Sindicato não teme desabastecimento, mas cita impactos nos empregos
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
O litro do leite passou de R$5 e a procura do produto caiu, diz proprietário de supermercado Foto Foto: Fred Magno

Ingrediente quase indispensável na mesa dos brasileiros, o leite é um dos produtos do setor de alimentos que está pesando o orçamento das famílias. O litro já chega a custar R$ 5,49 em supermercados de Belo Horizonte e região metropolitana. Pesquisa do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da USP, aponta que o valor médio vendido por produtores subiu 15% em Minas entre março de 2021 até o final do primeiro trimestre deste ano, quando chegou a R$ 2,24.

O encarecimento ocorre na entressafra – já que o período leiteiro é no segundo semestre – em que a disponibilidade do produto está em baixa. No entanto, produtores rurais também queixam-se de alta nos custos produtivos. Levantamento feito pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) mostra que o gasto médio para a produção no Estado é R$ 1,88 por litro. O valor representa 81% do preço do leite cru em Minas, segundo a CNA, cotado em R$ 1,53.

De acordo com o presidente da Comissão Técnica de Pecuária de Leite da Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais (Faemg), Jônadan Min Ma, a alta nos custos do insumo está relacionada à queda de consumo no mercado interno e à valorização de commodities no mercado internacional, principalmente após o início da guerra entre Rússia e Ucrânia. Ele citou o milho, base para alimentação das vacas, e o petróleo, que incidiu sobre os custos de transporte.

Há ainda, segundo Jônadan, impacto sobre produtos utilizados para a ordenha que são importados e foram inflacionados. “Desde junho de 2021, o produtor começou a trabalhar no vermelho, no prejuízo. Nosso custo aumentou, o produtor que recebia em torno de R$ 2,30 da indústria pelo leite está recebendo R$ 1,70, R$ 1,80”, detalha.

Para ele, o problema no preço atual está nas margens de lucro aplicadas por grandes marcas que embalam a bebida e nos supermercados. “O varejo está ficando com uma grande gordura dessa margem”, frisa. Como reflexo dos problemas na produção, Jônadan afirma que os produtores estão se desfazendo dos rebanhos, e há uma queda estimada de 10% na produção leiteira no Brasil. “Faltou leite neste mês de abril, mas a indústria precisava de leite e, não tendo o produto, houve briga pelo pouco que sobrou. E se tem mais demanda do que oferta, o valor aumenta”, explica.

Um produtor de Entre Rios de Minas, que pediu para não ser identificado, afirmou que a média de venda do litro de leite está cotada em R$ 2,34.

Desse total, o lucro é de apenas R$ 0,30 a cada mil mililitros comercializados. O presidente do sindicato da Indústria de Laticínios de Minas Gerais (Silemg), Guilherme Abrantes, confirma a alta nos custos ao produtor. Ele observa, entretanto, que os laticínios também contabilizam inflação sobre insumos básicos como papelão e plástico, utilizados no embalo do produto, e nos combustíveis.

Outro problema, explicou Abrantes, foi a estiagem no segundo semestre de 2021, que representou queda de produção. “É um problema que impacta diretamente o consumidor, porque, no final da conta, é ele quem está pagando por esse aumento que toda a cadeia sofre”, analisa o sindicalista.

O presidente do Silemg não teme desabastecimento do produto, mas diz que a situação afeta os empregos em laticínios. “Se você tem diminuição da entrada de matéria-prima, no volume de leite, vai impactar diretamente a mão de obra”, ressalta.

Alta do preço nas gôndolas faz as vendas caírem, diz varejista

Com o aumento no preço nas gôndolas, o empresário Leonardo Flores, um dos proprietários do supermercado ViaBahia, localizado no bairro Santa Efigênia, na região Centro-Sul de BH, contabilizou uma queda de quase 2% nas vendas de leite desde o ano passado. Ele estima que a redução, em volume, chega a 1.400 L. Por outro lado, o produto subiu 12%.

Em 2021, o valor médio era R$ 3,61, e esse ano está em R$ 4,12. “Não consigo aplicar a margem que deveria para não espantar o povo. O leite de algumas marcas já chega aqui a R$ 4,69, e estou vendendo a R$ 4,99”, diz.

Pesquisa é a maior aliada para comprador

A perspectiva no curto prazo para o alívio da inflação sobre o leite não é boa, de acordo com gerente de Qualidade e Integração da Cooperativa Central dos Produtores Rurais, Cássio Camargos.

“Principalmente olhando para os custos de produção e o preço de commodities, é desafiador. Não é um cenário que conseguimos resolver apenas com os recursos que temos no Brasil”, diz Camargos.

Na avaliação dele, o corte no consumo não é indicado. “Muitos deixam o leite e derivados para trás por estar caro e resolvem trocar por produtos com preços mais baixos, mas que não fazem tão bem para a saúde”, acrescenta.

O economista Feliciano Abreu, que administra o site Mercado Mineiro, aponta que a pesquisa é a maior aliada do consumidor. Estudo recente divulgado pela organização mostrou que, em padarias, a variação de preço do leito pode chegar a 51%.

“Tem que ficar de olho o tempo todo. Desde o início da pandemia o leite subiu de preço e não caiu mais. O consumidor deve pesquisar e observar os estabelecimentos que estão com o produto mais barato”, aconselha o economista Feliciano Abreu

Mais um mês se passou e outra nova peça de política foi colocada na frente dos agricultores para digerir.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER