Preços do leite - A margem de rentabilidade dos produtores de leite brasileiros nesses três primeiros meses de 2019 foi melhor que no mesmo período de 2018. Na média nacional, de janeiro a março deste ano, o preço bruto recebido pelos produtores foi 32,3% mais elevado do que em igual período do ano passado.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Preços do leite – A margem de rentabilidade dos produtores de leite brasileiros nesses três primeiros meses de 2019 foi melhor que no mesmo período de 2018. Na média nacional, de janeiro a março deste ano, o preço bruto recebido pelos produtores foi 32,3% mais elevado do que em igual período do ano passado.

Enquanto isso, o custo de produção, estimado pelo ICPLeite/Embrapa, aumentou 9,3% e a relação de troca leite/concentrado teve uma melhora de 19,7%, caindo de 42,4 litros para 34,1 litros de leite necessários para adquirir 60 kg de concentrado formulado a base de milho e farelo de soja. Uma situação vantajosa para os produtores, mas de aperto para a indústria. Conforme comentado na Nota de Conjuntura de março de 2019, embora os preços do leite UHT no atacado tenham iniciado janeiro com crescimento, a partir de fevereiro perderam força, ficando praticamente estáveis ao longo de março. Na comparação das médias do 1º trimestre de 2019 com igual período de 2018, o preço real no atacado subiu 0,5%, enquanto o preço real ao produtor aumentou 18,8%. Para o varejista, comparando as médias destes dois períodos, a situação foi mais favorável que para a indústria. Enquanto o preço de venda (preço pago pelo consumidor) cresceu 7,9%, o preço de compra (preço do UHT no atacado) cresceu apenas 0,5%. Em síntese, o primeiro trimestre de 2019 foi de margens mais atraentes para os produtores e varejistas e de aperto para a indústria. Já nos primeiros três meses de 2019, o preço real ao produtor subiu 21,9% e o indicador de margem do varejista (preço no varejo menos preço no atacado) ficou estável. Enquanto isto, o indicador de margem da indústria (preço no atacado menos preço ao produtor) recuou 22,3%.

 

O comprometimento das margens da indústria pode impactar os preços pagos ao produtor a partir deste mês de abril. As sinalizações deste quadro já aparecem. No varejo, os aumentos dos preços do leite UHT em janeiro (+ 2,1%) e fevereiro (+ 2,4%) perderam força em março, quando permaneceram praticamente no mesmo patamar do mês anterior, segundo o IPCA/IBGE. No leite spot, a valorização observada em fevereiro também perdeu força em março fechando com preço menor.

Como a demanda está fraca devido a lenta recuperação da economia e a dificuldade de repasse de preços dos laticínios aos varejistas, os preços pagos aos produtores vão perder força nos próximos meses. Neste caso, as margens no campo, atraentes até o momento, tendem a diminuir nesse curto prazo. Na balança comercial de lácteos, após dois meses de crescimento, as importações voltaram a cair em março. A queda em relação a fevereiro foi de 37%, equivalente a internalização de 47,6 milhões de litros a menos em relação a fevereiro. Foram importados 81,6 milhões equivalentes litros em março contra 129,2 milhões em fevereiro. Alguns fatores podem explicar esta queda e certamente tiveram efeito aliado e acumulativo na redução da competitividade do leite importado em relação ao produto brasileiro. Entre eles vale mencionar: as incertezas na economia que levaram à desvalorização cambial de 3,4% em março (R$3,85/US$) em relação a fevereiro (R$3,72/US$); a valorização dos lácteos no mercado internacional quando na Oceania o leite em pó integral, nosso principal produto importado, na média subiu de US$3.024 em fevereiro para US$3.251 em março (aumento de 7,5%); e a desaceleração dos preços internos do leite UHT, leite spot e queijo muçarela.

 

Os preços da indústria caíram 0,85% em outubro frente a setembro, a terceira variação negativa do Índice de Preços ao Produtor (IPP).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER