamento da bomba de vácuo, o processo de limpeza , ordenha em si, além da análise do leite e o descarte do que for impróprio para o consumo.

“Cada mangueira dessa é uma teta da vaca, o leite chegou aqui já está todo analisado, com toda a composição do leite, gordura, proteína, temperatura do leite. Se o leite estiver aguado, mastite, qualquer alteração, ele é descartado, o leite é todo feito por circuito fechado e não tem interferência humana”, disse.

 

Ao finalizar cada ordenha, um jato de iodo é direcionado a em cada quarto, que é o four beep. O braço sai debaixo da vaca, faz um enxágue, esterilização das tetas, para evitar contaminação de uma vaca para a outra. Só assim, segue para o próximo animal.

Há cerca de três anos, Ezequiel investiu em mais um robô. Dessa vez, a máquina seria utilizada para fazer a aproximação da comida na praça de alimentação de hora em hora.

“O robô está estimulando os animais a ingerir mais alimentos, pois ele está aproximando a comida várias vezes ao dia e, consequentemente, aumenta a produção de leite, além do ganho de saúde do rúmen, porque os animais ingerem mais alimento, acaba remoendo mais, e isso é um conjunto de fatores que vem para agregar”, contou o pecuarista.

 

O investimento mais recente foi feito há seis meses, quando Ezequiel comprou a versão mais nova do robô de ordenha. O investimento total até agora foi de aproximadamente R$ 1,5 milhão. Um valor alto para quem hoje tem apenas 194 vacas, com retorno estimado de 5 a 6 anos dependendo do preço recebido pelo litro do leite.

No caso do Ezequiel, uma cooperativa da região paga R$ 1,90, bem acima da média nacional e, por isso, ele está muito otimista com o futuro.

“Sei que o momento que a gente está passando é um momento difícil, com a pandemia. Muitos produtores acabam abandonando a atividade , muito leite sendo desperdiçado, mas para nós isso é uma oportunidade, um desafio, para ampliar nosso pavilhão, dobrar a produção, chegar a 5 ou 6 mil litros de leite por dia. Sei que isso é uma tarefa difícil, mas vamos chegar lá. Estamos pegando o azedo do limão, que é a crise e a pandemia, e transformando em uma doce limonada”, finalizou.

Tendência é que falte matéria-prima com possível desistência da atividade leiteira

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER