Leia o artigo de Adriane Zart, médica-veterinária, grande precursora no Brasil da técnica "Nada nas mãos" de manejo de gado e consultora da Zoetis.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Fonte: Compre Rural

É muito comum que fazendas tenham a mais moderna tecnologia, em currais, suplementos, IATF, FIV, genômica e tantos outros recursos e acabam por esquecer o básico: as habilidades para manejar o gado. Melhorar a performance de seu rebanho investindo apenas em treinamento da equipe e em tempo com os bovinos é uma realidade.

Não quero dizer que introduzir tecnologias na fazenda não seja importante, porém ter uma equipe habilidosa e bem treinada, além de fornecer plenas condições para o gado alcançar todo o seu potencial, devem ser a base para que essas ferramentas também atinjam o máximo de sua eficiência.

O manejo de gado de forma segura, eficiente e com baixo estresse é um poderoso – e ainda subvalorizado e subutilizado – aliado para qualquer exploração sustentável de gado, seja de cria ou de engorda.

Não requer grandes investimentos monetários e é capaz de aumentar a performance dos animais, incluindo ganho de peso, taxas de concepção, produção de leite, qualidade de carcaça e imunidade.

Os bovinos foram domesticados há milhares de anos pela conquista da confiança mútua entre as duas espécies. Infelizmente, hoje em dia nos perdemos na correria da fazenda e acabamos lidando de “qualquer jeito” com o gado, adotando atitudes que desconstroem essa confiança e dão lugar ao medo e à agressividade.

Na busca de resolver rapidamente um problema, esquecemos de analisá-lo e de buscar corrigir sua origem. Isso acontece especialmente nos currais, quando usamos o choque, laço ou outras técnicas baseadas na força para fazer o gado entrar no brete ou tronco, práticas comuns nos currais. O grande problema é que, quando fazemos isso muitas vezes, esse comportamento acaba se tornando padrão.

Os bovinos não entendem nossas palavras, a comunicação entre os animais é feita na grande maioria das vezes por meio de uma linguagem não falada, como a nossa postura, atitude, comportamento e linguagem corporal.

A distância apropriada, o ângulo e a velocidade de aproximação do gado são chave para conseguir movê-los como e para onde quisermos. O objetivo final é beneficiar o animal, mas também tornar o nosso trabalho mais prazeroso.

Existem estratégias que envolvem apenas investimento de tempo em interações positivas com o gado e são capazes de aumentar os resultados produtivos. A base para o desenvolvimento desses conceitos vem do profundo conhecimento do comportamento dos bovinos e habilidades em manejar esses animais de maneira segura, eficiente e com baixo estresse, definido em inglês pelo termo Stockmanship.

O manejo de gado Nada nas Mãos é uma técnica que traz esses conceitos do stockmanship para rotina de fazendas e confinamentos de forma aplicada e de fácil compreensão, com o objetivo de buscar a máxima performance com construção de confiança e bem-estar das pessoas e dos animais.

O manejo começa muito antes do curral. Para que o gado seja processado sem estresse e de forma eficiente, primeiro precisamos que os animais estejam prontos. Da mesma forma que treinamos um cavalo ou um cachorro para lidar com o rebanho, também é possível trabalhar com o gado para que o manejo seja mais tranquilo.

Precisamos ensinar o rebanho a entender comandos, a estabelecer um certo grau de confiança, liderança e controle antes de qualquer outra coisa. Na maioria das vezes, não criamos essa conexão e, quando o gado chega no curral ou na remanga, a falta de confiança pode levar a problemas no manejo como excesso de pressão, pânico e estresse.

Dessa forma, adotar uma rotina de aclimatação para preparar os lotes para o manejo é extremamente benéfico para a saúde física e mental do rebanho. Podemos, por exemplo, preparar as novilhas para o manejo de IATF, assim quando a estação de monta chegar e as idas ao curral se tornarem algo frequente, elas encararão esse evento como algo normal e rotineiro. O resultado: menos cortisol circulante e melhores resultados de prenhez.

Em sistemas de recria e engorda o processo é o mesmo: tudo começa quando os animais desembarcam na fazenda ou confinamento. Antes de levar o gado para o curral é importante que os animais descansem, se alimentem e bebam água. Eles precisam se sentir confortáveis e confiantes na sua nova casa, para que se comportem, se movam como um rebanho e confiem nos manejadores.

Assim, poderão ser manejados com baixo estresse para serem vacinados, identificados e vermifugados, melhorando sua imunidade, diminuindo os riscos de doenças, acelerando a adaptação à nova dieta e melhorando o desempenho na engorda.

O manejo de gado é uma arte e exige técnica, habilidade, atitude e muito amor. Investir no treinamento e motivação da equipe que trabalha com gado deve ser uma premissa para qualquer fazenda. Faz mais sentido melhorar o nível de compreensão e habilidades do vaqueiro do que buscar por soluções mecânicas e de alta tecnologia para problemas comportamentais.

Os dados preliminares divulgados pela SECEX do MDIC mostram que a média diária das exportações brasileiras de produtos lácteos no janeiro 2023 caiu 20,1% em dólar, na comparação com a média diária registrada em janeiro 2022, e -17,1% em volume.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER