A diminuição aplicar-se-á até 2022, enquanto se aguarda que os restantes parceiros do acordo sigam o exemplo. Alguns produtos afectam a Argentina.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
CUT ALONE. BOLSONARO ORDENOU A REDUÇÃO DAS TARIFAS COBRADAS PELO BRASIL.

O governo brasileiro anunciou na sexta-feira uma redução de 10% nas tarifas de importação em 87% dos bens e serviços, antes de uma esperada mudança por parte do Mercosul.

A redução decorrerá até ao final de 2022, de acordo com uma declaração conjunta dos ministérios da economia e dos negócios estrangeiros, que reconheceu que se tratava de uma medida excepcional no âmbito das regras do Mercosul.

Algumas das reduções tarifárias podem afectar a competitividade dos produtos argentinos, em comparação com outros produtos importados, para venda no mercado brasileiro. Os produtos alimentares como os produtos lácteos e a farinha estão na lista.

Também na lista estão os produtos químicos, medicamentos, papel, metais, perfis de aço, maquinaria agrícola, motores eléctricos, e equipamento para telemóveis, entre outros.

A lista completa das posições pautais

O Ministro da Economia Paulo Guedes disse esperar que o Mercosul anuncie nos próximos dias a mesma redução para a tarifa externa comum do grupo. A Argentina resiste a esta possibilidade, que tem vindo a aplicar fortes restrições às importações, bem como uma restrição cambial.

“O Brasil continua plenamente empenhado nas negociações em curso no Mercosul”, afirma a declaração, acrescentando que a redução de 10% “segue os parâmetros já acordados com alguns dos parceiros do Mercosul nas negociações” sobre a pauta externa comum.

Há anos que a Argentina, o Brasil, o Paraguai e o Uruguai discutem uma redução pautal para ajudar a aumentar o comércio entre os países do bloco e o resto do mundo.

A relação tornou-se mesmo tensa quando o Presidente Jair Bolsonaro ameaçou aplicar os descontos por conta própria. O Uruguai também exerceu pressão para concluir acordos comerciais por si só. O Presidente argentino Alberto Fernández respondeu: “Quem quiser sair, deixe-os ir”.

Após esta tensão, no mês passado, a Argentina e o Brasil acordaram num quadro para reduzir a tarifa.

A inflação no Brasil subiu para os dois dígitos este ano, impulsionada em parte por uma moeda mais fraca que aumenta o custo das importações.

Numa declaração, o governo do Brasil afirmou que a redução tinha sido feita ao abrigo de uma disposição do Mercosul que permite “a possibilidade de adoptar medidas destinadas a proteger a vida e a saúde das pessoas”.

Traduzido com DeepL

O preço médio da cesta de derivados lácteos variou negativamente no mês de novembro/2021. Na média ponderada, a retração foi de 7,21%, em relação dos preços observados pela indústria de laticínios no mês anterior. O resultado foi divulgado nesta segunda-feira (29/11) no Boletim de Mercado do Setor Lácteo Goiano.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER