Uberaba (MG) recebeu no sábado, 27 de abril, a presença da Ministra Tereza Cristina, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que lançou a campanha nacional de vacinação contra a febre aftosa.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Tereza Cristina lembrou a próxima visita ao país da missão americana para inspecionar frigoríficos

 

Uberaba (MG) recebeu no sábado, 27 de abril, a presença da Ministra Tereza Cristina, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que lançou a campanha nacional de vacinação contra a febre aftosa. No ato, a Ministra  pediu empenho aos produtores brasileiros, para que assumam a responsabilidade de vacinar seus rebanhos. Com o sucesso das campanhas, disse ela,  o Brasil conseguiu ser declarado, no ano passado, livre da aftosa com vacinação. Com isso, o país pode agora começar um programa para a retirada gradual da vacina. Santa Catarina, até aqui, é o único estado  livre da aftosa sem a necessidade de vacinação.

“É importantíssima a responsabilidade do produtor brasileiro em vacinar seu gado”, disse a ministra. “Existe um programa que o produtor brasileiro precisa seguir para vacinar no prazo correto, ele precisa usar a vacina em 30 dias, e a dosagem vai diminuir”.

As primeiras doses da vacina nesta campanha foram aplicadas durante a abertura da 85ª Expozebu, em Uberaba, pela Ministra e a secretária de Agricultura de Minas, Ana Valentini. O empenho solicitado por Tereza Cristina inclui o cuidado de vacinar corretamente o gado. ela lembrou que o Brasil teve problemas nas exportações de carne para os Estados Unidos, porque a vacinação não foi feita de maneira correta. Mas dentro de algumas semanas, o Brasil vai receber aqui a visita de uma missão oficial dos americanos, que vão inspecionar os frigoríficos e decidir se suspendem a proibição de importar a carne brasileira.

A meta do país, afirmou a Ministra, é retirar a vacina gradualmente, até 2023. Ela entende que isso deve exigir muito dos pecuaristas, do governo e das associações do setor, que precisam compreender a responsabilidade em eliminar a vacina. “Com isso, vamos ter um upgrade nas exportações de carnes, de miúdos, para muitos países do mundo que hoje restringem a importação de carne por causa da vacinação, apesar de o Brasil ser livre da doença em todo o seu território. Esse é o próximo grande passo da pecuária brasileira”, disse ela.

Os empresários mexicanos que se dedicam ao negócio do queijo e laticínios têm enfrentado uma situação difícil nos últimos meses.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER