Foi realizado ato, no Estádio José Carlos Romero, no município de João Pinheiro (MG), para marcar a entrega de documentos da regularização fundiária.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Desde 2019, 8.225 famílias mineiras receberam títulos de propriedade rural emitidos pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, vinculado ao Ministério da Agricultura, sendo 1.885 nos primeiros meses de 2022.

EXPORTAÇÕES MARÇO

As exportações do agronegócio atingiram o valor recorde de US$ 14,53 bilhões para meses de março, em 2022, cifra 29,4% superior na comparação com mesmo mês do ano passado. O aumento foi motivado pela elevação de 27,6% nos preços dos produtos exportados pelo agronegócio. De acordo com a Secretaria de Comércio de Relações Internacionais do Mapa, o volume exportado cresceu 1,4% no período.

ANATER
O novo presidente da Agência Nacional de Assistência Técnica Extensão Rural (Anater) tomou posse, no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). José Ferreira da Costa Neto foi empossado pelo ministro Marcos Montes, que desejou sucesso ao novo gestor na missão de levar conhecimento e capacitação aos produtores rurais brasileiros.

CUSTOS
Membros da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) receberam, o ministro da Agricultura, Marcos Montes, que tratou de pautas convergentes entre o governo federal e a bancada no Congresso para que o custo de produção no país possa diminuir. Os parlamentares também debateram a importância dos Projetos sobre questões indígenas, direito de propriedade e a mineração.

PÃO
Pelo terceiro mês seguido, o quilo do pão francês se manteve acima de R$ 10,00. Mas poderia ter ultrapassado R$ 16,00, caso o reajuste tivesse acompanhado o mesmo índice que encareceu o trigo em grão. Esse é um dos assuntos analisados pelos técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no Boletim Semanal de Conjuntura Agropecuária referente à semana de 8 a 14 de abril.

FEIJÃO E MANDIOCA

O boletim também analisa a produção de feijão no Estado. Com condições climáticas adversas, a primeira safra teve redução de aproximadamente 30% em relação à estimativa inicial e fechou com 195 mil toneladas. Já a segunda safra começa a preocupar os produtores em razão das chuvas constantes, que provocaram queda de 92% para 86% nas plantações consideradas boas no campo.

FRUTAS E PECUÁRIA
O documento traz, ainda, uma análise sobre a cultura do caqui em termos mundiais, brasileiro e paranaense. De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), em 2019 foram produzidas 4,7 milhões de toneladas da fruta no mundo. O Brasil é responsável por 168,7 mil toneladas. O Paraná responde por 6,2% desse volume. Em 2020, o Estado produziu 9,8 mil toneladas.

ASSINATURA
O projeto Cestas Solidárias, que tem à frente o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater (IDR-Paraná), se fortalece como alternativa para o agricultor familiar comercializar sua produção orgânica ou agroecológica. Ao mesmo tempo, oferece ao consumidor produtos de qualidade a preço acessível. Ele faz parte do conceito de Community Supported Agriculture (CSA), ou Comunidade que Apoia a Agricultura.

APRESENTAÇÃO
O secretário-chefe da Casa Civil, João Carlos Ortega, e o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, receberam o embaixador do Reino dos Países Baixos no Brasil, André Driessen, para apresentar a política agrícola, o cooperativismo, a agroindústria e as reservas florestais do Paraná. A intenção é estreitar laços com esse povo que faz parte da história do Paraná desde a chegada dos primeiros holandeses, em 1905.

SORGO
Produtores de leite de Iretama, assistidos pelo IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná- IAPAR/EMATER) estão investindo no cultivo do sorgo forrageiro para silagem safrinha. A cultura é mais tolerante a períodos secos e exige menor investimento durante sua implantação quando comparada às culturas tradicionais. A cultura de sorgo tem sido utilizada para fazer silagem, por sua facilidade de cultivo, altos rendimentos, tolerância à seca e capacidade de explorar grande volume de solo.

A Nestlé mantém sua posição como a marca alimentar mais valiosa do mundo, avaliada em US$ 20,8 bilhões, de acordo com a consultoria líder mundial em avaliação de marcas Brand Finance, que observa que este valor é quase o dobro do da segunda marca mais valiosa do ranking, a Yili (US$ 10,6 bilhões).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER