Os agricultores não devem se concentrar nos aspectos negativos, mas sim separar algumas bandeiras vermelhas para a indústria.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Não

A agricultura neozelandesa não precisa ser virada de cabeça, disse a Dra. Alison Stewart, diretora executiva da Foundation for Arable Research (FAR), na recente Cúpula das Indústrias Primárias em Auckland.

Mas qualquer um que assista televisão e passeie pela mídia social ficaria com a impressão de que estava “totalmente empalhado”.

“Por que a NZ não gosta do que estamos fazendo na agricultura no momento?”, perguntou ela. Voltou aos anos 80, quando a desregulamentação e as reformas do governo “jogaram todos no ar”, o que significava que uma escolha de sobrevivência ou morte era enfrentada. Assim, os agricultores intensificaram seu foco e eficiência de escala e se afastaram da agricultura mista. Os resultados foram silos de monoculturas intensivas, onde “borbulharam até a superfície”.

Isso foi apoiado pelo governo, bancos e instituições de pesquisa e o público em geral ficou feliz porque a NZ passou por duas crises financeiras globais e provavelmente significaria uma boa recuperação da Covid. Os ambientalistas, que tinham um papel importante a desempenhar, haviam apontado alguns dos problemas inerentes a tal sistema.

“Eu não tenho nenhum problema com eles nos puxando para cima, mas o problema é que o dedo está sendo apontado especificamente para os agricultores”, disse ela.

Eles não devem ser culpados pelas conseqüências não intencionais do que aconteceu nos últimos 40-50 anos, da mesma forma que ninguém deve ser culpado por pegar o Covid.

A redução do número de rebanhos e a intensificação não foram a resposta, nem o corte de insumos sintéticos.

“Mas podemos não precisar de tantos, em tantos lugares para tantos propósitos”. Temos que parar de pensar em preto e branco. Tentamos resolver cada problema com um conjunto de políticas e procedimentos. Não podemos nos concentrar nas sutilezas e complexidades e esperar que todos saltem pelos mesmos arcos”.

Ela comparou a situação a um médico que viu um produtor de laticínios que foi ferido após ser derrubado por uma vaca e concussão, um produtor de ovinos e bovinos que torceu o tornozelo enquanto esgrimava e um produtor de kiwis que desenvolveu lesões por esforço repetitivo (LER) contando todo o seu dinheiro. A cura que o médico sugeriu foi que não houvesse vacas leiteiras, o esgrimista deveria usar botas de chumbo e toda a criação deveria ser tornada não lucrativa. A um agricultor arável somente lá como pessoa de apoio foi dito: “Duro, calce suas botas de chumbo”.

Argumentos binários tóxicos

Stewart disse que parte do que os ambientalistas estavam dizendo era aceito pelos políticos, personalidades da TV sobre mídias sociais “e depois a mídia explode”.

O resultado foi argumentos tóxicos e binários como plantas versus animais ou declarações de que o país precisava se tornar orgânico ou abraçar totalmente a agricultura regenerativa.

Stewart disse estar nervosa ao dizer que a NZ estava em uma situação em que ouvia que poderia ser uma boa idéia enquadrar o futuro da agricultura em torno da matauranga Maori (conhecimento Maori) como um ponto único de diferença.

Ela descreveu isso como uma forma de descolonialismo moderno, pois os Maoris haviam lutado para manter sua cultura e agora não parecia certo “comercializá-la” por apropriação por não-Maori. Se a NZ adotada corria o risco de negar o valor de todas as outras contribuições de diferentes culturas que fizeram do país “um pedaço amorfo do pensamento ocidental”.

“O ponto de diferença da NZ é que não estamos acorrentados por milhares de anos de pensamento. Novas idéias borbulham a partir de dentro e não queremos perder isso”.

Já era a mais sustentável e diversificada do mundo, com 50 tipos diferentes de setores agrícolas.

Não escolha vencedores

O governo não deveria tentar escolher vencedores, pois lhe faltava a capacidade de fazê-lo. Ao invés disso, deveria permitir que as indústrias bem-sucedidas se tornassem mais bem-sucedidas, assumindo o papel de classificar acordos comerciais, regulamentos sobre a água para que os agricultores soubessem o que podiam e não podiam fazer e tecnologias avançadas de reprodução.

O debate sobre modificação genética foi há 20 anos e não revisitá-lo foi “uma das coisas mais irresponsáveis que os sucessivos governos fizeram”.

“Poderíamos ter um referendo e decidir não, mas não ter a conversa é irresponsável”.

Era importante que os agricultores não se concentrassem nos aspectos negativos, mas sim em resolver algumas bandeiras vermelhas.

“Nós o faremos”. Nós pulamos todas as barreiras no passado”.

Se os fazendeiros quisessem atacar alguém, deveriam ser aqueles da agricultura que não operam com boas práticas, em vez daqueles que “tocam música clássica para suas ovelhas”.

É praticamente impossível tirar certos aperitivos do gosto do brasileiro. Sabendo disso, uma pesquisa decidiu apurar um dos nossos xodós do cardápio nacional e elegeu o melhor requeijão que hoje é vendido no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER