Há pouco mais de dois anos, o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) anunciava a mudança da metodologia de cálculo da média do preço do leite ao produtor.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

Há pouco mais de dois anos, o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) anunciava a mudança da metodologia de cálculo da média do preço do leite ao produtor. Aprendemos muito sobre transparência e trabalho em equipe com esta decisão, tão necessária para aumentar a coesão dos dados – que, em média, somam 35 mil ao mês.

 

De lá para cá, houve muito trabalho, em diferentes frentes e equipes, para consolidar o denominado “Projeto Piloto”, parceria entre o Cepea, OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras) e Viva Lácteos. Se, por um lado, avançamos muito, por outro, os futuros desafios para manter uma amostra representativa para nossa pesquisa ficaram mais claros. Sobretudo, ficou evidente o papel do Cepea como um ponto focal para o setor, no intuito de ajudar a construir uma efetiva coordenação entre os segmentos.

 

A pesquisa de preços do leite no Cepea se inicia junto com a própria história da instituição, em 1986. Naquela época, coletar e sistematizar esses dados eram tarefas muito diferentes (e mais difíceis) do que hoje em dia. O Cepea foi pioneiro em formar redes de colaboradores, manter infraestrutura necessária para viabilizar esse trabalho e desenvolver metodologias robustas para a pesquisa. Muitas pessoas passaram pela Equipe do Leite e cada uma delas deixou um pouco de si no Cepea, ao mesmo tempo em que também levaram o Cepea consigo para seus novos desafios. Ressalta-se que essa também é uma importante missão do Centro de Pesquisas: formar profissionais capacitados para o mercado de trabalho.

 

Não foram raras as ocasiões em que fomos questionados: o que o Cepea ganha em estar no Leite? A resposta é simples: experiência. Reunimos o maior banco de dados sobre preços comercializados de leite, derivados e insumos para produção do Brasil, assim como a maior base de dados de custos de produção. Mantemos uma ampla rede de contatos que nos permite questionar, investigar e validar conhecimentos. Reunimos professores e pesquisadores que dedicam suas carreiras acadêmicas para gerar informações que possam ajudar o desenvolvimento deste setor tão importante para o Brasil, em consonância com a missão da Universidade Pública na qual o Cepea se insere: ensino, pesquisa e extensão.

 

A cadeia do leite tem muitos desafios pela frente, como aumentar a eficiência produtiva, elevar a qualidade da matéria-prima e dos lácteos, melhorar a gestão das empresas rurais e industriais e criar estratégias mais robustas para gerenciar os riscos econômicos da atividade. São desafios multifacetados e que exigem um esforço coordenado dos agentes para viabilizar estratégias competitivas num ambiente em constante mudança.

 

Nesse sentido, a geração e o compartilhamento de informações são cruciais para a compreensão da dinâmica do mercado e dos padrões de concorrência neste setor. Mas a atuação do Cepea tem ido além.

 

É preciso compreender a influência da separação temporal e espacial entre os agentes que transacionam, a assimetria de informações entre eles e a dificuldade de ambos em tomarem decisões consonantes, diante de mecanismos diferentes de decifração do ambiente em que ocorrem as negociações. No caso do leite, como as relações de oferta e demanda são complexas, muitos movimentos de mercado atingem com delay ou com especulação as negociações entre produtores e indústria. A fotografia de mercado não é a mesma entre os agentes da cadeia do leite e isso gera muitas dúvidas, incertezas, oportunismo e discussões, muitas vezes basais, inclusive, sobre os fatores que influenciam o mercado na alta e na baixa.

 

Com isso, é importante evidenciar que a informação sobre o mercado é mais do que uma ferramenta que orienta, individualmente, decisões em diferentes horizontes de tempo. Instituições como o Cepea têm contribuído, em diversas cadeias agropecuárias – e não seria diferente no Leite! –, como um ponto focal para o aumento da coordenação entre os agentes e para um melhor entendimento sobre os entraves ao desenvolvimento setorial.

 

Essa posição a que o Cepea foi alçado no caso das pesquisas da cadeia do Leite decorreu da confiança expressa em parcerias de longa data com a CNA, com a OCB e Viva Lácteos – as quais foram e são fundamentais para apoiar pesquisas de custos de produção, negociações entre indústria e produtor e monitoramento do mercado de derivados lácteos. Este último merece destaque, pois é fundamental para antecipar tendências no campo, uma vez que a formação do preço ao produtor depende da comercialização do produto acabado. Além disso, também monitoramos o mercado do leite spot (negociado entre indústrias) quinzenalmente.

 

Da mesma forma, nenhum dado poderia ser gerado sem a participação voluntária de cooperativas, indústrias de laticínios e produtores, que compartilham seus dados com o Cepea, assegurados de seu sigilo e confidencialidade. Ainda assim, é um desafio latente ampliar a rede de colaboradores para nossas divulgações.

 

Assim como o próprio leite, sabemos que informações também são perecíveis. Por esse motivo, é crucial o trabalho conjunto de todo o setor para gerar informações úteis, de forma neutra e transparente. Esse esforço coletivo tem se amadurecido ao longo dos anos, e o reconhecimento por parte das organizações de que o monitoramento dos negócios efetivados é importante se coloca como base para um estreitamento da coordenação entre os agentes. Afinal, é difícil projetar um futuro sem um entendimento do passado.

 

Certos de que, como bons Cepeanos, cumprimos missão vitoriosa, caminhamos juntos, portanto, o Leite no Cepea e o Cepea no Leite.

 

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER