O novo consumidor fez mudanças em sua dieta porque percebeu o impacto positivo, ou negativo, que ela pode ter em suas vidas, e isto necessariamente influencia as escolhas que fazem na prateleira.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
consumidor
HÁ UM RETORNO AO BÁSICO, À SAÚDE, À NATUREZA.

O novo consumidor fez mudanças em sua dieta porque percebeu o impacto positivo, ou negativo, que ela pode ter em suas vidas, e isto necessariamente influencia as escolhas que fazem diante da prateleira.

A COVID19 tem sido um marco na conscientização da medida em que é essencial manter o corpo saudável e bem nutrido para lidar com qualquer situação.

O reforço desta consciência trouxe consigo a preocupação de que os alimentos que escolhemos devem mostrar e demonstrar seu conteúdo e propriedades. Cada vez mais pessoas estão prestando atenção à qualidade e fonte dos alimentos, enquanto que no passado o principal era que eles sabiam bem e podiam ser facilmente incorporados aos nossos hábitos alimentares.

Há um retorno ao básico, de volta à saúde, e a FMCG Gurus com seus estudio ha demostrado tendemos a evitar produtos excessivamente glamorosos carregados de ingredientes desconhecidos, ou rótulos complicados e difíceis de ler. O que deixa claro que produtos ultra-processados projetados para se parecerem com o que não são não são a tendência que eles nos fariam acreditar.

Os produtos lácteos terão que mostrar e provar que atendem a essas expectativas, e também se defender contra as diversas calúnias e insultos, que gritam mais alto, sem dúvida financiados pelas produções que visam substituí-los, prometendo uma naturalidade que está a anos-luz de distância… da natureza.

Além da saúde, estamos preocupados com o cuidado ambiental e o bem-estar animal. As grandes marcas estão se aproximando da placa e apoiando estas preocupações, por exemplo, esta semana vimos em eDairyNews como Mastellone Hnos. na Argentina e o Grupo TGT na Espanha, obtiveram o selo que garante que o leite que processam provém de fazendas que cumprem com os requisitos de bem-estar animal exigidos pela certificação.

Saudável não é de mau gosto

O paladar é algo que os consumidores exigentes não estão dispostos a comprometer, independentemente de suas preocupações com a saúde e as credenciais de sustentabilidade, e isso força as marcas a incorporar ingredientes de qualidade.

A indústria deve reconhecer e abordar esta aspiração por uma vida saudável, cuidado com o meio ambiente e atenção ao bem-estar animal porque nós consumidores estamos tentando alcançá-la; deixando claro que eles produzem sob estas máximas e, acima de tudo, trabalhando para tornar estes produtos acessíveis e também satisfazer a experiência sensorial, aroma, textura e sabor.

Essas preferências se tornaram até mesmo exigências. O processo inflacionário que quase todo o globo está passando também nos deixou mais relutantes em pagar em excesso, o que tem colocado em cheque a lealdade à marca para toda a vida.

Em resposta, surgiu uma enorme gama de “novos produtos lácteos”, que não são leite, iogurte, queijo ou manteiga, e você tem que olhar com muito cuidado porque eles são embalados como se fossem. Eles se parecem com eles, mas não são. Eles também não afirmam ser, mas têm a mesma aparência. Eles são mais baratos em preço… e em nutrientes.

A produção de leite está se tornando cada vez mais cara e cada vez mais complexa. Pandemia, guerra, condições climáticas e políticas ambientais que são mais prejudiciais do que todas as anteriores. O leite pode ser o alimento sem culpa nestes tempos, porque é saudável, porque sua produção trabalha cada vez mais no cuidado com o meio ambiente e na proteção do bem-estar animal.

Também a nutrição esportiva do leite está desempenhando um papel importante. Outra coisa que chegou à consciência de todos nestes tempos é como é bom se exercitar, não só para a boa forma física, mas também para a saúde. O leite acompanha esse novo rictus, proporcionando nutrição e hidratação.

Os consumidores se tornaram conscientes de que é através da alimentação que inúmeros problemas de saúde podem ser evitados. Eles entenderam que a prateleira de laticínios é melhor do que o balcão da farmácia. Isto desafia a indústria a gerar produtos divertidos e aspiracionais que se posicionam em torno de um estilo de vida ativo e divertido.

Embora o volume do mercado de leite tenha diminuído nas últimas duas décadas, ele continua sendo o tipo de produto lácteo mais popular.

Para 40% dos consumidores, a funcionalidade é uma motivação chave para se voltar aos produtos lácteos, que estão associados a ingredientes nutricionalmente ricos, eles não querem mais que o que colocam na boca seja apenas saboroso, querem que sirva a um propósito, e a popularidade dos laticínios mostra que os produtos lácteos são valorizados como um jogador vital em uma dieta equilibrada, rica e saudável.

O estudo sobre as preferências dos consumidores em 2022, que mencionei acima, também diz que as tabelas nutricionais mais procuradas são especificamente aquelas que contêm produtos lácteos: vitaminas (64%), cálcio (58%) e proteínas (58%). Isto mostra como é importante que as marcas forneçam informações claras sobre o que cada produto fornece, e reivindicações de suas multifuncionalidades.

Transparência da cadeia de fornecimento

Os consumidores querem mais informações sobre os produtos que estão prestes a consumir. Como os ingredientes foram obtidos, o processo pelo qual o produto passou e como ele foi distribuído.

De acordo com a pesquisa, 73% acham que os compromissos de sustentabilidade são importantes na compra de produtos lácteos. As marcas devem responder oferecendo transparência em toda a cadeia de fornecimento. Isto apoiará a sensação de que as marcas e seus produtos são confiáveis, seguros e de alta qualidade.

Globalmente, até 62% verificam as tabelas de nutrição láctea. É crucial que a indústria de laticínios leve isso em consideração e trabalhe para aumentar a conscientização dos elementos benéficos e ricos em nutrientes de seus produtos.

80% dos consumidores globais escolhem marcas locais que fornecem ingredientes de origem local. De volta à liderança Mastellone Hnos. y então Tregar, nos mostrou como eles escolhem morangos do Chaco para seus iogurtes.

As marcas de produtos lácteos devem apresentar iniciativas e estratégias de sustentabilidade em toda a cadeia de fornecimento. Desde como eles lidam com as emissões de carbono, até como lidam com as embalagens, até o foco no bem-estar animal e nos resíduos alimentares.

Produtos de origem vegetal

O mercado baseado na fábrica continuará a se expandir, entretanto, a pesquisa da FMCG Gurus mostrou que o consumo das categorias de laticínios não diminuiu diante do advento de alternativas.

O consumo de leite é bom e não podemos deixar de dizê-lo, o tempo todo e de todas as maneiras possíveis. Então eu me pergunto, você na indústria leiteira, já bebeu seu copo de leite hoje?

É praticamente impossível tirar certos aperitivos do gosto do brasileiro. Sabendo disso, uma pesquisa decidiu apurar um dos nossos xodós do cardápio nacional e elegeu o melhor requeijão que hoje é vendido no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER