Especialistas do INIA e da Universidade Austral, juntamente com produtores leiteiros, autoridades e colaboradores da Nestlé, discutiram os principais desafios da agricultura regenerativa e como ela permite o progresso em direção a uma produção mais sustentável.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Esta atividade é parte do plano global da Nestlé para apoiar e acelerar a transição para este sistema Agroalimentar Regenerativo com o objetivo de obter 25% de seus ingredientes através deste modelo até 2025 e 50% até 2030.

Com o objetivo de discutir uma produção alimentar mais sustentável, a Nestlé Chile realizou a reunião “Avançando para um modelo agroalimentar regenerativo” em sua fábrica Cancura em Osorno, onde a empresa, juntamente com o Instituto de Pesquisa Agrícola (INIA), a Universidade Austral do Chile e os produtores de leite fresco da região, apresentaram o progresso do trabalho colaborativo que vêm desenvolvendo em torno deste modelo alimentar inovador.

O evento contou com apresentações de Enrique Vega, Gerente de Estratégia e Política Láctea da Nestlé Chile; Francisco Salazar, pesquisador do INIA-Remehue; Máximo Alonso, diretor do Instituto de Produção Animal da Universidade Austral do Chile; e Mauricio Martínez, proprietário do Fundo “La Chacra”, que falou sobre sua experiência no projeto de se tornar uma das primeiras fábricas de laticínios neutras em carbono no Chile.

Através das palestras técnicas, os participantes, incluindo o diretor regional do INIA Los Lagos, Natalia Urrutia, o prefeito de Llanquihue, Victor Angulo, e o administrador do Município de Osorno, Claudio Villanueva, puderam conhecer esta nova abordagem agroalimentar, que busca renovar e restaurar o meio ambiente, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos agricultores e, por sua vez, produzir alimentos cada vez mais sustentáveis para a população.

Andrés Eyzaguirre, Diretor de Assuntos Corporativos e Jurídicos da Nestlé Chile, explicou que, “Lançamos um plano global para apoiar e acelerar a transição para um sistema alimentar regenerativo, para o qual estamos trabalhando com todos os nossos parceiros, incluindo nossa rede de agricultores e fornecedores nos mais de 180 países onde operamos, com um investimento de aproximadamente US$ 1,3 bilhão. Este compromisso procura provocar uma mudança ampla e profunda na maneira como produzimos para ajudar a restaurar os ecossistemas, porque sabemos que a agricultura regenerativa desempenha um papel crítico na melhoria da saúde do solo, restaurando os ciclos da água e aumentando a biodiversidade a longo prazo”.

Com relação ao trabalho que a Nestlé está promovendo no Chile, Enrique Vega destacou que “atualmente temos 8 projetos de pesquisa com centros de prestígio como o INIA e a Universidade Austral, focados em melhorar os rendimentos para atender as necessidades alimentares da população, reduzir os custos de produção e as emissões de gases de efeito estufa, bem como aumentar o sequestro de carbono e melhorar a saúde e a fertilidade do solo”. No total, mais de 200 produtores de leite já iniciaram uma transição para a agricultura regenerativa junto com a Nestlé, ligando mais de 18.000 hectares de pastagens e culturas complementares onde são produzidos cerca de 120 milhões de litros de leite, portanto esperamos uma redução de mais de 18.000 toneladas de CO2 este ano”. Ele também enfatizou que “este processo requer apoio porque é o agricultor que assume os riscos de incorporar novas tecnologias, por isso é importante co-financiar projetos de pesquisa e fundos competitivos da Nestlé em questões como o gerenciamento de chorume, uso de biofertilizantes e redução de emissões”.

Natalia Urrutia, diretora regional da INIA Los Lagos, disse: “Temos um desafio para reduzir a pegada de carbono e reduzir a produção de gases de efeito estufa (GHG), e nesse sentido, é exemplar que uma indústria tão grande como a Nestlé esteja se concentrando em incentivar os produtores dessa forma. Ela beneficia o planeta, o produtor e a indústria está de alguma forma contribuindo para este desenvolvimento sustentável do setor pecuário, especialmente nesta área do sul do Chile, onde produzimos mais de 70% da produção nacional de leite”.

Durante a atividade, foi feita uma visita ao Fundo “Los Esteros” do produtor Christian Haase para ver no campo a aplicação de práticas regenerativas e os resultados que já estão sendo percebidos. A este respeito, ele comentou que “incluímos o uso de fertilizantes biológicos e produtos biológicos para controle de pragas, que também permitem custos de produção mais baixos”. Por exemplo, 25 hectares de culturas complementares de chicória que completaram seu ciclo foram regenerados com azevém, sem alterar a estrutura do solo através da semeadura direta, uma prática que não libera carbono na atmosfera”, disse ele, acrescentando que “o sistema de agricultura regenerativa requer um período de acostumação, temos que aprender porque é algo novo para nós, mas que vai ter um bom prognóstico”.

Traduzido com – www.DeepL.com

O rigoroso controle de custos e as melhorias de produtividade permitem que a Danone compense até certo ponto o aumento dos custos.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER