A competição no mercado do leite entre startups e multinacionais de bebidas à base de plantas: ordenhar uma ervilha requer muita ciência e tecnologia.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Fonte: as.com

Você pode não ter percebido ainda mas tem uma bela competição sendo travada hoje entre startups e multinacionais pelo mercado de bebidas à base de plantas. Ordenhar uma ervilha requer muita ciência e tecnologia, os investimentos são grandes mas a fatia do bolo também é, por isso que tem tanta empresa de olho nos $17 bilhões que esse mercado representa e esse número só tende a crescer.

Oatly é uma marca de alimentos que produz alternativas aos lacticínios a partir da aveia e é uma das fabricantes mais bem sucedidas de bebidas à base de plantas. Surgiu de uma fazendinha no alto de uma colina da Suécia para um recente IPO na Nasdaq e saiu com um valuation de $10 bilhões. Essa última frase já conta muito do tamanho deste mercado.

E recentemente, apareceu no mercado seu mais novo e já maior concorrente, a Wunda da Nestlé, que é um leite feito de ervilhas. Depois de meses chafurdados em laboratórios e milhões gastos na tentativa de produzir a bebida mais proteica, a gigante de alimentos agora entra definitivamente na briga pelos milênios que consomem produtos alternativos à base de plantas.

A estratégia destas empresas não inclui apenas o foco nos diversos grupos veganos, vegetarianos, macrobióticos, ovo-lácteos ou intolerantes à lactose. A maior bandeira destas marcas hoje é defender a menor emissão de gases de efeito estufa na produção de leite vegetal, em comparação com as indústrias que usam o gado. Uma nova abordagem que usa alta tecnologia e sem incluir animais para gerar alimentos e bebidas ajudando a alimentar a humanidade e ao mesmo tempo conter o aquecimento global.

Toni Petersson, CEO da Oatly escreveu no seu material de divulgação antes da entrada na Nasdaq: “Nosso objetivo é interromper uma das maiores indústrias do mundo – laticínios – e no processo liderar um novo caminho para o sistema alimentar”.

Também no páreo está a fabricante francesa de iogurtes Danone, que faturou € 2,2 bilhões em produtos de alternativas lácteas à base de vegetais em 2020.

Claro que os produtores de gado e de alimentos derivados ficaram incomodados com o avanço dos produtos plant-based se uniram em protesto pedindo no início do ano à União Europeia para proibir o uso de nomes como “leite”, “queijo” ou “carne” em produtos que não contém proteína animal. Mas a solicitação foi negada e houve muita comemoração no grupo pró-vegan. Membros do parlamento europeu responderam que o processo foi uma perda de tempo, uma vez que produtos plant-based propõem uma mudança significativa para a sustentabilidade e menor impacto de carbono no planeta.

De olho na importância desta bandeira e na competição do mercado as marcas começam a rotular suas credenciais climáticas. Oatly traz em cada um dos seus produtos a pegada de carbono. E a Nestlé também aposta com a certificação neutra em carbono para o leite Wunda da Carbon Trust.

Daniel Ordóñez, diretor de crescimento de laticínios e produtos à base de plantas da Danone diz que também vem aumentando a comunidade de  “flexitarianos”  já que a tecnologia aprimorada está tornando os produtos à base de plantas mais saborosos, ajudando a atrair um público mais amplo.

O fato é que, o inovador disruptivo corre um alto risco por ser o primeiro a validar um produto no mercado. Aposta em altos investimentos em meio ao desconhecido e no incerto. Se ele conquistar o fit será o primeiro a se apropriar da terra das marcas e quem vier depois vai lutar muito por um espaço que já tem dono, é quando a gente começa a ver a briga pelo mercado e só sobrevive aquele que conseguir alcançar escala.

 

É o primeiro produto do tipo com pegada sustentável lançado no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER