"> Os agricultores precisam dos incentivos certos para reduzir as emissões - eDairyNews-BR
Os rivais agrícolas do Estado estão a explorar estas ideias enquanto nós temos vindo a marcar passo.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O Irish Farmers’ Journal publicou na semana passada um artigo que previa consequências desastrosas para o rendimento agrícola e o emprego se a agricultura fosse solicitada a reduzir as emissões em 21-30 por cento até 2030, com base num relatório que tinha encomendado aos consultores da KPMG.

O desafio que o sector agrícola enfrenta para reduzir as emissões irá exigir esforços extraordinários. A análise do tipo produzido pelo relatório da KPMG é bem-vinda ao destacar as questões envolvidas.

Estudos encomendados respondem à pergunta que foi feita. Foi solicitado à KPMG que quantificasse os efeitos de produção e emprego de determinados cenários de redução de emissões.

Atingir a redução de 18 por cento nas emissões exigirá que os agricultores façam mudanças muito significativas nas suas práticas agrícolas

A KPMG teria produzido um relatório diferente se lhe tivesse sido pedido para recomendar como a agricultura poderia alcançar estas reduções de emissões com um impacto mínimo sobre o nível de produção e rendimento.

O relatório ignora os impactos de mercado que resultariam da sua projectada redução na produção, assumindo que os preços não seriam afectados.

Mas menos gado e menos leite produzido significaria fábricas de carne e laticínios a competir por fornecimentos mais limitados e, portanto, preços mais elevados para os agricultores, o que compensaria alguma da perda de rendimento que prevê.

Atingir a redução de 18 por cento nas emissões que estima viável através de alterações técnicas e de gestão exigirá que os agricultores introduzam alterações muito significativas nas suas práticas agrícolas. No entanto, o relatório assume que os agricultores permanecem totalmente passivos em resposta às reduções projectadas na produção.

Não se tem em conta o potencial de diversificação. Embora as ONG ambientais exagerem frequentemente este potencial – a Irlanda não se vai tornar uma horta de mercado – é estranho assumir que os agricultores não procurarão oportunidades na silvicultura, bioenergia, produção biológica, ou empresas alternativas se a agricultura de ruminantes for reduzida.

Significativamente, o relatório não faz qualquer tentativa de estimar o impacto de fornecer o quadro de incentivos necessário para reduzir as emissões agrícolas. Os gases com efeito de estufa são um problema de acção colectiva.

O número de vacas leiteiras aumentou em 37% na década de 2011-2020, em resultado da remoção das quotas leiteiras. Um produtor de leite em busca de financiamento bancário para expansão apresentará um orçamento que inclui o futuro cheque leiteiro, o custo dos alimentos adicionais e fertilizantes, e o financiamento necessário para o alojamento extra.

Em parte alguma o custo do aumento das emissões irá aparecer no orçamento do agricultor. Os agricultores estão bem conscientes dos danos que estas emissões causam, mas o problema é de outra pessoa. Para resolver o problema das emissões, o custo destas emissões, bem como os benefícios da sua redução, precisam de ser tidos em conta no planeamento financeiro de cada agricultor.

Há alguns anos, a Assembleia dos Cidadãos votou esmagadoramente a favor da introdução de um sistema de imposto/reboque através do qual as emissões seriam tributadas, e as receitas recicladas para apoiar os agricultores a cultivar de forma menos intensiva em termos de emissões. A proposta foi rejeitada pelo establishment político e pelos líderes das principais organizações agrícolas.

Esquemas bem intencionados como o Origin Green, o GLAS e o Beef Data and Genomics Programme não foram eficazes na promoção da mudança. De acordo com os Relatórios de Sustentabilidade do Teagasc, as emissões nas explorações de criação de bovinos aumentaram de 4,1 para 4,2 toneladas de CO2e por hectare entre 2012 e 2019. Nas explorações leiteiras, as emissões aumentaram de 7,7 toneladas para 8,7 toneladas de CO2e por hectare.

Os Relatórios de Sustentabilidade do Teagasc também documentam a extraordinária variação que existe entre as explorações agrícolas em termos de emissões por unidade de produção, e o potencial que existe para melhoramento mesmo com a tecnologia existente.

A fixação dos preços das emissões é uma parte essencial do conjunto de ferramentas necessárias para incentivar a acção e impulsionar as mudanças necessárias nas práticas agrícolas. Os nossos concorrentes nos mercados mundiais, como a Nova Zelândia, estão a avançar e a explorar estas ideias enquanto nós temos vindo a marcar passo.

A Irlanda já não cumpre as suas metas climáticas para a UE e continuará a fazê-lo se as emissões agrícolas não forem reduzidas

O que o relatório da KPMG ignora é que a implementação de um esquema de incentivos adequado a nível da exploração agrícola desencadearia uma onda de inovação, uma vez que os agricultores, as cooperativas, os fornecedores de inputs e o estabelecimento de investigação vêem os benefícios de se concentrarem na redução de emissões, onde hoje em dia não há qualquer benefício em tomar medidas. As explorações agrícolas faróis como a exploração agrícola Devenish Nutrition na Dowth mostram o que é viável.

O relatório da KPMG também ignora os co-benefícios de uma acção climática ambiciosa. A agricultura não só enfrenta o desafio de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa. Os actuais níveis de produção estão também associados a uma perda de biodiversidade sem precedentes, deterioração da qualidade da água, e níveis de emissões de amoníaco que excedem os limites legais.

Estes outros desafios de qualquer forma levantam a questão do nível viável de produção agrícola na Irlanda para permanecer dentro dos nossos limites ambientais. A incapacidade de abordar estas questões conduzirá também a restrições na produção, como vemos acontecer nos Países Baixos e na Nova Zelândia, onde os sinais de alerta foram ignorados.

O relatório da KPMG destaca o custo potencial da acção climática na agricultura. Há também um custo para a inacção. A Irlanda já não cumpre os seus objectivos climáticos na UE e continuará a fazê-lo se as emissões agrícolas não forem reduzidas.

Isto exigirá despesas fiscais consideráveis, numa base anual, para comprar licenças de emissão a outros países da UE, a fim de nos adequarmos, financiamento que poderia ser utilizado para promover a transição verde em casa.

O relatório da KPMG não deve ser utilizado para atrasar a acção urgente para reduzir as emissões agrícolas. A sua verdadeira mensagem é a necessidade de fixar o preço adequado das emissões a nível da exploração agrícola, de modo a que os agricultores sejam incentivados a tomar as medidas necessárias para evitar os cenários mais severos que projecta.

Acompanhamento técnico melhora todos os indicadores das propriedades.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER