Trabalho integrado entre a Sedap, Adepará e Emater fomenta o mercado bubalino e gera emprego e renda para a população do arquipélago
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Trabalho integrado entre a Sedap, Adepará e Emater fomenta o mercado bubalino e gera emprego e renda para a população do arquipélago

25/08/2021 12h07 – Atualizada em 25/08/2021 13h21

Rebanho bubalino do Marajó garante emprego e renda para a população do arquipélago com a produção de leite e de vários derivadosFoto: Ascom/SedapO leite de búfala é considerado pelos especialistas um ótimo alimento para proteger o organismo contra doenças cardiovasculares. Com o apoio da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), a produção leiteira bubalina ganha cada vez mais destaque no cenário estadual e no Brasil, principalmente pelos seus derivados, em especial o queijo do Marajó, que em março deste ano ganhou o selo da Indicação Geográfica (IG) do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

O Arquipélago do Marajó concentra todo o leite das fazendas de criadores de búfalas nos campos da região. Os municípios de Chaves, Soure e Cachoeira do Arari se destacam na produção leiteira da búfala. Segundo a Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) – vinculada à Sedap e encarregada da inspeção fitossanitária do rebanho – a produção dos laticínios locais alcançou a média mensal de 4,170 toneladas.

Ano passado, um dos derivados do leite de búfala, o queijo marajoara (artesanal) também recebeu o Selo Arte, que vai permitir o aumento da produtividade e venda para outros estados. O processo teve a participação efetiva da Sedap e da Adepará.

Iniciativas governamentais, em parceria com o setor privado, melhoraram a produtividade e contribuíram para conquistar o mercadoFoto: Ascom/SedapMelhoramento genético dos animais – sobretudo das fêmeas -, capacitação do produtor local e assistência técnica da Emater – também vinculada à Sedap – estão entre as iniciativas para garantir a qualidade da produção bubalina, como destaca o coordenador de produção animal da Sedap,o veterinário Ronnald Tavares, ao mencionar o trabalho feito pela Adepará.

Apesar de ter o maior rebanho bubalino do Brasil (quase 72% da produção paraense é no Marajó), como observa o veterinário, a produtividade na região vinha há algum tempo deixando a desejar.

“Ao longo dos últimos anos, foram deslanchadas iniciativas pelos órgãos governamentais em parceria com o setor privado e representantes de segmentos, que melhoraram a produtividade do rebanho”, frisou.

REBANHO

Segundo informações da Associação Paraense de Criadores de Búfalas (APCB), somente no município de Cachoeira do Arari, há em torno de 80 mil a 90 mil reses de búfalas. É o terceiro município no Pará com o maior número desses animais, atrás de Chaves, que tem 160 mil, e Soure, que apresenta pouco mais de 90 mil cabeças.

Torneios consolidam cultura bubalina no Arquipélago do Marajó, que já conquistou duas insígnias: os selos Arte e de Indicação GeográficaFoto: Ascom/SedapO produto movimenta a cultura desses municípios, que promovem tradicionais competições leiteiras, como torneios, por exemplo. No final de julho deste ano, para estimular uma maior produção, melhorar a qualidade e incentivar o criador, foi realizado o I Torneio Leiteiro de Búfalas do município, uma versão local do torneio estadual realizado um mês antes.

O programa Ateg Leite é apenas uma das ações que fomentam aa produção de leite, sobretudo dos pequenos criadores, como ressalta o presidente APCB, João Rocha, ao informar que a iniciativa fornece condições técnicas aos produtores, sobretudo na região de Cachoeira do Arari.

Apesar da bubalinocultura no Pará ser voltada tanto para a produção de carne quanto leiteira, o resultado ainda não chega às gôndolas dos supermercados, como observa o criador marajoara.

“O gado de búfala produz menos leite que o bovino. A produção de leite de búfala, podemos dizer, ainda está no seu início. No caso da produção leiteira, ela só atende – e malmente – os laticínios. Mas já começou a entrar na merenda escolar. Já é um diferencial. Não há interesse, ainda, dessa produtividade chegar até esses estabelecimentos, mas o queijo chega e já estamos enviando o produto para outros estados. Com a aquisição do Selo Arte, o Marajó já começou a exportar o queijo para São Paulo e Rio de Janeiro, além de outros mercados já estarem à procura”, ressalta o criador.

Ele observa também que o leite de búfala apresenta no processo industrial um rendimento médio superior a 40% do leite de vaca. “Por isso, é um investimento que vale a pena”, diz Rocha.

EMPREGOS

A geração de emprego e renda é outro destaque da produção bubalina de leite no Arquipélago do Marajó, que fomenta a economia localFoto: Ascom/SedapAlém de ser uma ótima fonte de vitamina e reduzir os riscos de doenças cardiovasculares, o leite de búfala gera emprego e renda no Marajó. O presidente da APCB estima que um laticínio com produção de mil litros de leite emprega 30 famílias, direta e indiretamente.

“É um número expressivo, haja vista que o emprego aqui no Marajó é com os laticínios. Só na nossa região, temos em torno de 22 laticínios e alguns não oficializados ainda. A nossa grande busca é fomentar e tentar legalizar todo mundo”, garante Rocha.

O criador é proprietário da Fazenda Paraíso, em Cachoeira do Arari, e diz que emprega 10 pessoas. “Se a gente não mexesse com leite, teríamos apenas três colaboradores”, informa.

O vaqueiro Andrei Cardoso, 23 anos, trabalha desde os 18 com búfalos, animal pelo qual ele diz ter muito apreço. “Não só por gostar do trato com ele, mas porque é de onde tiro o meu sustento. Desde meus 15 anos que comecei a me interessar em trabalhar com búfalos. Quando completei 18 anos, consegui meu primeiro emprego aqui na fazenda e desde então cuido desses animais com todo carinho”, diz o vaqueiro, que demonstra uma habilidade típica de quem conhece o animal na hora da ordenha. Ele revela que graças ao trabalho consegue prover o seu sustento e ajudar nas despesas da família.

Cleidiane Cuimar, cozinheira, diz que a consistência e o sabor do leite de búfala faz dele um insumo fundamental na culináriaFoto: Ascom/SedapCOZINHA

Nascida na vila de Retiro Grande, no município de Cachoeira do Arari, a cozinheira Cleidiane Cuimar cresceu tomando leite de búfala. É uma tradição que passou de geração a geração. Embora goste de leite de vaca, a dona de casa prefere o leite da produção bubalina. Ela considera o sabor diferente: forte e ao mesmo tempo adocicado, com um aroma que lembra a sua infância.

“Como eu trabalho com doce e salgado, uso o leite na massa do bolo e na massa da coxinha, no recheio do canudinho e do “canudão” e no meu consumo diário. A gente sempre está utilizando o leite, pois meu pai tira leite da búfala, além de achar muito saudável. Olha só isso aqui”, diz a moradora do Marajó, apontando para a panela cheia do líquido branco, aquecendo sobre o fogão. E complementa: “Desde que eu me entendo por gente, sempre tomei leite de búfala, até porque meu pai sempre foi um pequeno criador; é um leite puro e forte”, resume a moradora do Marajó.

Ela ensina que do leite é possível fazer outros tipos de iguarias, como doces, o queijo, em especial o mozzarella, que é um alimento com demanda crescente nos mercados de todo o planeta, até iogurtes. “É muito bom. Rende bastante”, garante.

Estudos de diversos centros de pesquisa para a Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que o consumo do leite de búfala e de seus derivados reduz os riscos de doenças cardiovasculares, especialmente o infarto e a aterosclerose.

Roger Maia, gerente do Sebrae, diz que a entidade fomenta derivados do leite de búfala, como o doce, a manteiga e o queijo do MarajóFoto: Ascom/SedapO gerente da agência do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) nos campos do Marajó, Roger Maia, diz que a entidade trabalha no fomento da bubalinocultura, especialmente dos derivados como o leite, doce de leite, da manteiga e do queijo do Marajó.

O técnico lembra das conquistas obtidas pelo queijo local, como o Selo Arte e a Indicação Geográfica – duas “insígnias” obtidas pelo produto marajoara graças ao esforço conjunto entre entidades públicas e privadas, com a participação dos produtores marajoaras.

LEGALIZAÇÃO

Maia explica que o Sebrae trabalha com a legalização do leite e doce da búfala, assim como foi feito com o queijo do Marajó. “Vamos entrar nesse trabalho para verticalizar o leite da búfala, já conseguimos colocar o leite do Marajó para a merenda escolar com o processo de pasteurização, mas não conseguimos colocar nos supermercados, ainda, como já fizemos com o queijo. Já avançamos muito com o desenvolvimento da bubalinocultura marajoara, mas ainda temos muito a avançar. Muitos investidores já estão interessados em investir no Marajó”, observa Maia.

Tendência é que falte matéria-prima com possível desistência da atividade leiteira

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER