No ano passado, o país vendeu ao exterior US$ 12 milhões em derivados do leite e importou US$ 86 milhões
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A Aliança Láctea Sul Brasileira, entidade criada para fortalecer a cadeia produtiva, divulgou na sexta-feira, 17, que irá trabalhar a capacitação das empresas do setor de leite para o comércio exterior. A oportunidade que existe no mercado internacional é necessária para enfrentar a crise econômica durante e após a pandemia do novo coronavírus.

Em 2019, o Brasil exportou US$ 12 milhões e importou US$ 86 milhões em produtos lácteos como queijos e leite em pó. “Esse jogo não é fácil de ser virado, porque os países que são grandes produtores — a Europa e sua produção quase milenar de lácteos — formam um bunker de proteção contra importação, para proteger o seu mercado interno”, afirma o comentarista do Canal Rural Benedito Rosa.

Para se tornar um grande fornecedor no mercado externo, o Brasil tem que atender alguns pré-requisitos, entre eles melhorar o padrão sanitário e mostrar ao mundo que não temos mais problemas de tuberculose e brucelose bovina. “São problemas antigos, que determinam um padrão sanitário que pode levar um país a barrar nossa importações”, diz.

Além disso, Benedito Rosa afirma que seria necessário proteção do estado para os pequenos produtores, garantindo mercado a eles. “Hoje, 20% dos produtores produzem 80% da produção”, comenta.

A companhia de lácteos Fonterra, da Nova Zelândia, obteve lucro de 583 milhões de dólares neozelandeses (US$ 341 milhões), depois de impostos, no ano fiscal 2022, encerrado em 31 de julho. O resultado representa queda de 3% ante o período anterior.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER