Produtores de leite estão sofrendo com a elevação dos preços do milho, já que o grão é um componente importante na ração dos animais. Em Mato Grosso, o valor pago pelo litro não compensa o custo de produção.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Produtores de leite estão sofrendo com a elevação dos preços do milho, já que o grão é um componente importante na ração dos animais. Em Mato Grosso, o valor pago pelo litro não compensa o custo de produção.
Nem mesmo com 40 vacas em lactação, produzindo diariamente 700 quilos de leite, foram suficientes para manter o produtor Carlos Roberto Siqueira na atividade. Após seis anos e um investimento de R$ 600 mil, ele decidiu deixá-la. “Os preços do milho e do farelo de soja como estão tornam incompatível”, lamenta.
Siqueira conta que a única forma do produtor amortizar seus custos fixos, como investimento em animais e maquinário, é produzindo mais. “Essa é a eterna luta do pecuarista leiteiro”, diz.
O produtor Carlos Eduardo Olson deve seguir pelo mesmo caminho. Ele investiu aproximadamente R$ 4 milhões na estrutura da propriedade. Atualmente, a produção de 450 litros por dia não cobre os custos. “Comprávamos milho a R$15/R$ 16. Hoje, a R$ 45; e ainda baixa o preço do leite, como é que faz?”, questiona.
Na tentativa de baratear o trato dos 25 animais em lactação e garantir a produção mensal de 13 mil litros de leite, o pecuarista Ederson Rodrigues dos Santos cultivou mais de oito hectares de milho na propriedade. Ainda assim, a rentabilidade é incompatível. “Na minha propriedade, sobra muito pouco. Tem mês em que acabo vendendo um animal para abate para conseguir pagar a dívida que fica de veterinário e até de insumos minerais”, diz.
Manter o produtor de leite é uma questão socioeconômica
O comentarista Miguel Daoud afirma que a pecuária leiteira é um dos setores menos valorizados pelo governo. “Os instrumentos de política agrícola não são utilizados para favorecer a atividade. O Ministério da Agricultura diz que defende o produtor, mas não defende coisa nenhuma”, dispara.
De acordo com Daoud, cerca de 1,2 milhão de famílias estão envolvidas na produção de leite, totalizando aproximadamente cinco milhões de pessoas — boa parte justamente na agricultura familiar. “Conheço uma parte da Áustria e da França, onde a pecuária leiteira é incentivada porque é a vida das pequenas cidades. Tem que ser incentivada, porque traz consigo indústria e comércio, gerando imposto”, conta.
Para o comentarista, o governo precisa “institucionalizar” o leite, viabilizando a industrialização do produto in natura para agregar valor. “E o que fazemos? Importamos leite em pó, porque a tonelada lá fora está muito mais barata do que conseguimos produzir. Isso está destruindo a vida dessas famílias. É uma questão socioeconômica”, diz.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER