O estresse térmico também afeta a qualidade do produto e diminui a taxa de prenhez das matrizes, de acordo com a Embrapa
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O estresse térmico também afeta a qualidade do produto e diminui a taxa de prenhez das matrizes, de acordo com a Embrapa

Veja dicas para evitar perdas de produtividade no gado de leite. Foto: Embrapa/Divulgação

Com a aproximação do verão, é imprescindível que produtores de leite redobrem os cuidados na hora do manejo das vacas. Conhecido como estresse térmico, o aumento da temperatura interna dos animais pode provocar perdas de até 30% na produtividade, de acordo com a Embrapa Gado de Leite. 

A pesquisadora da entidade Maria de Fatima Avila diz que a temperatura prejudicial pode variar muito entre uma raça e outra, mas, em média, os animais começam a superaquecer a partir de 31 ºC. “Esse índice depende de vários fatores, como raça e a capacidade do animal na produção de leite. Vacas da raça holandesas, por exemplo, são pouco tolerantes ao calor e isso provoca um aumento de estresse no animal”, afirma.

Outros problemas nas vacas

Segundo a pesquisadora, além do impacto na produção de leite, o estresse térmico também pode desencadear outros problemas no rebanho, como alteração na qualidade e na composição do leite e até mesmo prejuízos na reprodução.

Algumas reações fisiológicas que também podem acontecer são: diminuição de ingestão de alimentos ou alteração do padrão de ingestão; mudança da temperatura retal ou da frequência respiratória; e até mesmo maior procura por água.

Estudo publicado pela Embrapa em setembro de 2017 mostra que, no Brasil, a taxa de prenhez de vacas holandesas diminui de 72% no inverno para 46% no verão. Em vacas leiteiras mestiças, em piquetes ou semiconfinadas, a taxa de prenhez passou de 43% para 26,9%.

Sem perdas

Para evitar perder produtividade e até mesmo de vacas por conta do calor excessivo, a pesquisadora recomenda algumas ações. “É muito importante que o produtor esteja sempre atento aos sinais dos animais. Além disso, para aqueles que possuem criação de gado, garantir sombreamento, alimentação de boa qualidade e água em abundância é primordial. Recomendamos também que o pecuarista disponibilize mais de uma fonte de água para os animais”, diz Maria de Fatima.

De acordo com ela, a hidratação em épocas quentes deve ser priorizada após a ordenha e nas horas quentes do dia.

Para vacas confinadas, o produtor também deve seguir atento. “O local precisa ser climatizado na temperatura ideal e é muito importante sempre oferecer alimentos mais frescos aos animais, para estimular a ingestão dos mesmos”.

Outro ponto de atenção é o controle de lama nos corredores de passagem, que também é muito importante no verão, já que o registro de chuvas é mais comum nessa época do ano.

“Atenção também ao controle de insetos próximos às vacas. Isso porque o movimento de afastar moscas pode elevar ainda mais o calor”, acrescenta.

 

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER