A adulteração destes alimentos tornou-se mais sofisticada, particularmente industrial, disse Aarón Fernando González Córdova.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

– A adulteração destes alimentos tornou-se mais sofisticada, particularmente industrial, disse Aarón Fernando González Córdova

– Existem formulações feitas praticamente sem o comestível natural, disse Katia Yetzani García Maldonado

– A regulamentação em geral e a rotulagem em particular, continuam a ser um meio de exclusão do mercado formal destes produtos artesanais, disse Esteban Barragán López.

A adulteração alimentar tornou-se mais sofisticada, particularmente na maioria dos queijos, que são formulações industriais feitas praticamente sem o ingrediente natural e cuja rotulagem não relata o que está realmente a ser vendido, concordaram académicos reunidos pelo Instituto de Investigação Económica da UNAM, na sexta sessão do Seminário Permanente da Rede de Sistemas Agro-alimentares Localizados-México (SIAL), “Fraudes e realidades da rotulagem do queijo no México”.

É uma questão em que os cidadãos são os mais desprotegidos, porque acreditam confiantemente no que os fabricantes oferecem no rótulo dos seus produtos, comentou Aarón Fernando González Córdova, um especialista em Ciência Alimentar do Instituto Tecnológico Nacional do México.

Não se trata apenas de adicionar água ao leite para obter um volume maior, mas de misturar uma série de ingredientes que constituem um engano para o consumidor, disse o investigador do Centro de Investigação em Alimentação e Desenvolvimento (CIAD).

No entanto, disse ele, apesar de as adulterações serem sofisticadas, hoje os métodos de análise para as detectar foram aperfeiçoados. “Esta é uma corrida contra o tempo, as estratégias utilizadas para a contrafacção de alimentos estão a avançar, mas também os métodos pelos quais podemos detectar estas alterações.

E advertiu: estamos a perder a percepção sensorial dos alimentos. No caso dos queijos feitos de leite, substituímo-los por aqueles feitos a partir de ingredientes, o que afecta directamente aqueles que trabalham para obter lactose como matéria-prima.

Por exemplo, quando as novas gerações são confrontadas com um produto autêntico, rejeitam-no devido ao seu forte sabor; o seu perfil sensorial já mudou e conceptualizam os produtos “plásticos” como genuínos.

Esta comida está presente na gastronomia nacional, no entanto, as normas estão centradas na parte industrial, e deixam completamente de lado a produção artesanal, aquela que é feita no campo e que é muito menos do que a primeira, disse ela.

Entretanto, Katia Yetzani García Maldonado, professora e investigadora da Universidade Autónoma da Cidade do México, afirmou: “O México é o maior consumidor de alimentos processados e ultra-processados da América Latina, e o quarto maior do mundo; são geralmente formulações industriais feitas praticamente sem os alimentos naturais.

A rotulagem de aviso foi uma decisão das organizações internacionais de saúde, derivada da epidemia de excesso de peso, obesidade e diabetes no México e no mundo, que está relacionada com a ingestão de tais alimentos. E ele esclareceu:

Esta rotulagem aplica-se apenas aos nutrientes adicionados; ou seja, aqueles que são artificialmente adicionados no momento do processamento e não estão contidos no próprio alimento. No caso dos queijos, quando são genuínos, não requerem rótulos de gordura saturada, por exemplo.

A partir de Outubro de 2025, quando a rotulagem da terceira fase entrar em vigor, o perfil nutricional completo, ou seja, os nutrientes que fazem parte do alimento enquanto tal e os que são adicionados, começarão a ser aplicados. “A razão por que isto foi feito deve-se aos riscos para a saúde do consumo excessivo de certos nutrientes críticos, tais como gorduras saturadas e sódio”, disse ele.

Os produzidos a partir de leite a 100% ou artesanal não devem ter rótulos para gorduras saturadas em excesso. O mais importante é a energia e a gordura saturada.

As escolhas alimentares, disse ele, não são feitas por causa do selo, mas é importante ter a informação para saborear queijo genuíno.

Esteban Barragán López, um académico do El Colegio de Michoacán, explicou que, antes da rotulagem dos alimentos, havia falhas internacionais no que respeita à denominação de origem, como no caso do queijo parmesão, que é válido para toda a vida e deve ser respeitado em todo o mundo; contudo, não é este o caso, e a sua venda noutros países é uma violação dos acordos e tratados internacionais.

No encontro organizado pelo Instituto de Investigação Económica da UNAM, assinalou que no México, as feiras de queijo artesanal são vitrinas para a indústria, onde promovem a alta qualidade na produção dos seus produtos.

“Assistimos a estas falsificações onde existem verdadeiros impostores que cometem o crime de imitação de marcas protegidas por lei para fins de especulação comercial, como acontece com a comercialização da Cotija, que não é da região de origem; contudo, é distribuída sob esse nome em grandes cadeias de supermercados a nível nacional”.

Está a ser feita uma tentativa de controlar este tipo de abuso com rotulagem frontal; no entanto, para os produtores artesanais é demasiado caro, porque “se quisermos que certas características ou informação nutricional apareçam, custa 8.000 pesos, por exemplo, e outra quantia semelhante para cada modificação do rótulo do produto”.

Os regulamentos em geral e a rotulagem em particular continuarão a excluir os queijos artesanais do mercado formal, e o seu lugar será ocupado por imitação ou produtos similares.

Traducción: DeepL

Os empresários mexicanos que se dedicam ao negócio do queijo e laticínios têm enfrentado uma situação difícil nos últimos meses.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER