A Adami quebrou o mito de que a pequena fazenda leiteira está condenada a ficar de fora do sistema de produção, vender suas vacas e máquinas de ordenha, fechar as persianas e alugar a fazenda a um produtor maior.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Marcos Adami, sua irmã Betina e sua mãe Beatriz têm pouca terra e poucas vacas, mas muito entusiasmo e os melhores conselhos dos engenheiros da INTA e do Club de Buenas Prácticas Tamberas. Isto lhes permitiu aumentar o número de animais, os níveis de produção e otimizar o funcionamento da fábrica de queijo que criaram em 2002, quando a economia ainda estava em crise.

A fazenda leiteira não está localizada em nenhuma das grandes bacias leiteiras, mas em Colon, Entre Ríos. Os Adamis são uma das muitas famílias da região, que é assolada por colonos, que possuem apenas alguns hectares de terra. Eles têm um total de 50 hectares, nos quais mantêm suas vacas e fábrica.

“É difícil crescer em superfície porque todos eles são pequenos campos na área, de 20 a 50 hectares, e não são alugados”, diz Marcos, que é o responsável pela fazenda de laticínios. Sua irmã é a encarregada da fábrica e sua mãe é a encarregada dos assuntos administrativos.

Há vinte anos, quando montaram a fábrica, tinham 20 vacas produzindo 18 litros por dia. Os laticínios tinham quatro galpões de ordenha e os queijos eram vendidos na área.

Com o passar dos anos, a tecnologia e a produtividade foram acrescentadas, graças ao reinvestimento, ao trabalho da família e ao aconselhamento de profissionais. Hoje eles têm 70 vacas de ordenha, 8 salas de ordenha, estabilizaram os laticínios e também aumentaram a produção de queijo.

Em média, cada vaca produz 25 litros, o que significa um aumento de 40% em comparação com o que cada vaca produziu há duas décadas. Todos os dias eles industrializam cerca de 2.000 litros e produzem 250 quilos de diferentes tipos de queijo, como o holanda (“O holanda aromatizado é o mais popular porque estamos em uma área turística”), gouda ou sardo sob a marca Fra-Be-Mar, que é a sigla dos três irmãos: “Francisco que faleceu, minha irmã Betina e minha irmã”, explica Adami.

O produtor garantiu que “há rentabilidade tanto na fazenda leiteira considerada como um elo e no sistema integrado com a indústria”, o que destrói o mito de que a escala é necessária para sobreviver na atividade leiteira.

Entre as principais mudanças implementadas pela Adami, ele destacou os estábulos de vacas. Como é sabido, Entre Rios é uma área com um regime pluviométrico elevado e isto gera mais lama que afeta a condição corporal das vacas.

No sistema Dry Lote, as vacas são alojadas sob um teto com um setor na frente com um piso de concreto onde elas comem, e depois uma base de terra e grama onde descansam.

“Com as carcaças de estábulo, o impacto da lama na qualidade de vida e produtividade da vaca é reduzido. Os engenheiros, entre os quais gostaria de destacar Walter Alberto Mancuso, da INTA Paraná, que me falou de bancas e graças a quem conheci o Club de Buenas Prácticas Tamberas. Eles nos ensinaram que era muito benéfico para as vacas estarem mais calmas, sem estresse do cio, para que não sofressem os efeitos negativos do clima, quanto mais calmas estiverem, mais produzem. Os engenheiros nos dizem que se a vaca está deitada, ela está indo bem; se está parada, procurando, ela está inquieta”.

Com estas mudanças na gestão, eles conseguiram melhorar a produtividade e a rentabilidade em uma pequena fazenda leiteira, mas também produzem sua própria ração e fertilizantes. O milho é fertilizado com o guano que eles coletam de sua granja avícola, o que este ano significa uma economia muito importante e, ao mesmo tempo, “permite-lhes reduzir a rotação, fazer milho ou ave de milho”, disse Marcos.

Os Adami’s estão muito felizes e orgulhosos de seus laticínios e de sua fábrica, e planejam ir mais longe. “Há dois anos, começamos a inseminação e queremos melhorar a genética do rebanho. Se reduzíssemos o número de vacas removendo as menos produtivas, a produtividade média de 30/32 litros por dia, mas não podemos passar sem esses animais, temos que substituí-los a tempo de alcançar esses recordes em mais três ou quatro anos”, disse Marcos.

 

Traduzido com DeepL

Fonterra diz que o acordo de livre comércio permite pequenas bolsas de acesso. Os fabricantes de queijo não estão satisfeitos que o uso do nome Feta seja perdido.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER