Tamires Zotesso Ruver vive da bovinocultura do leite desde criança. Filha de produtores de leite, ela com o seu esposo Nei Rodrigo deram continuidade na atividade.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

Tamires Zotesso Ruver vive da bovinocultura do leite desde criança. Filha de produtores de leite, ela com o seu esposo Nei Rodrigo deram continuidade na atividade. Como casal, são dez anos que Tamires e Nei realizam a gestão da propriedade, localizada na Linha Floriano, no município de Toledo. Ela revela que está atenta ao atual cenário da atividade e novos investimentos estão suspensos para manter o sistema financeiro equilibrado.

A produtora de leite Tamires lembra que uma das dificuldades da atividade em 2020 está relacionada ao preço pago pelo litro de leite e essa questão é histórica. “O valor repasso ao produtor é baixo. Na realidade, a sensação é que ele nunca aumenta. Toda a vida, as pessoas acompanham essa situação na cadeia do leite”.

Em 2021, ela destaca que os preços pagos nos grãos estiveram atraentes. “Quando soja ou milho aumentam de valores, sobe tudo e o leite? O leite conseguiu baixar. Encerramos o ano de 2020 recebendo em média R$ 2,15 no litro do leite. Nos primeiros meses de 2021, o valor revertido ao produtor é R$ 1,80”.

A produtora ainda pontua que em dezembro do ano passado, o valor pago na saca de milho estava entre R$ 47,00 a R$ 50,00. Atualmente, a média é de R$ 90,00. “A principal alimentação do animal é o milho, porque o grão está presente na ração e na silagem”. Ela chama a atenção que esse valor fixado é para a venda do produto, pois para quem compra o preço é maior. Situação semelhante acontece com a saca da soja. “Com isso, se o produtor não guardar o grão, ele pode comprar por um valor maior ao vendido”.

ESTRATÉGIA – Desta maneira, com o custo do principal ingrediente da ração alto e o litro de leite baixo, a produtora consegue empatar o custo e a despesa na propriedade. Tamires explica que uma reserva foi realizada nos anos anteriores, o que tem auxiliado na propriedade. “São seis meses em que a propriedade ‘gira’ somente para pagar os custos. Em alguns momentos, nós fazemos lotes de novilhas e comercializamos os animais. Esse recurso colabora conosco. Na época boa, fazemos um fundo de reserva para na época ruim nos mantermos”.

A produtora lamenta este cenário e menciona que novos investimentos estão suspensos, desde em melhorias na propriedade como no aumento do rebanho. “Infelizmente, precisamos ‘cortar’ custos. Nós diminuímos o rebanho para minimizar os custos. Não temos o lucro, porém não temos despesas”, salienta Tamires ao citar que a expectativa é que em torno de 75% dos produtores de leite – que produzem em média dez mil litros por leite por mês – já realizaram a venda de um animal em Toledo e região. “Quando o valor pago ao leite amplia, o produtor opta em investir na sua atividade, seja na aquisição de gado, no melhoramento genético ou na ampliação da cadeia. Porém, quando o valor diminui, as contas precisam ser pagas e alternativas são buscadas. Muitos produtores são semelhantes a minha família e trabalham somente com a atividade leiteira. Por isso, optamos por economizar em alguns momentos. Viver do leite é bom, mas é preciso fazer a sua gestão”.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER