A empresa de laticínios propôs um plano de demissão para seus 80 funcionários, enquanto a força de trabalho e o Governo das Astúrias estão pedindo uma solução, incluindo a venda da fábrica a um concorrente.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
FÁBRICA DANONE EM MADRID EUROPA PRESS - ARQUIVO

O fechamento de uma fábrica com 40 anos de história por trás destaca como o modelo de produção do setor lácteo está mudando na Espanha, especificamente o da multinacional francesa Danone. A empresa anunciou “a cessação da atividade” de sua fábrica de Salas nas Astúrias. Evita falar em fechamento, apesar de estar pondo fim à produção de uma de suas quatro fábricas de laticínios na Espanha, que emprega 80 trabalhadores em uma área principalmente rural, onde não há falta de alternativas industriais.

“Eles propuseram um ERE (Expediente de Regulación de Empleo) para o final do ano”, disse ao elDiario.es Juan Carlos García, secretário do conselho de trabalho e representante do Corriente Sindical de izquierdas. “A justificativa que nos dão são causas produtivas, uma queda nas vendas e um custo de produção muito alto”. Eles vão levar a produção para a França”.

Na Espanha, junto com o das Astúrias, a empresa possui outros três centros de produção de lácteos, em Madri, Valência e Catalunha; bem como três instalações de engarrafamento de água mineral, pois a Danone também possui marcas de água como Lanjarón e Font Vella. As instalações da Danone estavam entre as que foram afetadas pela recente greve dos trabalhadores dos transportes.

A cessação da atividade nas Astúrias não foi uma surpresa para a força de trabalho, já que esta não é a primeira vez que a Danone decide fechar uma fábrica na Espanha ou vendê-la a um concorrente. Em 2014, transferiu sua fábrica de Tenerife para a Schreiber Foods, uma empresa especializada em produtos de “private label” para supermercados e hipermercados. Um ano antes, fechou sua fábrica em Sevilha e transferiu a carga de trabalho para Madri e Valência.

Nas Astúrias, o gigante francês produz queijo e sobremesas há décadas. Por exemplo, Danonino, a antiga “petit suisse”. “No final do ano passado, havia um projeto, que poderíamos ter feito nós mesmos, mas ele foi para Madri. Dissemos à empresa que eles tinham nos dado a cauda do cordeiro e eles disseram que não era assim. Agora, veja”, diz Juan Carlos García.

Neste caso, além disso, o representante do conselho de trabalhadores salienta que toda a produção da Danone em Salas não pode ser transferida para outras fábricas da subsidiária. “Na Espanha esta produção não pode ser feita, porque temos processos que ninguém mais tem”, assume ele. “Eles o levam para fora.

Um processo de “racionalização

A empresa não fala em repensar a indústria, embora esteja reduzindo sua rede de fábricas. “Nos últimos anos, a empresa assumiu o compromisso de manter a produção na Espanha”, diz uma porta-voz da empresa. A Danone enquadra a cessação da atividade como “um processo de racionalização, dada a necessidade de adaptação às tendências atuais e futuras do consumidor e, ao mesmo tempo, garantir a eficiência das operações industriais para continuar a construir o futuro das marcas e consolidar sua competitividade”.

“A Danone tem uma presença histórica na Espanha e é um mercado estratégico para a empresa. A empresa mantém seu compromisso com o território, e é por isso que manterá relações com os produtores locais de laticínios para continuar fornecendo os outros centros de produção da empresa”, acrescenta ele.

A multinacional garante que, com estas conversas, “começa um processo de diálogo no qual a empresa trabalhará junto com a representação legal dos trabalhadores para oferecer as melhores soluções possíveis e tentará chegar a um acordo que satisfaça os interesses de todas as partes”.

A força de trabalho está buscando a “continuidade da fábrica, seja com a Danone ou com outro proprietário”, esclarece Juan Carlos García. O Governo do Principado das Astúrias também está pedindo continuidade e está exortando a Danone a reverter o fechamento. Caso contrário, a alternativa é procurar um comprador para manter a atividade. A empresa está aberta a esta opção. Também, como indicado pelo Ministério da Indústria asturiano, mediação do Executivo do Estado, para evitar o fechamento de uma fábrica que está atingindo duramente o ambiente rural.

O governo asturiano está convidando a Danone para sentar-se e conversar e explicar as razões pelas quais decidiu abandonar a atividade industrial no Principado. Seu presidente, Adrián Barbón, criticou a empresa por procurar “reduzir os custos, despedindo trabalhadores” e descreveu esta etapa como “ganância corporativa”, em declarações relatadas por ‘La Voz de Asturias’.

Para o grupo Danone, a Espanha representa 4% da renda da multinacional. As vendas globais em 2021 atingiram 24.281 milhões de euros.

A subsidiária ainda não registrou seu desempenho neste último ano junto ao Registro de Empresas, mas registrou seu desempenho para 2020. No ano do maior impacto da pandemia, as vendas da filial espanhola aumentaram 3%, para 789,7 milhões de euros. E foi rentável, embora menos do que no ano anterior. Em 2020, a Danone Espanha ganhou 91 milhões de euros, 7,6% menos do que no ano anterior, e viu suas despesas operacionais crescerem 8%, conforme informou o “Cinco Dias”, com 3,8% de gastos em demissões e aposentadorias antecipadas.

Uma subsidiária de origem catalã e uma empresa com menos fábricas

A Danone é uma multinacional francesa, mas sua semente está em Barcelona. Ali, em 1919, Isaac Carasso fundou uma empresa cujo nome tomou como referência o apelido de seu filho Daniel: “Danon”. Anos mais tarde, ele se mudou para a França e continuou os negócios no país vizinho. Após a Guerra Civil, Daniel Carasso juntou-se a outras três famílias catalãs, Portabella, Fuster e Botton, e juntos desenvolveram a filial. Em outras palavras, o negócio local tem funcionado paralelamente ao negócio francês, embora com a empresa francesa como acionista principal. De fato, até 2016, as três famílias catalãs detinham pequenas participações na capital da empresa ibérica.

Agora, o gigante dos laticínios está anunciando uma cessação de atividade na Espanha que, segundo fontes sindicais, não ocorreu em centros em seu país de origem. Em 2014, por exemplo, anunciou o fechamento de fábricas em Budapeste, Hungria; Casale Cremasco, Itália; e Hagenow na Alemanha. A razão, explicou na época, foi o declínio progressivo das vendas na Europa durante a última década. Nesses casos, a produção foi transferida para outras instalações na Bélgica, Polônia, Alemanha e França.

“A situação da Danone vem da crise anterior”, argumenta Pedro Gutiérrez, representante do CCOO na Danone. “Eles têm tomado decisões em um mercado onde são consumidos menos produtos lácteos, mas também mais produtos de base vegetal. “Desde 2007, o grupo vem concentrando seu volume industrial. Havia 21 fábricas e agora são 10, algumas fecharam e outras foram vendidas”, aponta Gutiérrez, que lembra como outras empresas leiteiras também sofreram nos últimos anos, incluindo marcas como Yoplait e Clesa.

“Desde os anos 90, passamos de 4.000 para 2.000 funcionários. Há funções que foram terceirizadas, tais como vendas ou transporte”, lista o representante da CCOO. Ele ressalta também que, nos últimos anos, a Danone investiu nas fábricas que ainda estão em atividade e que mantém uma política de alta qualidade em seus produtos, nos preços que paga aos criadores de gado e que aumentou as exportações dos centros de produção espanhóis para outros países, como a Actimel, que é produzida em Valência. “As fábricas são de alta tecnologia, robotizadas. Isto é um investimento, mas significa que você precisa de menos pessoas”, resume ele.

 

Traduzido com DeepL

O mercado de importação de leite em pó no Mercosul é impulsionado pelo Brasil como o maior importador.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER