Confira o cenário nos mercados externo e interno que podem afetar as cotações do milho na próxima semana. As dicas são do analista Paulo Molinari, da consultoria Safras & Mercado.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Programa Troca-Troca fomenta o cultivo de milho (foto) e sorgo no RS - Foto: Fernando Dias/Ascom Seapdr

Analista da consultoria Safras & Mercado comenta o cenário mundial e as condições da safra brasileira do cereal

Confira o cenário nos mercados externo e interno que podem afetar as cotações do milho na próxima semana. As dicas são do analista Paulo Molinari, da consultoria Safras & Mercado.

Mercado externo

– A situação tensa na Ucrânia e a elevação das sanções contra a Rússia
seguem gerando pânico global.

– Os importadores precisam alterar a fonte de fornecimento de commodities (Rússia e Ucrânia) e isso cria uma procura adicional em mercados das Américas.

– Esse movimento internacional encontrou uma certa acomodação com o relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) desta semana.

– O USDA cortou discretamente as exportações de milho da Ucrânia e de trigo
da Rússia, e o mercado entendeu que esse corte ainda mantém o mercado internacional sem problemas de abastecimento.

– Há forte acomodação nos preços do trigo com reflexos em alguma acomodação no milho. Contudo, as limitações de compra de trigo na Rússia devido às sanções e de milho na Ucrânia pela guerra mantêm os mercados tensos.

– O USDA reduziu em quase 3 milhões de toneladas os estoques norte-americanos de milho, diante da maior exportação e demanda para etanol.

– Agora, o foco é a continuidade da guerra, busca por alternativas de abastecimento global e relatório de intenção de plantio do USDA no próximo dia 31, que poderá trazer surpresas.

Mercado interno

– A crise global chegou ao Brasil. A tentativa dos importadores em substituir a Ucrânia como fornecedor de milho, pelo menos de curto prazo, criou uma demanda adicional na exportação brasileira.

– O que parecia apenas um surto comprador tornou-se uma demanda inesperada para o Brasil em pleno primeiro semestre e já levou 1,2 milhão de toneladas para embarques de curto prazo na exportação.

– Um quadro que já era justo agora se tornou delicado. O setor consumidor está tentando não competir com a exportação, pode estar perdendo lotes importantes e um caminho difícil até a entrada da safrinha.

– A safrinha apresentou boas chuvas no Paraguai e no extremo oeste do Paraná, mas tem fortes deficiências em outras regiões desse estado e em Mato Grosso do Sul, principalmente. O risco agora é uma situação de exportação seguindo forte e um quadro climático com problemas em abril e maio.

–  Os negócios na semana nos portos registraram saca de R$ 109 a R$ 113, absorvendo volumes importantes para o abastecimento interno.

– Se essa demanda de exportação seguir, naturalmente o impacto para o preço
do milho seguirá sendo de alta.

 

colheita de milho

“Enxugar gelo”. Você já sentiu essa interminável sensação?

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER