"> O Reino Unido pode ser um grande queijo na Ásia, a investigação sugere - eDairyNews-BR
As importações de queijo aumentaram 10% de 2015 a 19 em algumas das economias de crescimento mais rápido do mundo, diz Kite Consulting.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Fonte: Wyke Farms As importações de queijo aumentaram 10% de 2015 a 19 em algumas das economias de crescimento mais rápido do mundo, diz Kite Consulting

Stilton, Red Leicester e Caerphilly podem não ter o mesmo cachet global que brie, edam ou mozzarella, mas isso poderia mudar se os exportadores britânicos pudessem aproveitar ao máximo a procura crescente de queijo nas economias asiáticas em expansão, sugeriram novas investigações.

Um estudo da Kite Consulting e do fornecedor de dados do sector leiteiro National Milk Records avaliou o potencial de consumo de leite de 90 países importadores de leite com uma população de quase 5 mil milhões de pessoas – representando dois terços da população mundial – fora dos blocos comedores de queijo estabelecidos da Europa e da América do Norte.

Encontrou oportunidades “enormes” para os produtores britânicos, com a procura de lacticínios por parte dos 90 países, que incluía potências como a China, Indonésia e México, aumentando de 258 mil milhões para 304 mil milhões de kgs entre 2011 e 2019 – o que representa um salto de 17,8%.

“Quanto mais desenvolvido economicamente um país for, mais queijo importará”, afirmava o estudo, prevendo que “a produção leiteira local nos países importadores não irá satisfazer o aumento da procura, uma vez que as provas mostram que a auto-suficiência diminui à medida que o desenvolvimento económico aumenta”.

“Esta tendência parece que vai acelerar”, acrescentaram os investigadores.

As estimativas do governo americano publicadas em Julho mostraram que a procura de queijo na China triplicou entre 2012 e o ano passado, com os exportadores americanos, europeus e neozelandeses a fazerem feno à custa de um crescimento “sem precedentes”.

Mas para que as marcas britânicas se tornassem um produto de base para o fabrico de queijo nas bancas de Xangai, Dubai ou Singapura, era necessário “inovação no sector da transformação” e “apoio político” para um maior acesso ao mercado, de acordo com o relatório Kite/NMR.

Segue-se aos avisos do Kite no mês passado de que o sector leiteiro do Reino Unido enfrentou um momento de “reinício” devido ao aumento dos custos dos insumos, acrescentando que os compradores de lacticínios teriam de partilhar o fardo inflacionário com os fornecedores, ou correr o risco de perder o produto para mercados de exportação dinâmicos,

“Os produtores e transformadores ocidentais de lacticínios, incluindo os do Reino Unido, são susceptíveis de considerar os mercados de exportação como as suas fontes de crescimento empresarial futuro e atractivo, na medida em que as suas restrições ambientais o permitam”, disse John Allen, sócio-gerente da Kite.

A investigação da empresa segue-se à revelação de um plano pela NFU há dois meses atrás para duplicar as exportações de lacticínios do Reino Unido durante a próxima década.

Surge quando o Departamento de Comércio Internacional lançou na semana passada um plano ambicioso para tentar aumentar o valor das exportações globais para 1 trilião de libras, aproveitando ao máximo o “rápido crescimento económico na região Indo-Pacífico” e a “deslocação [do] centro de gravidade económica mundial para leste”.

Até 2050, espera-se que o Brasil, a China, a Índia, a Indonésia, o México, a Rússia e a Turquia “igualem colectivamente a quota do G7 na procura global de importações”, de acordo com o plano “Made in the UK, Sold to the World” do departamento.

Traducción: DeepL

É a primeira vez na história que uma carga de leite brasileiro é exportado para a China. Cooperativa gaúcha é a responsável pelo feito.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER