Mais do que qualquer outra coisa, a má nutrição é responsável por grandes problemas de saúde, e políticas ambientais que dão prioridade às alterações climáticas sobre tudo o resto conduzirão à escassez alimentar que colocará a humanidade no limite da cadeia alimentar. Leite ruim? Irresponsabilidade? Ou uma estratégia sinistra?
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
É urgente regressarmos a uma cultura orientada para o povo, a um mundo livre e saudável com alimentos nutritivos cultivados e produzidos em processos naturais.
É urgente regressarmos a uma cultura orientada para o povo, a um mundo livre e saudável com alimentos nutritivos cultivados e produzidos em processos naturais.

A forma como comemos determina directamente a força com que enfrentamos o mundo, um corpo saudável, uma mente activa, criativa e capaz de raciocínio inteligente. A importância que damos à nutrição não se resume a encher a barriga para sobreviver, trata-se de dar prioridade e melhorar a nossa condição humana.

Os seres humanos são diferentes dos outros animais. Temos linguagem, sistemas avançados de memória, imaginação, capacidades criativas, inteligência, consciência e a capacidade de avaliar acções e cultura futuras. O Humanismo, nascido do Antropocentrismo, foi constituído como uma defesa dos mais altos valores humanos, prometendo construir um mundo melhor baseado no controlo da natureza.

Esta concepção não significa uma posição de poder que permita o abuso dos recursos, mas uma capacidade de coexistência sinérgica com o seu ambiente, animal e natural, tomando para si o necessário, e desenvolvendo ao máximo as suas capacidades de utilizar esses recursos de modo a assegurar a continuidade da sua existência.

Contudo, existe toda uma corrente de pensamento Anti-humanista que assume que a extinção da humanidade tornaria o mundo um lugar melhor, e encontrou um aliado fiel nos movimentos ambientalistas, colocando o homem como uma praga, e já não como um ser superior, merecendo a primazia e valorizando a sua individualidade. Este pensamento encontrou rapidamente um lar nos valores da esquerda política, cujo discurso não fala directamente de nos extinguir, mas degrada-nos como indivíduos, reprimindo ou rejeitando essa individualidade, anulando a nossa liberdade, a nossa razão.

O leite e os produtos lácteos são ferramentas para combater a fome e a insegurança alimentar, e são componentes fundamentais de uma dieta saudável. Elevado em macronutrientes (hidratos de carbono, gorduras e proteínas), bem como micronutrientes essenciais como a vitamina A, vitamina B12, cálcio e magnésio, o seu consumo está associado ao aumento do crescimento das populações mais ricas, bem como das mais pobres. Isto dá às populações em risco a oportunidade de se desenvolverem no corpo e na mente para superar a sua vulnerabilidade, de modo a que a sua pobreza já não seja uma condição perpétua, mas uma circunstância da qual podem emergir com desenvoltura, capacidade cognitiva para a educação e outras motivações. A desnutrição coloca as pessoas em desvantagem, e resolver que o acesso aos nutrientes é uma verdadeira igualdade.

O leite e os produtos lácteos são uma grande fonte de nutrição em todas as fases da vida e embora centenas de milhões de pessoas ainda não tenham acesso a alimentos adequados e nutritivos, mais trabalho está a ser feito não para combater a fome e a desnutrição, mas para destruir a produção de alimentos ricos em nutrientes, como o leite e os lacticínios, para que o acesso aos mesmos se torne cada vez mais difícil, mais caro e mais “imoral”.

A produção leiteira está entre os mais duramente atingidos nesta luta sem sentido contra os nossos sistemas alimentares mais tradicionais e eficientes. É urgente que regressemos a uma cultura orientada para o povo, a um mundo livre e saudável com alimentos nutritivos cultivados e produzidos em processos naturais; e que cooperemos na prevenção de uma fome causada por planos de controlo mundiais baseados na ideologia e não em ciência ou provas sólidas.

A ciência ideologizada está a assumir um papel sem precedentes na tomada de decisões políticas, ameaçando as liberdades humanas mais fundamentais. Assim, as novas regulamentações ambientais são tão extremas que obrigam os produtores dos MECA dos lacticínios do mundo a reduzirem os seus rebanhos ou a pagarem impostos exorbitantes para os manterem, deprimindo a sua rentabilidade, forçando-os a fechar ou a passarem para outra coisa qualquer. O leite e os produtos lácteos tornar-se-ão cada vez mais escassos por razões ideológicas.

O Iluminismo foi um movimento cultural e filosófico que surgiu na Europa entre 1688 e a Revolução Francesa. Baseou-se na autonomia, na capacidade de os indivíduos decidirem por si próprios; na total liberdade de questionar e examinar, criticar e desafiar dogmas e instituições; e na universalidade, que decorre do princípio da igualdade. Este movimento preparou o caminho para o desenvolvimento da ciência. Mas a ciência pode facilmente tornar-se corrompida, distorcendo o esclarecimento e tornando-se sua inimiga em vez do seu avatar.

Um exemplo disto é o que está a acontecer nos Países Baixos, o segundo maior exportador agrícola do mundo, uma superpotência alimentar, que ocupa um lugar muito importante na cadeia alimentar mundial; contudo, o seu governo escolheu, em vez da segurança alimentar, acções altamente discutíveis contra as alterações climáticas. No final, tanto as pessoas como o clima ficarão em pior situação. Porque não é o metano emitido pelo gado que é responsável pelo aquecimento global, pois pertence a um ciclo biogénico, e é reciclado em fotossíntese, ao contrário dos gases emitidos pela queima de combustíveis fósseis, que se acumulam na atmosfera durante mil anos, acelerando a mudança climática.

A erradicação da fome é o maior desafio que a humanidade enfrenta. Devemos apoiar o crescimento económico dos países em desenvolvimento e não esgotar aqueles que já estão desenvolvidos, valorizando o agricultor, o produtor de gado e de lacticínios, porque a necessidade dos alimentos que produzem aumentará à medida que a população crescer.

O sector pecuário em geral e o sector leiteiro em particular, ajudarão a responder a este grande desafio, porque o mesmo acontece com o crescimento da venerável humanidade, promovendo a segurança alimentar e a nutrição.

Consumir produtos lácteos faz bem, e ajuda a prevenir a desnutrição crónica, que é especialmente prejudicial para as crianças porque o atrofiamento é em grande parte irreversível e está associado a um menor desenvolvimento intelectual, menor produtividade e a um maior risco de doenças crónicas no futuro. E produzi-los é uma tarefa nobre que emprega mais de 150 milhões de lares em todo o mundo.

Já bebeu o seu copo de leite hoje?

Valeria Guzmán Hamann
EDAIRYNEWS

 

‘Ambrosia da Zezé’ também ganhou medalha no Enel, no mês de julho.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER