Custo para alimentar rebanho é afetado por alta nas commodities e escassez de milho com estiagem.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Queda no consumo, devido a perda de renda da população, e custos elevados de produção no setor de lácteos é que o que o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, aponta como tendências para o segmento nos primeiros meses de 2021.
A redução da demanda agregada e a diminuição no poder de compra de muitos brasileiros devem impactar negativamente sobre o consumo de lácteos e diminuir o patamar médio anual de preços do leite no campo em 2021 em relação a 2020.
Porém, a depender do mercado de grãos e das condições climáticas, é possível que a competição entre os laticínios se mantenha elevada diante de uma possível limitação de oferta ainda no primeiro trimestre de 2021. Nesse cenário, o patamar de preços nos três primeiros meses do novo ano pode operar acima do observado no mesmo período de 2020 (que foi de R$ 1,4460/litro, em termos reais).
Depois de cair em novembro, o preço do leite no campo voltou a subir em dezembro. Pesquisas do Cepea da Esalq/USP, apontam que a média líquida do leite captado no Brasil em novembro e pago em dezembro se elevou 4,05% (ou 8 centavos/litro) frente ao mês anterior, chegando a R$ 2,1262/litro.
Ao longo de 2020 o preço ao produtor acumulou alta de 52,3% de janeiro a dezembro de 2020, quando o valor médio nacional foi de R$ 1,7604/litro, o que equivale a 19,2% acima do registrado em 2019, em termos reais (os valores mensais foram deflacionados pelo IPCA de novembro/20).
Considerando-se o movimento sazonal de produção e das cotações no campo, a alta de preços do leite captado em novembro é atípica, mas, naquele mês, a oferta não se elevou de forma substancial, e a competição entre indústrias seguiu acirrada para a compra de matéria-prima.
Em novembro, o Índice de Captação Leiteira (ICAP-L) do Cepea avançou 1,54% em relação ao mês anterior, puxado pelos respectivos aumentos de 7,5% e 4,3% em SP e em MG. Ainda que a produção demonstre estar se recuperando, esse incremento não tem ocorrido na mesma intensidade da procura dos laticínios.
A irregularidade das chuvas e o aumento considerável dos custos de produção têm prejudicado a oferta de leite. Outro agravante para a situação é a valorização da arroba ao longo deste ano, que acaba estimulando o abate de fêmeas. A grande dificuldade para o setor neste final de ano está em equalizar a elevação da matéria-prima com a demanda enfraquecida, sensível aos elevados patamares de preços dos lácteos, e a maior pressão dos canais de distribuição.
Pesquisas realizadas pelo Cepea, com o apoio financeiro da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) mostram que as médias de preços do leite longa vida (UHT), do leite em pó (400g) e do queijo muçarela caíram 2,82%, 4,16% e 6,3%, respectivamente, de outubro para novembro.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER