O método utilizado durante décadas para calcular a contribuição do metano do gado ao aquecimento global é superestimado em três a quatro vezes.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
gado
PH. ISTOCK

Frank Mitloehner apresentou um argumento convincente explicando como o gado poderia se tornar parte da solução para reduzir o metano e minimizar o aquecimento global através de uma gestão cuidadosa.
Não é a história que você vê na grande mídia.

Mas expor a verdade sobre o metano e o gado não foi o que rendeu a Frank Mitloehner aplausos da platéia. Em vez disso, eles aplaudiram o especialista em qualidade do ar e diretor do Centro CLEAR da Universidade da Califórnia, enquanto ele recontava seus esforços para se defender contra a grande mídia e o Greenpeace, o grupo de ativistas ambientais, e seus esforços para desacreditá-lo.

O Greenpeace enviou-lhe um e-mail no início do ano passado, pedindo-lhe que revelasse todas as suas atividades e financiamento para seu trabalho, incluindo o do Centro de Clareza e Liderança para a Conscientização e Pesquisa Ambiental, que se concentra na agricultura animal e no clima. E ele os revelou.

Mais tarde naquele ano, ele recebeu o mesmo pedido de jornalistas no The New York Times, que lhe deu um prazo ridículo para fornecer o material. Ele os cumpriu, mas também os chamou diretamente.

“Perguntei-lhes se queriam falar comigo, e a resposta foi claramente Não! Eles não queriam falar comigo. Era óbvio que eles estavam apenas confirmando informações que já haviam recebido da Greenpeace, e não queriam ouvir mais nada de mim ou do que eu estava fazendo”.

Contra-ataque

Por que Frank Mitloehner tinha um alvo em suas costas? Porque ele é o principal pesquisador nos EUA que aponta que o método utilizado durante décadas para calcular a contribuição do metano da pecuária para o aquecimento global é superestimado de três a quatro vezes.

Os pesquisadores da Universidade de Oxford (Inglaterra) trouxeram isto à tona. Oxford e Frank Mitloehner são os principais pesquisadores na área utilizando um método de contabilização do metano que também leva em conta as pias de metano, ou métodos naturais que destroem o metano.

A contabilidade desses sumidouros muda muito o quadro no que diz respeito ao impacto potencial da pecuária sobre as mudanças climáticas.

Pouco tempo depois de contatar o professor, o The New York Times publicou um artigo de página inteira que incluía suas fontes de financiamento. O artigo não contradizia suas conclusões, mas deixava o leitor a tirar suas próprias conclusões sobre conflitos de interesse.

“Eles se esforçaram muito para me escrever e meu trabalho, mas eu não ia aceitá-lo e não ia ripostar. Por isso escrevi meu próprio editorial e expliquei meu lado da história”.

De acordo com reportagens da mídia social, milhões de pessoas viram sua resposta. Outros lhe disseram que, por uma porcentagem esmagadora, aqueles que vêem sua história apóiam seu ponto de vista.

Por que a multidão escolheu aquele momento para aplaudir o orador? Porque ele defendeu o que ele acredita e sabe que é certo.

Agora é a vez da agricultura animal. Ela começa seguindo as sugestões de Mitloehner para tornar a agricultura animal parte da solução: cobrir lagoas, produzir biogás e usar aditivos alimentares para reduzir as emissões de metano à medida que elas se tornam disponíveis. E isso também significa seguir seu exemplo: defender a verdade!

 

Leia também: Quando a vaca não é o problema mas a solução – eDairyNews-BR 🐄💨

Ano de 2021 terminou com dificuldades para os laticínios, mas cenário piorou durante 2º semestre de 2022.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER