Não há muito tempo, encontrávamos manteiga nos supermercados, num espaço bem definido, com embalagens tão distintas que não havia lugar para dúvidas, mesmo para aqueles que não conseguiam ler os rótulos. Contudo, é cada vez mais comum descobrir que os produtos que temos comprado durante toda a nossa vida, com total certeza do que eram, sem ter de ir verificar, já não são exactamente o que parecem ser.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
A MARGARINA É A ALTERNATIVA MAIS BARATA, MAS NÃO MAIS SAUDÁVEL, À MANTEIGA.
A MARGARINA É A ALTERNATIVA MAIS BARATA, MAS NÃO MAIS SAUDÁVEL, À MANTEIGA.

A manteiga é um produto lácteo antigo obtido a partir da batedura da nata de leite. As suas origens remontam aos povos africanos e asiáticos, que mais tarde ensinaram aos gregos e romanos como prepará-lo. Nesses tempos, o seu consumo distinguia a nobreza.

Uma boa manteiga é sólida e homogénea, o seu aroma, sabor e cor são muito característicos, mas porque é que é amarelada se contém apenas leite? As gorduras encontradas no leite retêm pigmentos conhecidos como beta-caroteno no seu interior, e quando são quebradas durante a batedura, saem, colorindo o produto final.

A manteiga tem um alto valor energético, é rica em vitaminas A, D, E e carotenóides, mas é nutricionalmente inferior ao leite de que é feita, porque lhe falta cálcio e proteínas, entre outras coisas.

Até não há muito tempo, encontrávamos manteiga nos supermercados, num espaço muito bem definido, com embalagens tão características que não havia espaço para dúvidas, mesmo para aqueles que não conseguiam ler os rótulos.

Contudo, é cada vez mais comum descobrir que os produtos que temos vindo a comprar durante toda a nossa vida, com total certeza do que foram, sem ter de ir verificar, já não são exactamente o que parecem ser, mas um “produto baseado em”.

@JungParkAR no Twitter
@JungParkAR no Twitter

A controvérsia surgiu no Twitter nestes dias, quando um inocente insuspeito chegou a casa com algo que parecia manteiga, que tirou da prateleira da manteiga, e que tinha a embalagem típica de uma manteiga, de uma marca tradicional em que confiava, mas se prestasse muita atenção veria que dizia “produto para barrar à base de natas e óleo vegetal” em letras pequenas: não era manteiga.

Sentiu-se obviamente enganado. O que vos posso dizer, no meu tempo as margarinas eram embaladas de forma diferente e não era tudo a mesma coisa. A manteiga era manteiga e a margarina era margarina. Será que a prateleira de produtos lácteos não é estranha à diversidade de género?

E não, nem na vida nem no frigorífico é tudo a mesma coisa. Em termos do que é saudável, a margarina não é mortal, mas não é melhor do que manteiga. Numa receita de panificação também não. E pela lei? Porque na realidade, há um truque para qualquer coisa que nos faz pensar, de propósito, que algo é o que não é. Mesmo que estejamos em tempos em que o ser e ser percebidos tentam impor-se como a mesma coisa. Não é o que não é.

A margarina “vegetal” é 100% de óleos vegetais; e a margarina “seca” pode conter natas de leite ou alguma gordura animal. Em todos os casos, a recomendação é de ler cuidadosamente os rótulos.

A margarina é feita a partir da hidrogenação de óleos vegetais, um processo industrial que solidifica o óleo vegetal e o torna estável e disseminável. Este processo converte gorduras insaturadas em gorduras saturadas, transformando-as de boas gorduras em gorduras não tão boas. Não é errado consumir gorduras, e é mesmo necessário, nas porções certas de uma dieta equilibrada, mas as gorduras saturadas não são saudáveis, e juntamente com as gorduras trans, aumentam o mau colesterol e reduzem o bom colesterol.

Embora os óleos vegetais a partir dos quais é feita a margarina sejam originalmente livres de colesterol, quando hidrogenados tornam-se gorduras trans. A margarina é a alternativa mais barata, mas não mais saudável, à manteiga.

Comida potável baseada em, mas não em leite ou iogurte; tempero baseado em, mas não em queijo ralado… As empresas procuram enganar os consumidores ou estão a trabalhar para gerar alternativas para que, em tempos de crise, não tenhamos de fazer mudanças tão drásticas na forma como comemos?

Eles podem continuar a vender os seus produtos e nós podemos continuar a alimentar-nos. Por que razão deveria ser errado, ou considerado um esquema? Pense errado e terá razão” é um conceito profundamente enraizado que nos mantém em permanente desconfiança, e tanto a experiência como certas formas de proceder das empresas que nos fornecem bens e serviços não nos ajudam a pensar de forma diferente.

Hoje existe uma vasta gama de alimentos “símile”, que não existia antes, e é por isso que não tínhamos de ler tanto, não havia tantas opções. Podem variar nutricionalmente dos seus “look-alikes”, devemos prestar atenção aos rótulos, que não são ornamentos, são ferramentas de informação sobre o produto que estamos a escolher, porque quando compramos, é exactamente isso que estamos a fazer: uma escolha, que pode ser mais ou menos recomendável, mas se pudermos ter a certeza de alguma coisa é que os alimentos que são comercializados são controlados, seguros e não são colocados no mercado de má fé.

A segurança alimentar não é uma questão menor a preocupar, tão importante é que existe um Dia Mundial da Segurança Alimentar, celebrado todos os 7 de Junho com o objectivo de sensibilizar e inspirar acções que ajudem a prevenir, detectar e gerir os riscos de origem alimentar.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) são as entidades da ONU encarregadas de coordenar esta celebração em colaboração com os Estados Membros e outras organizações relevantes. Assim, cada país tem os seus próprios organismos de controlo para se certificar que os alimentos que compramos no supermercado são, entre outras coisas, seguros para que possamos comer.

Há centenas de novos produtos. Não são más, mas podem ser diferentes das que costumávamos comprar, e partilham espaço de mercado com eles. Isto obriga-nos a olhar melhor, não para não sermos “enganados”, mas para não fazermos a escolha errada.

Hoje, pão com manteiga ao café da manhã… Porque consumir produtos lácteos é bom para si, mas como lhe disse no início, a manteiga não a substitui em nutrientes, por isso já bebeu o seu copo de leite hoje? Vou buscar o meu!

O leite é bom para si!

 

Valeria Guzmán Hamann

eDairyNews

Valorização está relacionada ao forte aumento do custo de produção por conta da forte estiagem sofrida no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER