Os assuntos públicos têm o seu germe nas disputas propostas pelo activismo, o que desencadeia os sistemas de crenças que eventualmente geram regulamentos; perdemos autonomia, e é quando já não temos a oportunidade de escolher, mas o que e como nos são impostos.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
As vacas nas explorações leiteiras já não sofrem, são agora responsáveis pelo aquecimento global. (Ph. cortesia de Sebastián Villanueva, All Flex)
As vacas nas explorações leiteiras já não sofrem, são agora responsáveis pelo aquecimento global. (Ph. cortesia de Sebastián Villanueva, All Flex)

Enquanto a maioria das pessoas continua confortável e feliz com o consumo de leite e outros produtos animais, os opositores amplificam a sua mensagem com argumentos espúrios que se enraízam nos sistemas de crenças de uns poucos, o suficiente para mudar as agendas que governam as vidas de todos.

Todos podem fazer o que querem, mas não se pode coagir através dos governos a impedir a produção de alimentos a preços acessíveis para toda a humanidade, que pela primeira vez na história e nos últimos vinte anos soube o que era ter mais comida do que aquela que podia consumir, com os valores mais baixos alguma vez alcançados.

Falamos sempre de como se trabalharmos para informar melhor a comunidade sobre uma zona rural que trabalha responsavelmente na produção de alimentos seguros, no cuidado do ambiente e no cuidado do bem-estar animal, poderíamos contrariar os efeitos da desinformação. No entanto, um melhor conhecimento não é suficiente para que todos aceitem os métodos agrícolas no seu sistema de princípios e valores. E não deve ser um grupo ao qual se deve resistir ou insistir em informar, mas sim ser visto como um mercado aberto a propostas alternativas, e a pagar por elas, o que em qualquer caso seria sensato tirar partido.

Soa bem, não soa? Mas onde quer que haja algo a lucrar, não faltam pessoas que tirem partido das preocupações daqueles que confiam nas falácias destes “comerciantes do medo”.

O lobby alimentar “anti-animal” utiliza agora o argumento do clima para impulsionar a sua agenda, deixando para trás o cavalo de batalha dos direitos dos animais, a questão climática é agora mais eficaz. As vacas nas explorações leiteiras já não sofrem, são agora responsáveis pelo aquecimento global.

É tempo de perder a inocência na forma como olhamos para estas questões. Há grupos poderosos que estão envolvidos no discurso popularizador de que a agricultura e a pecuária envenenam a água, o ar, poluem o solo, e pulverizam-nos com produtos químicos que reduzem a nossa esperança de vida e a habitabilidade do planeta. Não importa se o que dizem é falso, porque já não somos guiados pela ciência e pelos factos.

Os assuntos públicos têm o seu germe nas disputas propostas pelo activismo, o que desencadeia sistemas de crenças que acabam por gerar regulamentos; perdemos autonomia, e é aí que já não temos a oportunidade de escolher, mas o que e como nos são impostos.

É evidente que o aquecimento global existe, e que é da responsabilidade de todos contribuir para a redução das emissões de gases com efeito de estufa. É também claro, ou deve ser claro, que a incidência da criação de gado é mínima em comparação com outras situações que devem ser resolvidas para dar sentido às acções tomadas, tais como a utilização de combustíveis fósseis para a produção de energia, transporte e indústria.

Contudo, o activismo levou governos sérios, como os da Europa, a tomar decisões como os da Holanda, o que exigirá que os seus produtores reduzam as emissões em 40%, o que significa a eliminação de 30% do gado. As alternativas que oferece aos seus produtores são fechar, relocalizar ou tornar-se mais “sustentáveis”, virando os seus negócios para o turismo rural, ou cultivar proteínas vegetais sob sistemas agro-ecológicos. Não, isto não é uma brincadeira.

Nada foi aprendido com as lições do fracasso no Sri Lanka, que abraçou a adorável agroecologia e em breve mergulhou numa crise alimentar muito grave. Ah, mas estarão saudáveis em 2030!

Para quem governam os governos que alimentam uma opinião pública adversa em relação ao campo, de tal forma que a incluem nos seus filmes e material educativo? A difamação do sector produtivo é organizada, oficial, e mundial. Se o campo for atacado porque é um adversário natural das políticas socialistas, porque poderia financiar uma oposição real que tornaria as coisas difíceis para os fanáticos da intervenção estatal, poderíamos voltar ao início e perguntar quem financia os activistas.

Para quem governa o poder político que apoia a agricultura de subsistência e a produção animal sob o manto da bondade de cuidar do ambiente e de ajudar as pessoas a progredir? A máquina de fabricar os pobres, os desnutridos e os estúpidos funciona perfeitamente e o ingrediente secreto é convencê-los de que é para o seu próprio bem. Entretanto, no outro extremo da cadeia, nasce e prospera o negócio do crédito de carbono.

Governos como a NZ estão a legislar para tributar as emissões provenientes da agricultura e da pecuária. Cada sector e cada indivíduo tem a responsabilidade de reduzir as suas emissões, e a agricultura não pode ficar alheia a isto, mas porque é que o metano emitido pelo gado não é reconhecido como um gás de curta duração, pertencente a um ciclo biogénico, não comparável aos combustíveis fósseis que se acumulam na atmosfera durante mil anos, e porque é que esta discriminação não é feita nos cálculos de sequestro de carbono? As decisões deste tipo devem ser baseadas na ciência, e não em agendas demagógicas.

Digam o que disserem o activismo e a política, o consumo de lacticínios irá crescer globalmente, e a Nova Zelândia e a União Europeia, os principais fornecedores, não conseguirão acompanhar a procura porque estão a limitar a sua capacidade.

Para além da pressão dos compromissos ambientais nos países mais desenvolvidos, há o choque da pandemia e da guerra. A América Latina tem uma oportunidade única neste contexto, dado que os níveis de intensificação dos sistemas de produção leiteira prevalecentes na região estão ainda longe de ser atingidos pela regulamentação internacional relativa às emissões de gases com efeito de estufa. Que a política e o activismo não nos façam perder esta oportunidade.

Comer lacticínios é bom para si, e produzi-lo é uma grande e nobre tarefa.

Já bebeu o seu copo de leite hoje?

 

Valeria Guzmán Hamann
EDAIRYNEWS

 

 

 

Valorização está relacionada ao forte aumento do custo de produção por conta da forte estiagem sofrida no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER