O estado do Mato Grosso teve uma queda de 6,97% no índice de captação do leite no mês de julho. Os dados foram divulgados em boletim oficial do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea).
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O estado do Mato Grosso teve uma queda de 6,97% no índice de captação do leite no mês de julho. Os dados foram divulgados em boletim oficial do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea).

De acordo com o Imea, essa é a segunda baixa consecutiva do setor. No comparativo anual a oferta de leite teve uma queda de 3,74%. O motivo da baixa aconteceu por conta da seca desse ano, que está sendo mais intensa que no ano passado, em virtude do El Niño. O boletim informa ainda que um laticínio na região centro-sul paralisou as atividades em junho e aguarda o retorno regular das chuvas.

?Cabe salientar que a menor oferta de leite neste ano em Mato Grosso também está associada com o fraco desempenho no mercado lácteo, que tem pressionado o preço do leite pago ao produtor, levando-o a postergar investimentos?, afirma o boletim.

A situação atual também acabou afetando as finanças de outro laticínio na região médio-norte, que encerrou as atividades em jun/19. De acordo com o Imea, com a produção menor e preços estagnados, o produtor e a indústria estão com as margens apertadas.

Os dados do relatório indicam ainda que dos derivados comercializados no estado, apenas a muçarela apresentou acréscimo no preço, tanto no atacado como no varejo. ?As valorizações se sucederam em virtude da menor produção mato-grossense, uma vez que o consumo está enfraquecido?, diz o relatório. As importações brasileiras registraram recuo de 3,65% em relação ao mesmo período do ano passado.

Dados sobre os principais indicadores para a cadeia produtiva do leite como preços do leite no mercado brasileiro e internacional, relação de troca ao produtor, balança comercial brasileira de leite e derivados.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER