Associação, produtores e entidades pedem que governo pare de importar leite; houve um aumento de 80% nas importações brasileiras de produtos lácteos em setembro
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Associação, produtores e entidades pedem que governo pare de importar leite; houve um aumento de 80% nas importações brasileiras de produtos lácteos em setembro

Diante de um aumento de 80% nas importações brasileiras de produtos lácteos em setembro, produtores, associações e entidades pedem que governo brasileiro intervenha na importação desenfreada de lácteos. Segundo a Associação Brasileira de Produtores de Leite (Abraleite), em nota, se cenário continuar pode haver um “desmonte sem precedentes” no setor.

“Dados da Secex mostram que o volume importado no segundo trimestre de 2020 foi 62,8% maior que no mesmo período do ano anterior. Já em setembro, a importação foi 80% superior a 2019 e outubro deve bater o recorde de leite importado desde 2007.” – segundo nota da entidade.

“Não dá pra tratar o produtor de leite como se ele fosse um bandido. Trazendo leite de fora e desprezando quem trabalha pelo Brasil, o produtor brasileiro merece respeito porque ele nunca faltou com o nosso povo. A importação de leite tá enriquecendo alguns poucos e matando quem luta para alimentar esse país, nós não podemos aceitar.” – deputado federal Domingos Sávio.

“Está sendo criada a tempestade perfeita para um desmonte sem precedentes na pecuária de leite, com oferta artificial excessiva de leite importado, queda de renda do consumidor com a redução do corona voucher, aumento de impostos e insumos nas alturas.” reitera a Abraleite.

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, solicitou, na última sexta (6), à ministra da Agricultura, Tereza Cristina, medidas de apoio aos produtores de leite no momento que os preços do leite começam a cair e o custo de produção continua a aumentar.

No ofício enviado ao Ministério da Agricultura, o presidente da CNA diz que o ano de 2020 tem sido “desafiador” para o produtor de leite, pois os prejuízos causados pela Covid-19 ainda não foram totalmente recuperados. A margem bruta da atividade no primeiro semestre deste ano foi 29,5% menor em relação ao mesmo período de 2019, segundo dados do Cepea, refletindo em queda de 11,7% na produção de leite, de acordo com o IBGE.

“Nesse contexto, há forte tendência de pequenos e médios produtores venderem seus animais para o abate devido aos altos preços da arroba ou mesmo saírem da atividade, o que ocasionará problemas sociais no campo e menor oferta de leite para o próximo ano”, alertou.

No documento, a exemplo da Abraleite, a entidade ressalta que a maior preocupação é com o valor da ração concentrada, que representaria, em média, 40% dos desembolsos do produtor de leite. No acumulado do ano, o preço médio pago ao produtor registra valorização de 57,4%, segundo o Cepea, ante uma alta de 67,3% no preço do milho apontada pelo indicador Esalq/BM&FBovespa e de mais de 84% no preço do farelo de soja.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER