Os preços de milho acumularam ligeiro aumento em janeiro. A elevação no ritmo das exportações das últimas semanas e o menor interesse de vendedores consultados pelo Cepea
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Os preços de milho acumularam ligeiro aumento em janeiro. A elevação no ritmo das exportações das últimas semanas e o menor interesse de vendedores consultados pelo Cepea em comercializar o cereal sustentaram as cotações. Com o avanço da colheita da soja, agentes priorizam a comercialização da oleaginosa, mantendo em ritmo lento a negociação do cereal. Produtores consultados pelo Cepea limitaram suas ofertas para novos negócios, à espera de valorizações mais expressivas. Além disso, a irregularidade das chuvas tem deixado produtores cautelosos, o que fortalece o recuo vendedor. Do lado do comprador, agentes aguardam o avanço da colheita para maiores definições de produtividade. Assim, eles mantêm apenas as aquisições de pequenos lotes para fazer estoques no curto prazo. O Indicador ESALQ/BM&FBovespa (região de Campinas-SP) subiu 1% entre 28 de dezembro e 31 de janeiro, fechando a R$ 39,61/saca de 60 kg no dia 31. Especificamente de 25 de janeiro a 1º de fevereiro, o Indicador subiu 1,8%.

O preço médio da cesta de derivados lácteos variou negativamente no mês de novembro/2021. Na média ponderada, a retração foi de 7,21%, em relação dos preços observados pela indústria de laticínios no mês anterior. O resultado foi divulgado nesta segunda-feira (29/11) no Boletim de Mercado do Setor Lácteo Goiano.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER