Fazenda em Gameleira de Goiás tem média de produção, quando se fala em vacas em lactação, de 34 litros de leite por dia, o que é quatro vezes superior a média nacional do IBGE. Método é aplicado em três pilares: bem-estar animal, economia de água e cuidados com o solo
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
fazenda
Entenda o modelo agrícola que está sendo implantado na produção de leite nas fazendas em Goiás

Você sabia que é possível associar o agronegócio e a sustentabilidade? O tempo passa e cada vez mais as atitudes humanas causam impactos ambientais. Entretanto, nem tudo está perdido, pois há métodos disponíveis na produção rural em prol do meio ambiente, como a agricultura regenerativa.

Segundo Felipe Villela, fundador de uma empresa de consultoria para agricultura regenerativa, o método imita os processos da natureza e se baseia principalmente em aumentar a saúde do solo e a resiliência climática do produtor, com o objetivo de evitar perdas em eventos extremos climáticos, como secas, muitas chuvas e geadas.

Produtores associados de uma empresa de alimentos e bebidas estão ingressando na jornada de regeneração com os novos processos em prol da sustentabilidade. Após adotar as medidas indicadas, a Fazenda Retiro, em Gameleira de Goiás, a 95 km de Goiânia, tem uma média de produção, quando se fala em vacas em lactação, de 34 litros de leite por dia, o que é quatro vezes superior a média nacional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para Bárbara Sollero, zootecnista e gerente de Milk Sourcing da Nestlé, é através da agricultura regenerativa que vai ser possível promover a regeneração da cadeia de produção de leite.

A diretora executiva de transformação digital, inovação e sustentabilidade da companhia, Bárbara Sapunar, afirma que ao pensar em práticas regenerativas, não inclui apenas o meio ambiente e a natureza, mas também os parceiros, produtores e consumidores dos produtos.

“Já não basta só sustentar, a gente precisa começar a regenerar, porque a gente já causou um impacto negativo no nosso planeta. A gente precisa devolver para a natureza muito mais do que a gente está tirando para ajudar a reequilibrar nosso lar”, comenta Bárbara Sapunar.

Felipe Villela explica que o produtor que decidir fazer a transição do sistema convencional para a agricultura regenerativa vai ter ganhos tanto na questão ambiental, quanto social e econômica.

Fazenda

A Fazenda Retiro é administrada pelo produtor rural Waldiney Pereira Dutra. Ele explica que teve muitos desafios para chegar ao nível que está, mas que sempre acreditou no desenvolvimento da propriedade. Para implementar a agricultura regenerativa, ele teve que mudar a rotina e adaptar. O grande marco foi em 2019, quando optou por construir o compost barn para as vacas.

Gustavo Henrique Lobo Dutra, engenheiro civil e filho do dono da fazenda, ajudou na construção do primeiro barracão e, na pandemia, resolveu voltar a Gameleira de Goiás e tocar os negócios com o pai. O engenheiro inclusive fez um curso sobre software para gerenciar fazenda.

“Como estávamos mexendo em algo muito grande e de muito valor, precisávamos de mais tecnologia” explicou Gustavo.

Nesta fazenda aplicam a agricultura regenerativa em três pilares. Segundo Alexandre Berndt, diretor geral da Embrapa Pecuária Sudeste, o sistema privilegia o bem-estar animal, economiza água e reduz a produção de gases através de cuidados com o solo.

Os investimentos foram altos, mas para Waldiney Pereira valeu a pena, afinal, se a vaca produz um leite de qualidade, o consumidor também vai ter um leite de qualidade. Segundo a zootecnista Bárbara Sollero, por causa dos investimentos, tecnologia, melhoramento genético e infraestrutura, a fazenda teve uma evolução de 65% na produção nos últimos cinco anos.

Três Pilares

Bem-estar animal

O bem-estar animal deve ser prioridade desde o nascimento da bezerra até o final da vida da vaca. Para isso, existe um processo de desenvolvimento animal e adaptações na fazenda, como no caso do compost barn.

Compost barn

A zootecnista Bárbara Sollero explica que compost barn é uma grande estrutura com conforto e cama macia para as vacas. A cama tem compostos orgânicos dos próprios animais. Além disso, o ambiente é climatizado, o que traz equilíbrio térmico para as vacas de raça europeia.

“É um sistema inovador que traz benefícios para os animais e para a fazenda. Oferecer um bom ambiente é consequentemente desenvolver o melhor potencial genético e qualidade do leite”, afirmou a zootecnista.

Segundo a Embrapa, esse sistema tem o objetivo de garantir aos animais conforto, higiene e um local seco para descansarem. Com isso, visa reduzir custos de manutenção, fazer o uso correto dos dejetos orgânicos das vacas e melhorar os índices produtivos da atividade leiteira.

No barracão, como é chamado o local do compost barn, os animais recebem alimentação balaceada e a cama é removida 3 vezes ao dia por um equipamento. Esse processo é importante para limpar, matar bactérias e ativar a compostagem.

Além de maior produtividade de leite, o sistema ajuda na saúde do animal e reduz a emissão de gases.

Água

O reaproveitamento de água é um dos pilares da agricultura regenerativa implantada na fazenda. Na propriedade instalaram hidrômetros para ter noção do consumo de água. Lá todos os resíduos vão para uma lagoa de estabilização e água residual é usada nas áreas de pasto.

Além disso, há calhas no telhado do compost barn utilizadas para armazenar a água da chuva. Segundo a zootecnista, em dois anos a fazenda melhorou em 30% a eficiência do uso da água, o que correspondeu a uma economia mensal de 200 mil litros.

Cuidados com o solo

Segundo o produtor rural, a agricultura regenerativa produz 90% dos insumos que os animais consomem na propriedade. Como utilizam os compostos orgânicos das próprias vacas da fazenda, reduzem o custo e uso de adubos químicos. Gustavo Henrique afirmou que a economia na última safra foi de 120 mil reais ao ano.

Nesta fazenda ocorre a rotação de cultura, que é plantar diferentes culturas nos períodos de safra e entressafra. Esse processo é importante, pois cada planta desenvolve uma função abaixo do solo e a ideia é aproveitar ao máximo o potencial de cada uma e manter o solo coberto.

A tecnologia também é uma aliada na jornada de regeneração. De acordo com Bárbara Sollero, o milho tem uma praga comum, a lagarta do cartucho. Entretanto, já existe uma vespa, desenvolvida em laboratório, que pode ser pulverizada via drone para matar de forma biológica essa praga.

Implementação

Conforme Bárbara Sapuner, a Nestlé implantou a agricultura regenerativa nas fazendas parceiras que produzem leite com o objetivo de reduzir as emissões de gases de efeito estufa, melhorar a saúde do animal e a fertilidade do solo, proteger os recursos hídricos e a biodiversidade.

“Nosso recursos podem acabar, precisamos agir agora, mudar nossas atitudes e ter um mundo mais sustentável”, conclui Bárbara.

Fazenda Retiro utiliza agricultura regenerativa, em Gameleira de Goiás
 Fazenda Retiro utiliza agricultura regenerativa, em Gameleira de Goiás (Foto: Júlia Alves/g1)

Ano de 2021 terminou com dificuldades para os laticínios, mas cenário piorou durante 2º semestre de 2022.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER