O ano de 2020 foi marcado por adversidades. Do lado da demanda, a pandemia de coronavírus resultou em mudanças bruscas no comportamento do consumidor.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

2020, ano de preços recordes no campo
O ano de 2020 foi marcado por adversidades. Do lado da demanda, a pandemia de coronavírus resultou em mudanças bruscas no comportamento do consumidor. Do lado da oferta, o clima prejudicou a atividade, devido às irregularidades das chuvas e às secas extremas, especialmente no Sul do País. Esses dois fatores, combinados, proporcionaram um ano de desequilíbrios entre a oferta e a demanda e de elevação substancial dos preços no campo. Leia mais.

Derivados lácteos atingem valores recordes em 2020
Pesquisas realizadas pelo Cepea, com o apoio financeiro da OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), mostram que as médias de preços do leite longa vida (UHT), do leite em pó (400g) e do queijo muçarela em 2020 (de janeiro até a primeira quinzena de dezembro) negociados entre indústrias e mercado atacadista do estado de São Paulo foram de R$ 3,06/litro, R$ 20,79/kg e R$ 23,53/kg, respectivamente, altas de 19,3%, 20,8% e 27,4% em relação às de 2019 (em temos reais, deflacionados pelo IPCA de novembro/20). Os preços elevados em 2020 são consequência da oferta restrita de matéria-prima (devido especialmente ao clima desfavorável e aos custos de produção elevados) e da demanda firme (sustentada pelo programa de auxílio emergencial). Leia mais.

Com oferta limitada e dólar elevado, importações voltam crescer
As importações de derivados lácteos voltaram a reagir em novembro, somando 23 mil toneladas, altas de 3,2% frente ao mês anterior e de expressivos 105% em relação a novembro/19, segundo dados da Secex. Apesar do alto patamar do dólar no mês, de R$ 5,42, a moeda norte-americana ainda esteve 4% inferior à média de outubro, atraindo importadores brasileiros a realizarem novos negócios. Além disso, o cenário doméstico de oferta de leite limitada e de demanda aquecida também influenciou as compras externas em novembro. Leia mais.

Valorização do concentrado em 2020 supera os 40%
O COE (Custo Operacional Efetivo) da pecuária leiteira subiu 5,39% em novembro na “média Brasil” (BA, GO, MG, PR, RS, SC e SP). Com isso, o avanço nos custos no acumulado de 2020 (até novembro) foi de 21,86%. O insumo que mais tem influenciado a elevação dos custos leiteiros é o concentrado. Nos 11 primeiros meses de 2020, este insumo registra expressiva valorização de 40,84%, também na “média Brasil”. Em novembro, especificamente, os preços dos alimentos concentrados aumentaram 8,88%, influenciados pelos avanços nos valores da soja e do milho, matérias-primas para produção do insumo.  Leia mais.

Aumento acumulado nos últimos 12 meses atingiu 39,72%, aponta a Embrapa

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER