O novo presidente do Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados do Rio Grande do Sul (Sindilat), Guilherme Portella, manifestou a posição da entidade contra a importação de lácteos pelo Brasil.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

O novo presidente do Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados do Rio Grande do Sul (Sindilat), Guilherme Portella, manifestou a posição da entidade contra a importação de lácteos pelo Brasil. Eleito nesta terça-feira para comandar a entidade em substituição a Alexandre Guerra, Portella afirma que o sindicato é contrário a qualquer importação “predatória” que desequilibre o mercado interno. Ele diz que o desafio do setor é melhorar cada vez mais sua competitividade para que, no futuro, nenhum país tenha condições de colocar leite no Brasil.

O dirigente destacou que sua atuação dará continuidade ao trabalho que vem sendo feito pelo Sindilat com o objetivo de alinhar toda a cadeia leiteira, do produtor à indústria. “Esta aglutinação deve prosseguir”, adiantou. Garantiu ainda que o segmento vai continuar atento às questões da pandemia, no que diz respeito à preservação da saúde do produtor e dos colaboradores, assim como às demandas do consumidor.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER