Gigante multinacional dos alimentos que completa cem anos de Brasil em janeiro de 2021, a suíça Nestlé recebeu uma injeção de ânimo corporativa inesperada durante a pandemia de coronavírus.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

Gigante multinacional dos alimentos que completa cem anos de Brasil em janeiro de 2021, a suíça Nestlé recebeu uma injeção de ânimo corporativa inesperada durante a pandemia de coronavírus. À medida que a economia parava e as pessoas ficavam mais em casa, a companhia de alimentos não podia cruzar os braços, pois seus produtos estão presentes em 99% dos domicílios. Segundo o presidente da Nestlé Brasil, Marcelo Melchior, a necessidade de seguir em frente deu à empresa uma agilidade de decisão que ele vai tentar preservar à medida que o País caminha para o “novo normal”.

“O desafio é não voltar aos vícios do passado, para aquela inércia em que cada um trabalhava no seu silo e a comunicação não ficava muito fluida. Na pandemia, nós fomos extremamente ágeis e nos falamos o tempo todo”, disse Melchior, em entrevista ao Estadão. “A grande pergunta é: será que vamos conseguir manter esse padrão? E a resposta eu só vou ter daqui a 6 meses ou 1 ano.”

Em vez de fazer o centenário brasileiro virar uma celebração apenas do passado, a Nestlé quer fazer da data uma razão para discutir temas relacionados a meio ambiente, sociedade e governança (ESG, na sigla em inglês). Entre os projetos que vão marcar as comemorações estão uma ação de reflorestamento de uma grande área na Bahia e a divulgação de uma pesquisa global sobre as dificuldades que os pais enfrentam para criar os filhos em diferentes regiões do mundo.

Como a pandemia afetou os negócios da Nestlé e como a empresa se adaptou a ela?

Acho que soubemos nos reinventar. Sabíamos que precisávamos continuar a abastecer o mercado, pois 99% dos lares brasileiros têm produtos Nestlé. Então, para os nossos 7 mil promotores de venda, que abastecem supermercados em todo o País e não podiam parar, usamos a nossa frota para fazer uma carona solidária – evitando, assim, que esses trabalhadores usassem transporte coletivo. Cada pessoa também passou a cuidar de uma só loja. E o mais importante para a gente são fábricas e equipes comerciais, que não pararam. O escritório foi mais fácil de resolver, mas ele só representa 2 mil pessoas de um total de 28 mil que temos no País.

E qual é o desafio agora?

O desafio é não voltar aos vícios do passado, para aquela inércia em que cada um trabalhava no seu silo e a comunicação não ficava muito fluida. Na pandemia, nós fomos extremamente ágeis e nos falamos o tempo todo. E realmente houve delegação de tarefas. A pessoa mais próxima da ação sabe qual é a melhor decisão – e dar a ela o poder de tomar essa decisão faz com que ela trabalhe melhor. Ela não se sente um peão pouco importante em um jogo de xadrez. A grande pergunta é: será que vamos conseguir manter esse padrão? E a resposta eu só vou ter daqui a 6 meses ou 1 ano.

Apesar da pandemia, a Nestlé vai conseguir crescer em 2020?

Em 15 de março, todo o planejamento de 2020 teve de ser jogado no lixo. Houve uma disrupção muito grande. Tudo o que era consumo fora do lar – como o Nestlé Professional ou os serviços para empresas da Nespresso – ficou parado. A Páscoa também foi prejudicada, pois as pessoas não se reuniram como sempre fizeram nessa data. Enquanto isso, outras áreas ficaram absolutamente sobrecarregadas, como e-commerce. Então criamos uma missão colaborativa, em que pessoas foram requisitadas por áreas que tinham muito trabalho. E isso foi bom, porque ninguém ficou sem trabalho e muitos fizeram uma formação que não estava prevista neste ano. E isso se vê nos nossos resultados de 2020. Apesar de alguns segmentos terem sido prejudicados, no geral nós vamos crescer neste ano e ganhar market share (participação de mercado).

A Nestlé faz cem anos de Brasil em 2021. O que vai marcar o centenário?

Vamos fazer muitas ações ao longo do ano que vem. Mas não queremos só relembrar. Queremos falar de meio ambiente e de coisas importantes para a sociedade. Uma ação de reflorestamento na Bahia, em parceria com uma ONG, vai plantar 1 milhão de árvores. Em nossos produtos, vamos buscar redução de uso de plástico – já eliminamos, por exemplo, o que embalava as caixas de bombom. Só isso reduziu nosso consumo de plástico em 400 toneladas por ano. Além de reduzir o plástico, podemos também ampliar o uso de latas, que são embalagens muito ecológicas e já têm um sistema de economia circular.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER