"> O leite e o alho são apenas a ponta do iceberg do protecionismo brasileiro - eDairyNews-BR
Após a celeuma instaurada pelos produtores de leite com o possível fim da tarifa antidumping em relação ao produto, a história se repete com o alho
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Desde 1996, os consumidores brasileiros são obrigados a pagarem mais caro por alho em nome da proteção aos produtores nacionais contra a concorrência chinesa. De lá para cá, a despeito da barreira alfandegária, o percentual da produção nacional que abastece o mercado interno vem caindo, indicando a falta de competitividade dos produtores brasileiros. Os alhicultores alegam que a situação tem piorado porque algumas empresas estão conseguindo importar o produto sem a tarifa por força de liminares judiciais.

Em paralelo, no caso do leite os produtores europeus também precisam arcar com uma taxa antidumping cuja alíquota é de 14,8%. Essa tributação é somada com os demais impostos de importação, correspondentes a 28%. Dessa forma, há uma proteção tarifária ao produtor nacional equivalente a 42,8%, além de, naturalmente, uma vantagem logística de pelo menos 10 mil quilômetros.

Em ambos os casos, os argumentos são os mesmos: “é necessário proteger o produto nacional da concorrência de tal país”, “o setor gera tantos mil empregos”, “precisamos valorizar o que é produzido por aqui”. No entanto, nada disso se sustenta à luz da vasta literatura econômica sobre o assunto.

Pior que Cuba
Apesar do barulho, tanto o alho quanto o leite representam apenas a ponta do iceberg do protecionismo brasileiro. Isso porque a alíquota alfandegária brasileira é a maior entre os países emergentes e desenvolvidos. Isso acaba por restringir as relações comerciais: levantamento da Inter B Consultoria, com base em dados do Banco Mundial, mostrou que a média de participação do comércio exterior em relação ao PIB entre 2009 e 2015 foi de 24%, estando o país atrás somente de Myanmar, com 22%. A média global é superior ao dobro: 51,3%.

As barreiras chanceladas pelo Estado brasileiro são tamanhas que somos mais fechados ao comércio internacional do que Cuba, um país que historicamente reclama de sofrer um embargo comercial. O Brasil, portanto, se impôs um embargo próprio. Segundo levantamento de Greg Mankiw, 93% dos economistas concordam que tarifas e cotas de importação geralmente reduzem o bem-estar econômico geral.

Além disso, ao inibir a competição estrangeira, o governo obriga os consumidores brasileiros a pagarem mais caro em produtos de menor qualidade: a muralha comercial brasileira retira anualmente R$ 130 bilhões do bolso dos consumidores.

Há o entendimento de que, ao dificultar importações, o saldo pode ser positivo para o setor beneficiário, mas ninguém concorda que o resultado será profícuo em relação ao restante do país. Conforme explica o economista Marcos Lisboa, há uma forte causalidade entre o protecionismo e a produtividade. Diversos trabalhos acadêmicos demonstram empiricamente que, quando a proteção do governo sobre determinado setor cai, a produtividade sobe; já quando a proteção sobre o setor aumenta, a produtividade cai. A razão é relativamente simples: diminuir barreiras alfandegárias facilita o acesso a insumos e a bens de capital mais eficientes.

Falta de competitividade
O isolacionismo comercial é considerado o principal fator para que o Brasil seja apenas o 61º colocado entre 63 países do ranking de competitividade global. Em virtude dos altos custos de produção e da impossibilidade de se obter melhores insumos, ser eficiente e competitivo no Brasil se torna uma tarefa hercúlea.

O argumento de que o protecionismo é necessário a fim de proteger empregos também não se sustenta. Estudo recente da Secretaria de Assuntos Especiais, ligada à Secretaria Geral da Presidência, estimou o impacto que uma abertura comercial teria sobre 57 diferentes setores em longo prazo: em só 3 deles haveria redução no emprego setorial maior que 0,5%. Por outro lado, 75% deles teriam uma expansão do emprego. Estima-se também que uma abertura resultaria em uma redução de cerca de 5% no nível geral de preços. Bens dos setores mais protegidos, como automóveis, maquinários e têxteis, teriam queda de até 16%.

Por fim, ser contra a abertura comercial em nome da proteção à indústria nacional significa ir na contramão do que aconselha a literatura econômica, restringindo os ganhos do comércio, e, logo, ser contra os consumidores brasileiros — especialmente os mais pobres.

Dessa forma, todos os argumentos favoráveis ao protecionismo — empregos, produção nacional, patriotismo — são apenas cortina de fumaça a fim de defender privilégios. O status quo favorece o empresariado já estabelecido, que se furta de competir com empresas estrangeiras mais produtivas com a chancela e conivência do Estado brasileiro.”
Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/ideias/o-leite-e-o-alho-sao-apenas-a-ponta-do-iceberg-do-protecionismo-brasileiro-2r45ox9a5wy0iybjwj0tracrp/
Copyright © 2019, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.

É a primeira vez na história que uma carga de leite brasileiro é exportado para a China. Cooperativa gaúcha é a responsável pelo feito.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER